Pular para o conteúdo principal

RIO DE JANEIRO NÃO SABE AINDA FAZER PÃO DE MILHO


O Rio de Janeiro já está sendo alvo de muitas queixas pelo seu surto de provincianismo que havia desde os anos 1990, mas que se tornou intenso nos últimos cinco anos e culminou pela "destacada" figura do presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, que leva às últimas consequências o autoritarismo já presente em Eduardo Paes e companhia.

Esse provincianismo se reflete em diversos aspectos. Sobretudo na música, em que o Brasil do samba que viu surgir a vibrantemente inovadora Bossa Nova agora sucumbe à "monocultura" do "funk", que aos poucos empurra o samba dos morros para o isolamento nos gostos paternalistas das elites econômicas e acadêmicas.

No mercado, a surpreendente lentidão dos gerentes de supermercados em repor os estoques de vários produtos assusta, porque o Rio de Janeiro integra uma região central de fabricantes e distribuidores de produtos e, no entanto, a renovação dos estoques de muitos produtos é digna de mercadinhos de alguma cidade do interior perdida dentro do mais isolado Norte do país.

A culinária também começa a sofrer com esse provincianismo que, segundo especialistas, fez a cidade do Rio de Janeiro retroceder socialmente, num fato inédito em cem anos, quando o projeto de urbanização de Pereira Passos tentava impulsionar a antiga capital do país para a modernidade, o que prevaleceu até os anos 1980.

Até para comprar pão o Rio de Janeiro decepciona. Claro, não falta quem venda pães bons, mas o que se percebe é que as opções deixam a desejar - e os estoques também, porque a mentalidade de abastecimento aqui é de um provincianismo de impressionar até acreanos - e, no caso do pão de milho, não há quem pudesse fazer pães de qualidade com preço acessível.

Aliás, quase nunca há pão de milho de qualidade mesmo com preço caro, como esses pacotes de nove pequenos brioches que custam cerca de R$ 4, o que não dão para o gasto. São pães muito pequenos, não muito macios, que mais parecem produzidos de má vontade, só para dizer que há pão de milho no mercado do Rio de Janeiro.

Há também pães maiores, mas também não muito macios. E há a estranha mania de enfatizar o formato pão de forma fatiado, e não de bisnaga de pão doce, como, por exemplo, se faz em Salvador, onde o pão de milho é feito como todo pão doce, sendo equivalentes aos pães de leite ou pães para hambúrguer só que acrescidos com fubá de milho. E há quem tenha preço mais em conta.

O Rio de Janeiro passou a se contentar com o básico e com muito pouco. Parece que sucumbiu ao que Arnaldo Antunes definia como "bebida é água, comida é pasto" e passou a se conformar com pouco e com o básico, passando a ter preconceito com a verdadeira diversidade, postura que tem mais a ver com as regiões latifundiárias do país.

Daí que os cariocas e fluminenses passaram a defender apenas a cultura qualquer nota, a mobilidade qualquer nota, a culinária qualquer nota, o mercado qualquer nota, decepcionando o resto do país que esperava que o Rio de Janeiro continuasse fazendo jus à sua antiga e, lamentavelmente, descartada, condição de modernidade e cosmpolitismo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…