Pular para o conteúdo principal

CASO EDUARDO GUIMARÃES DESGASTOU SÉRGIO MORO


Não se pode estar acima de tudo.

O juiz da Operação Lava Jato, Sérgio Moro, com sua aparente sisudez e seu jeito lacônico, era visto como o herói da nação e o salvador da pátria.

Muitos já sonharam em vê-lo presidente da República, de preferência sem precisar de eleições ou, se for o caso, com votação "surpreendente".

Sérgio Moro personificava, no imaginário dos brasileiros médios, o xerife que tirou do poder os políticos do Partido dos Trabalhadores.

Num Brasil reacionário e atrasado, era um juiz que mais parecia um tira de Hollywood, algo como um sósia mais insosso do Orlando Bloom.

Procurava desempenhar um papel aparentemente exemplar na investigação de políticos do PT e de partidos então solidários, como setores do PMDB e PP.

Mas sempre tinha uma postura hesitante quando o caso envolvia políticos do PSDB.

Moro sempre quis evitar qualquer associação com o PSDB, apesar do pai, Dalton Moro, já falecido, ter sido fundador de uma unidade do partido tucano em Maringá.

E apesar da esposa, a advogada Rosângela Moro, ter também advogado para o PSDB.

Os adeptos de Moro também ridicularizaram uma montagem em que ele aparecia sorrindo com o hoje presidente do PSDB, Aécio Neves.

O sítio E-Farsas até denunciou a montagem, tendo sido um recorte do rosto de Moro inserida no lugar do rosto do falecido Eduardo Campos, ex-governador de Pernambuco.

A montagem sugeria que Aécio e Moro estavam rindo e trocando confidências.

Por uma ironia do destino, os dois foram fotografados na referida situação, num movimentado evento de premiação da revista Isto É.

Moro julgou a cena "infeliz" e diz que o PSDB "nunca fez parte" de sua jurisdição.

Em outra oportunidade, Moro não queria investigar o PSDB porque estava na oposição, durante os governos do PT.

A seletividade de Moro já causava estranheza e a foto com Aécio fez o juiz ser "zoado" nas mídias sociais.

Moro "queimou" até a reputação do palestrante Leandro Karnal, quando este foi jantar com o juiz e o fez bons elogios.

Agora é o caso Eduardo Guimarães, responsável pelo Blog da Cidadania.

Eduardo estava divulgando dados sobre a condução coercitiva que sofreu o ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva, no ano passado.

Indignado com isso, Moro resolveu também fazer o mesmo com o próprio Eduardo.

O blogueiro foi levado para prestar depoimento, pelas seis da manhã do último dia 21. Pouco antes do meio-dia, foi solto.

A forma como foi levado lembra os tempos do AI-5: policiais invadindo casa por arrombamento, proibindo o convocado de ligar para o advogado.

O episódio repercutiu mal e até colunistas hostis a Eduardo Guimarães, como Reinaldo Azevedo e Ricardo Noblat, reprovaram a atitude de Sérgio Moro.

Várias entidades ligadas à Justiça e aos profissionais do Jornalismo também condenaram a atitude do juiz paranaense.

Isso desgastou o juiz, antes visto como o "todo-poderoso de Curitiba".

Diante da péssima repercussão, Moro avisou que não vai mais investigar Eduardo Guimarães, acusado de ter usado uma fonte para transmitir informações sobre a condução coercitiva de Lula.

Em despacho, Moro reconheceu "que, desde a diligência, houve manifestações públicas de alguns respeitados jornalistas e de associações de jornalistas questionando a investigação e defendendo que parte da atividade de Eduardo Cairo Guimarães seria de natureza jornalística".

Ele acrescentou: "Considerando o valor da imprensa livre em uma democracia e não sendo a intenção deste julgador ou das demais autoridades envolvidas na investigação colocar em risco essa liberdade e o sigilo de fonte, é o caso de rever o posicionamento anterior e melhor delimitar o objeto do processo".

Realmente, não se pode ganhar todas.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…