Pular para o conteúdo principal

VÍTIMA DE RACISMO, MARIA JÚLIA COUTINHO GANHA SOLIDARIEDADE DE FÃS


A belíssima e graciosa jornalista Maria Júlia Coutinho, que apresenta previsões do tempo no Jornal Nacional, foi vítima de uma dessas estúpidas campanhas de cyberbullying, ou "cibervalentonismo" que volta e meia surtam nas mídias sociais.

É aquela coisa. Para defender alguma posição reacionária, um internauta rancoroso ou com vontade de bagunçar, se aproveitando de seu aparente "prestígio" numa comunidade da Internet, combina com seus parceiros uma humilhação em conjunto contra alguém.

Aí eles usam um espaço qualquer - pode ser a página de mensagens de um internauta como certas petições virtuais ligadas a uma causa progressista - para publicar uma avalanche de mensagens com ironias, xingações, ameaças e gozações pesadas, publicadas por um grupinho de internautas, incluindo fakes, com um menor intervalo de tempo.

E aí Maria Júlia foi alvo na página do Jornal Nacional no Facebook, em que comentários grotescos passaram a ser publicados pela "panelinha" de encrenqueiros digitais (igualzinho aos "coxinhas" que me esculhambaram no Eu Odeio Acordar Cedo no extinto Orkut só por causa da gíria lucianohuckiana "balada").

Um internauta chegou a chamá-la de "preta imunda", e outro disse que não tomava café para "não ter intimidade com pretos". Outros atribuíram pejorativamente a presença da moça como "escuridão", entre outros comentários neste sentido, que, obviamente, são deploráveis e revoltantes.

Diante disso, veio uma reação muito grande na Internet, em solidariedade à Maju, como a gata é conhecida desde os tempos de faculdade. Nós deste blogue também nos solidarizamos com Maju e damos um grande apoio à sua carreira.

Afinal, além de ter uma beleza deslumbrante, ser meiga e dona de uma voz deliciosa de se ouvir, Maju é bastante inteligente e consiste numa das honrosas exceções existentes dentro de um veículo dado a surtos reacionários como a Rede Globo de Televisão, em que boa parte dos profissionais não passam de office boys noticiosos a serviço dos interesses dos patrões.

O próprio Jornal Nacional hoje é muito mais um trabalho ficcional do que um programa de informação. Sua linha editorial é recheada de notícias eticamente duvidosas, superficiais e carregadas de reacionarismo opinativo. Difícil mostrar um bom profissionalismo dentro desses limites quase asfixiantes do "infotenimento" ultraconservador.

Não é fácil trabalhar num veículo da grande mídia corporativista e facciosa como a Globo, e Maju tem esse jogo de cintura. Ela é muito comunicativa, gosta de perguntar e verificar, e procura dar uma informação com um mínimo de abrangência. e por sorte ela, nas reportagens de rua, cobriu pautas que não criassem uma briga ideológica com os patrões, sobretudo Ali Kamel (que escreveu que racismo "não existe").

Portanto, Maria Júlia Coutinho surpreende como excelente profissional que é. E também como mulher lindíssima e muito charmosa que também é. E lindíssima justamente pelos traços faciais bem desenhados em sua deliciosa pele negra. O apoio dado a ela é altamente merecido, porque ela procura dar o melhor de si com seu trabalho. Desejamos sucesso a Maju.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…