Pular para o conteúdo principal

MICHEL TEMER NÃO LARGA O OSSO E USA ECONOMIA PARA FICAR NO PODER


O governo Michel Temer tenta resistir ao vazamento das conversas telefônicas de Romero Jucá.

Resolveu, aos olhos da sociedade conservadora e seus representantes, "mostrar serviço".

Seu ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, mandou para o congresso seu plano de metas fiscais.

E fez justamente aquilo que acusaram Dilma Rousseff de ter feito e custou o poder da presidenta.

Meirelles e sua equipe previram um rombo fiscal de R$ 114 bilhões.

Mas depois Meirelles anunciou um rombo de R$ 170 bilhões.

Isso é justamente a pedalada fiscal.

Adulterou-se uma informação fiscal para permitir operações econômicas, no caso o corte dos investimentos.

Arrocho salarial, fim dos encargos, afrouxamento da legislação trabalhista, redução de investimentos em setores sociais.

A desculpa é que Michel Temer está ocupado no que "interessa": "resolver" a recessão econômica e "garantir" o desenvolvimento econômico.

Temer quer abafar os escândalos que atingem seu governo e aqueles que o apoiam.

Pouco importam se seus ministros estão indiciados no esquema de propinas da Petrobras.

Pouco importam se manifestantes protestaram em várias partes do país contra o governo ilegítimo de Michel Temer.

Pouco importam as denúncias escandalosas, como as de Romero Jucá, que descreveu Michel Temer como um serviçal de Eduardo Cunha.

E pouco importa se é o deputado afastado Eduardo Cunha e o senador Aécio Neves os maiores mentores da "Ponte para o Futuro", o temeroso projeto político para o Brasil.

Michel Temer, mesmo fragilizado, não larga o osso e usa a Economia para se manter no poder.

Ele, um presidente interino que se acha definitivo, sem direitos naturais de mudar o projeto político deixado por Dilma Rousseff.

Ele muda esse projeto como um visitante que insiste em reformar a casa do seu hospedeiro, enquanto ele está fora do referido lar.

E Temer quer mexer demais, para um presidente interino.

Pior: sob o apoio da grande mídia e de alguns mandões do Supremo Tribunal Federal.

Sob a desculpa de resolver a crise, vai forçar os trabalhadores a "apertarem os cintos".

Até porque o Brasil anda desgovernado.

Com muitos corruptos defendendo seus interesses, desde o tragicômico 17 de abril.

O mundo estranha os rumos políticos ocorridos no Brasil.

Nem conservadores como a direita venezuelana e o governo do argentino Maurício Macri reconhecem a legitimidade do governo Temer.

Nem a imprensa estadunidense, em boa parte conservadora.

Nem os mais renomados analistas políticos do mundo desenvolvido.

Mesmo assim, Michel Temer se mantém no poder na marra. Até o fim de 2018.

Ele pode ser idoso e com idade para ser avô de sua própria esposa, Marcela.

Mas Temer é teimoso como uma criança malcriada.

Que venha o povo nas ruas novamente.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…