Pular para o conteúdo principal

COM CHUCK BERRY, O ROCK ERA OUTRA COISA


Estamos perdendo vários mestres do rock. O que surpreende é o falecimento de vários músicos de rock progressivo, por exemplo.

Do Emerson Lake & Palmer, por exemplo, só restou este último, o baterista Carl Palmer.

Que já perdeu outro parceiro, John Wetton, conhecido baixista que participou em muitas bandas, do King Crimson ao Asia.

Perdemos em 2016 o mestre David Bowie, também.

E, há poucos dias, se foi o pioneiro Chuck Berry, de músicas como "Johnny B. Goode", "Maybellene" e "Roll Over Beethoven", entre outros.

Ele deixou pronto um disco de composições inéditas, que terá lançamento póstumo.

Foi um pioneiro do rock'n'roll e um dos que se destacaram como guitarrista, popularizando a marca Gibson.

Chuck botou muito moleque para formar bandas.

Apesar de parecer simplório o rock dos anos 1950, vários músicos da época se preocupavam com a qualidade musical.

E Chuck Berry tinha esse respeito à linguagem musical, sobretudo pela influência que ele assimilou do blues.

Ele e sua geração puxou toda uma linhagem de músicos e que se derivou em tendências que reforçaram a linguagem musical do rock.

Infelizmente, nos últimos anos o rock está em crise.

No Brasil, então, o rock virou uma palhaçada. Quando muito, uma pálida trilha sonora de jovens reacionários.

Um rock de gestinhos. Língua para fora, sinal do capeta com as mãos, guitarra-aérea.

Isso para não dizer a aberração chamada "fãs de uma música só", crias da mesmice da dupla rockaneja 89 FM e Rádio Cidade, esta última extinta.

A 89 FM, capitalizando com o programa humorístico de TV do seu locutor Tatola, o Encrenca (Rede TV!), reduziu-se a ser uma espécie de "revista Veja das rádios-rock".

Ou, mais literalmente, uma "Jovem Pan com guitarras".

Rock no Brasil parece que deixou de ser música.

Virou piada, virou direitismo, virou uma mera questão de "ter atitude".

Há centenas e centenas de bandas brasileiras de rock que não dão para ouvir.

Os caras até se esforçam, mas falta visceralidade, sangue, neurônios.

Certa vez, ouvia numa mercearia a música 'Monte Castelo" da Legião Urbana, do LP As Quatro Estações, de 1989.

O álbum é o Sgt. Pepper's da Legião no sentido de representar uma guinada musical brusca, saindo do pós-punk básico para canções mais reflexivas e poéticas.

E aí eu sentia a profundidade e a sinceridade de Renato Russo, a sua força artística, junto aos seus parceiros musicais, preocupados em fazer algo diferente.

A Legião não era uma banda restrita a colecionar atitudes, a ter seus integrantes sorrindo para fotos, de ficar enumerando bandas da moda como se fosse suas "influências".

Não era uma banda cujos integrantes estavam mais preocupados em exibir camisetas com o rosto de Jimi Hendrix ou dizer que ouviam Deep Purple (só "Smoke On The Water", né?).

E isso realmente falta. Renato nos deixou há pouco mais de 20 anos e nenhum outro grupo repetiu a organicidade da Legião Urbana.

Voltando ao rock em geral, eu confesso que me achava muito careta para ouvir rock.

E hoje sou um dos poucos que valorizam o rock como música, e não como "maó sonzêra, brou!".

Ver que a cultura rock se reduziu a gestinhos e a bordões como "rock na veia, véio!" é constrangedor.

Por isso é que temos que aproveitar as lições dos mestres que nos deixam, como o grande Chuck Berry.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…