Pular para o conteúdo principal

O "SERTANEJO" E SEU EXCESSO DE PRETENSÃO


O "sertanejo universitário" é um poço de pretensão e arrogância.

A partir do nome.

Afinal, o gênero nada tem do sentido original de "sertanejo", o de música caipira de raiz.

E também não tem coisa alguma do aprimoramento cultural dos universitários.

É apenas uma linha de montagem sonora que envolve acordeon, guitarra elétrica e vocais desafinados.

Mas de vez em quando a pretensão vai longe demais.

É o caso de uma dupla que poucos conhecem, Zé Neto & Cristiano.

As duplas são todas iguais, pouco importando se é Zé Neto & Cristiano, Marcos & Belutti, Fernando & Sorocaba, Munhoz & Mariano, e o que vier por aí.

Todos reproduzindo uma fórmula, como automóveis produzidos em série.

Mas aí o Cristiano, da dupla com Zé Neto, foi logo falar uma besteira.

"As pessoas têm dificuldade em aceitar que a música sertaneja é a nova MPB", se atreveu a dizer o cara.

O motivo: "sucesso popular" e "geração de dinheiro".

Se MPB é algo que "gera dinheiro" e "lota plateias", então qualquer muamba vendida no camelô é "MPB", até ferro de passar roupa queimado.

Se MPB é algo que "arrasta multidões", qualquer cadáver de alguém assassinado num subúrbio é "MPB", porque diante dele multidões o cercam para observá-lo.

O grande problema é que esse pessoal, que tanto fala em "combater o preconceito", tem, na verdade, uma visão muito preconceituosa da MPB.

Uns veem a MPB como uma combinação de trajes de gala e plateias lotadas, como os pedantes ídolos do "pagode romântico" e do "sertanejo" dos anos 90.

Outros veem MPB como um alpinismo musical, achando que podem fazer qualquer porcaria nos primeiros álbuns e depois vai inserindo covers de emepebistas aqui e ali.

Outros veem MPB como um investimento financeiro, pois se tem maior público e grande faturamento, "isso é MPB".

Todas essas visões são puramente inconsistentes.

Até porque nenhum desses ídolos têm a consistência e a espontaneidade artística da verdadeira MPB, a verdadeira verdadeira, com M maiúsculo, que não precisa viver de plateias lotadas nem de fórmulas de mercado.

MPB é Edu Lobo, é Elizeth Cardoso, é Milton Nascimento, é Mutantes, é Luiz Gonzaga, é Cartola, é Toninho Horta, é Tom Jobim e Vinícius de Moraes.

Gente que não surge de uma reunião de escritório para negociar qual será o ritmo do momento.

Esse "sertanejo universitário" que está aí é música só para o corpo, para as pessoas dançarem e beberem nas noitadas.

É algo que já vem previamente negociado num escritório.

E, como todo estilo brega-popularesco, os "artistas" não contribuem nos arranjos.

Um arranjador de plantão faz todo o serviço, os "artistas" só fazem o pedido, como freguês num restaurante.

O arranjador bola o ritmo do momento, se é para botar acordeon, se é para inserir cítara, se é para botar gaitinha, se é para escrever uma letra mais poética.

Ou então se a moda é parasitar alguma cover emepebista do momento, se é "Nervos de Aço" de Lupicínio Rodrigues, "Como Nossos Pais" de Belchior ou "Canção da América" de Milton Nascimento.

A verdade é que Cristiano, da dupla com Zé Neto, quis apenas dizer: "As pessoas têm dificuldade em aceitar que nós somos os maiorais".

Mas a realidade, nua e crua, é essa.

Esses "sertanejos" é que têm muita dificuldade em aceitar que eles não são MPB, que eles são apenas ídolos bregas e, acima de tudo, puramente comerciais.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…