Pular para o conteúdo principal

PREFEITURA DE NITERÓI ORDENA EXPULSÃO DE MORADORES VISANDO ESPECULAÇÃO IMOBILIÁRIA


O Estado do Rio de Janeiro está vivendo uma crise política, pois os governantes estão cada vez mais adotando medidas autoritárias, em todos os sentidos, desobedecendo as leis mas sempre fazendo alegações demagógicas de que cumpre a lei ou age pelo interesse público.

Mentirosos e autoritários, os políticos que integram o grupo político de Eduardo Paes e Luiz Fernando Pezão, além de outros em sua órbita, como o prefeito de Niterói, Rodrigo Neves, preferem se voltar para interesses turísticos, em detrimento da população e de seus interesses sociais diversos.

Rodrigo, que só sabe falar grosso e mentir sobre seu programa de governo expondo ideias mirabolantes na mídia, decidiu expulsar os moradores de uma área habitacional para destruir as casas e, sob o pretexto de "preservação ambiental", pretende destruir as casas para instalar hotéis e parques turísticos. A área envolvida é o Imbuí, entre Piratininga e Jurujuba, no entorno próximo à futura avenida Cafubá-Charitas.

Trata-se da Aldeia do Imbuhy, que havia sido fundada em 1886 por um grupo de pescadores e atualmente nele se encontram descendentes de Flora Simas de Carvalho, que bordou o primeiro exemplar da bandeira do Brasil. O prefeito acionou o Exército Brasileiro para ajudar a expulsar moradores, desobedecendo a Lei Municipal n° 3040 / 2015, que prevê o tombamento do lugar.

A Aldeia do Imbuhy é conhecida pelo seu valor arquitetônico, paisagístico, histórico e etnográfico, sendo um importante patrimônio cultural de Niterói. Mas a lógica das autoridades ligadas direta ou indiretamente ao grupo político de Eduardo Paes - Rodrigo Neves não passa de "chinelo" do governador Luiz Fernando Pezão - é destruir patrimônios históricos e áreas ambientais por conta de uma falsa mobilidade urbana e de um turismo que só atende aos mais ricos e socialmente menos sensíveis.

Um protesto ocorreu hoje de tarde, na Praça Arariboia em frente à Estação das Barcas, no centro de Niterói, e eu mesmo participei do abaixo-assinado, solidário com a manifestação que chamou a atenção de transeuntes com discursos e faixas, uma delas contra o ministro da Defesa, Jacques Wagner, que havia sido governador da Bahia quando eu ainda morava em Salvador.
 Jacques
 enviou tropas para ordenar a expulsão de moradores em Niterói.

Rodrigo Neves disse querer indenizar os moradores desalojados, mas segundo manifestantes em greve da Universidade Federal Fluminense, solidários ao movimento pela Aldeia do Imbuhy, essa indenização é bastante precária, por vários motivos.

Primeiro, porque os locais escolhidos por Neves são muito distantes, e estão em péssimas condições de moradia. A inscrição do programa "Minha Casa, Minha Vida" não é mais que um cadastro, sem garantia de recebimento de uma casa. A chamada "bolsa social" é temporária e seu valor não consegue pagar o aluguel de uma residência digna.

Junto à Aldeia do Imbuhy, tem a Praia do Sossego, que também será afetada com o novo projeto turístico do prefeito de Niterói, que se dará em desrespeito à história e ao patrimônio cultural da cidade.

Quem quiser participar do abaixo-assinado na Internet pode acessar: http://www.abaixoassinado.org/abaixoassinados/30864

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…