Pular para o conteúdo principal

"PAI" DA GÍRIA "BALADA", LUCIANO HUCK ADMITE PODER SER PRESIDENCIÁVEL


Dias movimentados, ainda que confusos.

Eduardo Cunha condenado a 15 anos de prisão e ameaçando denunciar seus desafetos.

Ameaçando, diga-se de passagem.

Pois chegou a ser lançado um livro usando o "pseudônimo" Eduardo Cunha, pela editora Record, mas o próprio ex-deputado processou a editora e impediu a permanência da obra, Diário da Cadeia, nas livrarias.

Michel Temer torcendo para, ainda que fosse cassado, continuar elegível, para assim ser eleito numa votação indireta por um Congresso Nacional que parece ter esquecido que o povo brasileiro existe.

E isso com o aval de Elio Gaspari, que disse que o temeroso presidente é a pessoa ideal para fazer o Brasil "sair da crise" até 2018.

Judiciário, Legislativo e Executivo trocando acusações, rumores de investigações aqui e ali, promessas de que os tucanos serão também enquadrados na Operação Lava Jato etc.

Tudo isso ocorria numa normal anormalidade, até que mais uma anormalidade deixou a situação ainda mais anormal do que anormal já estava.

Luciano Huck, o pai da gíria "balada" - popularizada pelo consórcio giriátrico Rede Globo / Jovem Pan - , veio com mais uma pérola.

Embora não abrisse o jogo quanto ao seu desejo de concorrer ao Palácio do Planalto, Huck não descartou uma chance.

"Não dá para responder (sobre ser presidenciável) na atual conjuntura. Falando seriamente, nossa geração chegou a um momento em que tem capacidade, saúde, força de trabalho, relevância, influência. Quem entrou na faculdade em 1990 está chegando agora aos espaços de poder. Faço parte desta geração", afirmou Huck.

Certo, certo. É minha geração também. Mas corro fora do perímetro dessa moçada. Navego em outro barco, mais modesto e diferente do "cruzeiro marítimo" de Huck e companhia.

Huck, que citou o ministro do STF Alexandre de Moraes como exemplo para sua geração, se diz "apartidário".

Independente dele admitir ou não ser candidato à Presidência da República, ele diz que o futuro titular do cargo deverá ser uma pessoa dotada de "transparência e ética", independente de partido político.

O marido de Angélica desmente que participou da campanha pelo impeachment de Dilma Rousseff, apesar dos vestígios neste sentido nas mídias sociais.

O apresentador também se diz "apartidário", mas fontes seguras indicam que ele é filiado ao PSDB.

Huck demonstrou várias vezes ser amigo de Aécio Neves, colega de farra (ou, dizendo no seu dialeto, "balada") do paulista, numa clara relação de cumplicidade.

A cumplicidade é tanta que Aécio Neves adotou a mesma dicção de Luciano Huck e este adotou a compreensão política do outro.

Mas como Aécio anda desgastado pela Internet, ninguém quer mais defender abertamente o mineiro.

Desta forma, se Aécio quer ser presidente, terá que se contentar com o atual cargo, presidente nacional do PSDB.

O mainstream da política anda desgastado, sendo as esquerdas por força da mídia venal e as direitas, por força da Internet.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…