Pular para o conteúdo principal

MORRISSEY E AMANDLA STENBERG MOSTRAM O QUANTO O BRASIL ESTÁ DEFASADO


O que um cantor inglês de 56 anos, ex-vocalista de uma das maiores bandas dos anos 1980, tem em relação a uma atriz negra de 17 anos que se tornou conhecida pelo blockbuster juvenil Jogos Vorazes (The Hunger Games)?

Diretamente, nada, a não ser a brilhante sensatez que, em diferentes ocasiões, Morrissey e Amandla Stenberg deram em seus depoimentos, que mostram que, em relação ao Brasil afogado na areia movediça do provincianismo nos últimos 25 anos, o mundo está a mil léguas na frente do nosso país tão narcisista.

Vamos primeiro à Amandla. Ao ver uma foto da modelo Kylie Jenner - integrante da "milionária" família Jenner-Kardashian que se tornou um dos principais clãs de sub-celebridades da atualidade - no Instagram, usando trancinhas feitas no estilo da cultura negra, a jovem atriz - conhecida por ser amiga íntima de Kiernan Shipka, de Mad Men - , fez o seguinte comentário:

"Adereços de negros são bonitos. Mulheres negras não são. Mulheres brancas são modelos de virtude e desejo. Mulheres negras são objetos de fetichismo e brutalidade que, no mínimo, parece ser a mentalidade que envolve a beleza e a feminilidade negras em uma sociedade construída com padrões eurocêntricos de beleza".

Stenberg acrescenta: "Enquanto as mulheres brancas  se sentem glorificadas por alterar seus corpos, engrossando seus lábios e bronzeando suas peles, as mulheres negras se sentem envergonhadas, embora essas mesmas caraterísticas existem nelas naturalmente".

Kylie, irritada, escreveu um comentário curto: "Ruim se eu não fizer, ruim se eu fizer... Vá se tratar com Jaden ou algo parecido", reagiu a modelo, como se ela atribuísse à Amandla uma frustração pelo fato de seu antigo par na festa de debutantes, o ator Jaden Smith, filho de Will Smith, ser amigo de longa data da morena, uma das maiores recordistas em fotos nos portais de famosos estrangeiros.

Amandla, no entanto, estava criticando a apropriação oportunista de brancos na cultura negra. A gente observa isso quando o pop comercial tenta explorar estereótipos dos negros pobres, não raro grotescos, que fazem com que a música se tornasse monótona, rasteira, excessivamente erotizada e sem personalidade.

A atriz explicou a sua posição através desse argumento: "A apropriação ocorre quando um estilo leva a generalizações racistas ou estereótipos onde ele se originou, mas é considerada como de alta moda, uma coisa legal ou divertida quando os privilegiados a trazem para si mesmos".

Que puxão de orelha Amanda Stenberg daria para funqueiros e "pagodeiros" brasileiros, assim como o "pagodão" baiano que, em nome de exaltar a negritude, explora caricaturas racistas e idiotizadas dos negros locais, e o que a bela atriz poderia ajudar a compreender o problema da periferia estereotipada e da negritude deturpada ao gosto das elites acadêmicas e do mundo da moda!

Vamos agora para o caso de Morrissey. Numa entrevista à revista norte-americana Spin, o cantor britânico descreveu seu habitual repúdio ao comercialismo pop, preocupado com a subordinação absoluta ao marketing. Ele deu o seguinte depoimento, que expressa profundo ceticismo, citando dois astros pop britânicos, Ed Sheeran e Sam Smith:

"Não há bandas ou cantores que se tornam bem sucedidos sem carregar marketing. Não existem histórias surpreendentes de sucesso. Tudo é rigorosamente controlado, óbvio e previsível e tem exatamente o mesmo conteúdo. Então, estamos agora na era dos astros pop comercializados, o que as gravadoras controlam totalmente as paradas de sucesso, e consequentemente o interesse público se perdeu. É muito raro que uma gravadora faz algo para o bem da música. Assim, somos alimentados à força tal como Ed Sheeran e Sam Smith, o que, pelo menos, significa que as coisas não podem ficar piores que estão. É triste, no entanto. Não há espontaneidade agora, e tudo parece ser irrecuperável".

Diante de tal declaração, ficamos pasmos ao ver o quanto o mundo gira e acontece, com seus questionamentos em torno da mediocrização, enquanto aqui nossos "admiráveis intelectuais" - como a moçada festiva que escreve seus textos no blogue Farofafá - acham que são "provocativos" e "revolucionários" defendendo o milionário establishment da bregalização cultural.

Aqui a negritude é ferida com caricaturas sutilmente (mas cruelmente) depreciativas do "funk" e do "pagodão" baiano, e ninguém percebe, até pelo fato de que o racismo é "autopraticado" por pessoas negras que se submetem a esse papel ridículo.

Ver negras funqueiras posando como se defecassem no chão e ver negros baianos de sunga no palco, dando sorrisos patéticos e rebolando de forma assanhada, é algo deprimente e tenebroso, um gravíssimo preconceito daqueles que se autoproclamam "contra todo tipo de preconceito" e que, no fundo, impulsionam desordeiros digitais a ofenderem a classuda e admirável Maria Júlia Coutinho.

Ver que a música brasileira perde espontaneidade, e que ídolos bregas antigos levam mais de 25 anos tentando saber que norte darão em suas carreiras, também é algo triste e preocupante. Ver ídolos primeiro se contentarem em fazer o papel de mercadorias humanas para depois bancarem os "grandes artistas" é triste, porque eles sempre têm uma dívida de gratidão com a imagem humilhante de mercadorias que eles aceitaram ser no começo de carreira.

O Brasil está muito atrasado culturalmente. Muito, muito, muito atrasado. E é chocante que há quem acredite que o nosso país tem condições para se tornar a vanguarda planetária no futuro. Não tem. Até pelo fato de que muitos de nossos intelectuais não têm a coerência e a sensatez que um cantor inglês e uma atriz norte-americana mostraram em seus depoimentos recentes.

Nosso país ainda precisa aprender a ter autocrítica.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…