Pular para o conteúdo principal

EXPLICANDO A TRAGÉDIA DA TERCEIRIZAÇÃO


Os brasileiros médios parecem tranquilos com a aprovação, na última semana, da terceirização para atividades-fim em votação no Congresso Nacional.

Vendo a mídia venal, vão dormir tranquilos acreditando na falácia de que a medida trará mais emprego, crescimento econômico e, além disso, vai dar fim à recessão.

Mas a terceirização para atividades-fim é uma perversidade, uma tragédia que atingirá muitas famílias.

Ela vai estimular o empresariado a praticar escravidão, aumentarão os acidentes de trabalho dos empregados, haverá maior instabilidade no emprego.

Além disso, os salários serão desvalorizados.

A desculpa de que a terceirização irá aumentar o emprego parece verossímil, mas não passa de conversa para boi dormir.

Até porque o trabalho será tão precarizado que tende a ser apenas emprego temporário.

Mas suponhamos que a terceirização faça aumentar o emprego.

Será a mesma lógica do congelamento dos investimentos públicos, aqueles da PEC 241/PEC 55 que limitaram verbas públicas para Educação, Saúde e outros setores de interesse da coletividade.

Haverá o congelamento de verbas públicas e privadas para a mão-de-obra no Brasil.

A lógica do patronato é esta: para aumentar o emprego, eles querem reduzir salários.

Como estabeleceram um limite para o "bolo", as "fatias" devem diminuir para serem oferecidas a mais gente.

E isso vai desqualificar os salários, e aí entra a flexibilização das relações trabalhistas, em que o negociado passa a prevalecer sobre o legislado, algo que será instituído com a aprovação da reforma trabalhista do governo temeroso.

Isso significa que o patrão terá mais condições de persuadir seu empregado a aceitar suas condições.

Ele vai alegar "dificuldades" na empresa, para justificar a restrição salarial.

Digamos que, na melhor das hipóteses, os encargos e outras remunerações apenas passam a estar vinculados ao salário propriamente dito.

Ou seja, se você recebia R$ 5.000 que não incluía transporte e alimentação, por exemplo, você passará a ganhar R$ 5.000 com transporte e alimentação incluído.

Ou seja, os R$ 5.000 terão que arcar com transporte e alimentação, não havendo mais a grana extra para tanto.

Fala-se apenas em aspectos mais suaves, porque a terceirização tende a ser dura, mesmo.

Empresários poderão até mesmo pagar valores inferiores a um salário-mínimo e, mesmo assim, alegar que sofrem "dificuldades" para não serem processados nem punidos.

Além disso, o próprio status inferior da terceirização criará dificuldades para os trabalhadores moverem ações contra abusos do patronato.

Haverá o contratante e a prestadora, e o risco de uma empurrar com a barriga e jogar a culpa em outra é alto. E isso é só uma das hipóteses.

O patronato que apoia a terceirização e irá investir nela com gosto sairá ganhando.

Ele poderá precarizar o serviço, remunerar mal a mão-de-obra e, apesar do discurso de que "teremos mais emprego", a verdade é que haverá mais desemprego.

Acidentes de trabalho, conflitos por causa do trabalho sobrecarregado e mal pago, atritos entre patrão e empregado, brigas de colegas de trabalho por causa de disputas por ascensão profissional, tudo isso poderá ocorrer.

A situação pode gerar violência, pode causar doenças graves, pode fazer o empregado ser demitido sem justa causa, apenas porque perdeu a cabeça por conta da jornada cansativa.

E as famílias, sem a renda necessária, ainda terão que aumentar a pressão nas crianças, a ter que completar a minguada renda familiar.

Daí a definição trágica da terceirização, que causará um quadro devastador na nossa sociedade.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…