Pular para o conteúdo principal

MINISTRO DO PLANEJAMENTO PLANEJA SALVAR SUA PELE E BARRAR "LAVA-JATO"


Em uma conversa de mais de uma hora, o senador licenciado e ministro do Planejamento do governo Michel Temer, Romero Jucá, negociou com o ex-presidente da Transpetro, Sérgio Machado, um pacto político para conter o avanço da Operação Lava-Jato.

A informação foi revelada pela imprensa hoje de manhã e partiu de uma gravação que está nas mãos da Procuradoria Geral da República.

Romero Jucá já é considerado réu no esquema de cobrança de propinas da Petrobras, foco de investigação (embora tendenciosa) da Operação Lava-Jato. Outros ministros de Michel Temer foram indiciados sob a mesma acusação.

Na conversa, cujos detalhes podem ser obtidos aqui, Sérgio está preocupado com a intenção do procurador Rodrigo Janot de investigar políticos do PMDB e outros envolvidos no referido esquema de corrupção.

Aflito, Sérgio pede para Jucá pensar num jeito de evitar que "todo mundo 'desça'" (seja condenado), numa saída para evitar que tais envolvidos, como os próprios interlocutores, tenham sua investigação nas mãos do juiz paranaense Sérgio Moro.

Entre vários detalhes, Jucá menciona a necessidade de um "pacto nacional" do governo Michel Temer "com tudo", inclusive o Supremo Tribunal Federal. Sérgio comenta a sugestão dizendo que, com isso, "parava tudo" e a Operação Lava-Jato "delimitava" até onde chegou, se encerrando nesse ponto.

Jucá foi um dos maiores articuladores do processo de impeachment da presidenta Dilma Rousseff.

Sua dedicação a esse objetivo, no Senado Federal, era comparável ao de Eduardo Cunha, outro réu da Operação Lava-Jato, quando era presidente da Câmara dos Deputados, cargo do qual foi afastado.

Isso mostra a que veio o governo ilegítimo do presidente interino Michel Temer.

Um interino que mexe demais no programa de governo da República.

Mexe como um inquilino que ordena a reforma total da casa e a troca de imóveis, enquanto o dono da casa passa os meses fora.

E já está sofrendo uma séria crise, com protestos em várias partes do país.

Com muito mais gente que os "coxinhas" que foram de verde e amarelo protestarem contra Dilma.

Muita coisa vai acontecer nesse governo temeroso.

A crise acabou... de começar.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…