Pular para o conteúdo principal

EDUARDO CUNHA E "FUNK CARIOCA" NA ERA COLLOR


Começo dos anos 90. Quando a década não inspirava saudosismo nos incautos - afinal, era a década em que os barões da mídia e o "deus" mercado aumentaram sua influência na sociedade brasileira - , Eduardo Cunha e o "funk carioca" andavam às boas com a Era Collor.

Hoje Eduardo Cunha está fora, desde ontem, da presidência da Câmara dos Deputados e foi suspenso do cargo de deputado federal pelo Rio de Janeiro. Mas a sentença é provisória e Cunha anunciou que recorrerá contra ela.

O "funk", por sua vez, é jogado pela "mão invisível do mercado" e pelos barões da grande mídia para distrair o povão enquanto o Judiciário partidarizado prepara a expulsão de Dilma Rousseff.

O "funk" não está aí com Eduardo Cunha.

Eduardo Cunha nem está aí com o "funk".

Mas ambos foram beneficiados por um mesmo cenário político.

A Era Collor, entre 1990 e 1992.

Foi nela que Eduardo Cunha, nomeado presidente da TELERJ, antiga estatal de telefonia fixa do Rio de Janeiro que, privatizada, hoje corresponde à OI, se ascendeu políticamente, casado com a estonteante Cláudia Cruz.

Foi nela que os DJs mais bem-sucedidos de "funk", DJ Marlboro e Rômulo Costa (Furacão 2000), rasgaram as lições dos mestres e reduziram o antigo funk eletrônico a uma baboseira simplória de vocais desafinados.

O "funk" cresceu com o apoio do mercado, da mídia e de políticos associados.

A Era Collor serviu para a ascensão e o crescimento vertiginoso da politicagem e ganância mercadológica que influíram na decadência política e cultural do Brasil.

Nela foi posta em prática a farra de concessões que José Sarney e Antônio Carlos Magalhães prepararam para políticos e empresários aliados na década anterior.

Ritmos caricatos e pastiches de gêneros populares, como o "sertanejo" e o "pagode romântico", que parodiavam respectivamente a música caipira e o samba, eram lançados.

O fisiologismo político se consolidava criando quadros viciosos de clientelismo e demagogia.

Com o tempo, essa situação degradante, que causaria vergonha nos tempos de João Goulart (1961-1964), se tornou normal no Brasil.

E ganhou ares de falso progressismo.

Com o tempo, Cunha, Collor e os funqueiros saltaram de pára-quedas sobre a base aliada do governo Lula.

Parasitaram o presidente e tentaram embarcar no primeiro governo Dilma Rousseff. Iniciaram o segundo mandato dela na mesma carona, mas depois veio a crise.

E aí Eduardo Cunha passou para a oposição explícita.

Fernando Collor se absteve.

O "funk carioca" e derivados, um falso apoio ao governo Dilma.

Cunha sendo usado pela grande mídia como um "chato útil" para preparar o processo de impeachment.

Collor ajudando a campanha anti-Dilma e anti-Lula como um aparente aliado do PT.

E o "funk carioca" espetacularizando o povo pobre num triplo trabalho.

O de despolitizar os movimentos sociais.

O de distrair o povo pobre deixando-o fora do debate político.

E o de promover a imagem de ridícula das classes populares para permitir a reação das elites.

Hoje Eduardo Cunha, Fernando Collor e o "funk carioca" não se bicam.

Mas todos estiveram juntos num mesmo contexto social, cultural e político.

E é provável que sobrevivam no establishment do futuro governo de Michel Temer.

Abraçados ao "deus" mercado e aos barões da grande mídia.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…