Pular para o conteúdo principal

PARA DIMINUIR CRISE, EDITORA ABRIL USA REVISTA PARA PARCERIA COM IOGURTE

IOGURTE NÃO SÓ DESTACA O LOGOTIPO DA REVISTA BOA FORMA, COMO TAMBÉM MOSTRA NO CRÉDITO O NOME "EDITORA ABRIL".

Em grave crise econômica e com os anúncios de que o senador e ex-jogador de futebol Romário e o ex-presidente da República, Luís Inácio Lula da Silva, pretendem processar a revista Veja, a Editora Abril tenta evitar a falência com uma parceria publicitária inusitada.

Através da revista Boa Forma - dedicada a ginástica e dietas para manter a forma física, mas curiosamente ganhando da Playboy na qualidade das mulheres da capa (na BF, elas são bem mais sensuais) - , a Editora Abril formou parceria com a Verde Campo, fabricante dos iogurtes sem lactose LacFree, para interagirem na publicidade.

O contrato publicitário da série LacFree Boa Forma é destinado a lançar os sabores do iogurte tipo Grego da marca, e como se sabe o faturamento será compartilhado pela revista, o que representa uma arrecadação de dinheiro para minimizar a crise vivida pela editora. É, portanto, uma interessante e até positiva iniciativa de marketing, não fosse a má reputação vivida pela empresa dos Civita.

A revista Boa Forma é até uma das mais simpáticas da editora, embora ativistas feministas reclamem de que revistas como esta, Cláudia, Manequim e outras se comprometam em trabalhar uma imagem "artificialmente idealizada" da mulher, expressando a chamada "ditadura da beleza".



Mas há de se convir que a Boa Forma mostra mulheres famosas quase sempre interessantes e muito, muito mais sensuais do que boa parte das moças, geralmente sub-celebridades, "boazudas" em geral e até "ídalas" popularescas (este mês foi com a funqueira Tati Zaqui) que na verdade só não brocham os punheteiros desesperados que se excitam até com biruta de posto de gasolina.

Pelo menos é uma boa forma da Boa Forma sobreviver financeiramente, já que a Editora Abril vai ter que reembolsar uma grana para, pela enésima vez, tentar livrar a revista Veja de mais uma encrenca, através de sua equipe de advogados.

De outro modo, a Abril terá que indenizar aqueles que a truculenta revista "jornalística" (que já fez das suas contra MST, índios e contra Elis Regina, Cazuza e até Brittany Murphy!) humilha sob o pretexto de fazer "jornalismo investigativo".

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…