Pular para o conteúdo principal

ATÉ NA MÚSICA POP O PODER DA GLOBO É TÃO RIDÍCULO

HAILEE STEINFELD FAZ SUCESSO COMO CANTORA POP, NOS EUA E NO MUNDO, EXCETO NO BRASIL. A GLOBO NÃO DEIXA.

Ridículo o poder das Organizações Globo.

Até mesmo na música pop.

Sabe-se que as trilhas sonoras de novela da Rede Globo ditam o que deve ser tocado nas rádios em geral, não necessariamente ligadas à corporação dos irmãos Marinho.

O que prova que o poder "global" ultrapassa sua órbita, atingindo uma mídia não-associada.

Vemos rádios FM, algumas cinicamente definidas como "de boa música", tocando o pop comercial mais chinfrim e mofado cujos intérpretes nem sabemos quem e como são.

Mas no pop dançante também a coisa não é das melhores.

Uma das cantoras pop em plena ascensão no momento não tem um segundo sequer tocado nas emissoras FM que não passam de satélites do "planeta" Globo.

Ninguém menos que a atriz Hailee Steinfeld, bastante popular nos EUA e no resto do mundo, e cujo sucesso se repete com sua trajetória musical.

Ela lançou hits poderosos, como "Love Myself", "You're Such A" e "Rock Bottom".

É amiga de Taylor Swift e realiza turnê com Meghan Trainor, só para citar duas cantoras bem conhecidas pelos brasileiros.

Mas aqui Hailee Steinfeld é só a atriz de Bravura Indômita (True Grit), filme de 2010.

Ela até aparece de vez em quando nas revistas de famosos daqui, mas só fica nisso.

Sua carreira musical não deslancha aqui porque a Globo não deixa.

Ela tem que primeiro "acontecer" em alguma trilha sonora de novela da Globo.

Quando muito, na trilha do seriado adolescente Malhação.

Se não for por esse meio, nada feito.

E olha que falamos em pop dançante, synth-pop, pop juvenil.

Imagine então a MPB, refém de trilhas sonoras de novelas. Os artistas emergentes, das novelas das sete. Os veteranos, das novelas das nove.

O fato de Hailee Steinfeld ter sua carreira musical ignorada pela mídia mostra o quanto o Brasil chegou a uma situação aberrante.

Haiz, como é conhecida, ganha o reconhecimento nos outros países, se destacando como uma cantora pop despretensiosa, que não promete mudar o mundo nem salvar a arte, mas fazer um pop dançante e decente dentro de sua proposta de fazer canções assobiáveis e para dançar na pista.

Mas aqui ela só terá vez se entrar em trilha sonora de novela da Globo ou de Malhação.

O que mostra o quanto a Globo controla a chamada indústria cultural no Brasil.

A Globo decide o que deve ou não fazer sucesso na música nacional e estrangeira.

Isso é terrível, porque é um poder como esse que emburreceu os brasileiros e permitiu que muitos se mobilizassem para instaurar um governo podre que hoje temos.

A Globo, contrariando seu nome, transforma o Brasil numa província, isolada do mundo que assiste, assustado, à trajetória suicida do governo Michel Temer.

Uma província que se isola até em relação à música pop.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…