Pular para o conteúdo principal

O BRASIL TEMEROSO E ISOLADO DO MUNDO

JOSÉ SERRA SE ACHA O DONO DO MUNDO.

O Brasil temeroso e isolado do mundo foi instaurado há cerca de duas semanas.

É o governo dos derrotados das eleições de 2014.

Menos interesses sociais e mais interesses de mercado, reza a cartilha de Michel Temer e sua equipe.

Um presidente interino que mexe além da conta, para quem exerce um governo provisório.

Quer mudar tudo, impondo uma agenda conservadora e contrária ao interesse público.

Um governo que surgiu de maneira estranha e que deixou os jornalistas e autoridades estrangeiras boquiabertos.

Ninguém entendeu as razões de implantação desse governo.

Até políticos direitistas e claramente conservadores, como o venezuelano Henrique Capriles e o presidente da Argentina, Maurício Macri, admitem que o governo Temer se instaurou sob um golpe.

Sim, Maurício Macri, que lança um projeto político similar ao de Temer e que enfrenta protestos populares em tudo quanto é canto de seu país.

A opinião pública do exterior tem um quase consenso em admitir que Temer chegou ao poder de forma fraudulenta e golpista.

Gravações lançadas pelo antigo aliado Sérgio Machado, político que presidiu a Transpetro, confirmam isso.

Tudo foi golpe: negociação de políticos conhecidos para criar um meio para derrubar Dilma Rousseff, que, como presidenta, iria pressionar o Judiciário para investigar políticos da oposição anti-PT que estavam envolvidos na corrupção da Petrobras.

Tudo foi golpe: partidos políticos anti-PT financiando as passeatas do impeachment, pagando jovens para disparar desaforos contra Lula e Dilma nas mídias sociais, pagando jornalistas para difundir calúnias e mentiras.

A imprensa no exterior, mesmo a conservadora, admite isso.

E o que a nossa imprensa provinciana diz?

Que a imprensa gringa está "errada", só recorrendo a fontes petistas.

Grande engano. Até porque mesmo a imprensa reacionária brasileira teve que admitir certos incidentes sombrios do governo Temer.

O Estadão, por exemplo, admitiu que Henrique Meirelles praticou "pedalada fiscal".

Adulterou informações sobre déficit fiscal e "inflou" a chamada meta fiscal acrescentando, pelo menos, R$ 50 bilhões, para forjar um "rombo monstruoso" que assustasse o brasileiro médio e justificasse os cortes nos investimentos.

Agora, o Minha Casa, Minha Vida vai cortar muitos benefícios.

Famílias de baixa renda terão que voltar para a favela, se espremendo, como antes, em casas improvisadas e precariamente construídas.

Mas mesmo assim o governo de Michel Temer tem que se impor na marra e, diante dessa tsunami de revelações, a ficção tem que se manter acima da realidade.

José Serra querendo agir contra quem faz críticas ao Brasil.

Um economista que agora quer brincar de ser diplomata sem conhecer a National Security Agency, importante agência de segurança dos EUA.

Enquanto isso, a "nata" da ultradireita midiática quer minimizar a crise.

Até a Isto É agora quer "pacificar" o Brasil, depois de declarar guerra a Dilma Rousseff.

Com os "coxinhas" tranquilos, a Isto É pediu para os "mortadelas" (anti-impeachment) também se acalmassem, "em nome do país".

As denúncias de Romero Jucá foram suavizadas e os detalhes do golpe foram omitidos.

Toda a imprensa mais conceituada do exterior fala que houve um golpe.

Mas aqui o "consenso" é que Temer assumiu a presidência "dentro da normalidade constitucional".

E a grande mídia quer que o governo Temer sobreviva a todo esse maremoto de escândalos revelados em gravações.

E vai noticiar agora um mundo mais alegre e tranquilo.

Enquanto a crise ocorre na vida real de um país que não existe na grande mídia.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…