MANIFESTAÇÃO DO MBL TAMBÉM FRACASSA EM NITERÓI

LÁ NO FUNDO ESTAVA A MANIFESTAÇÃO

Ontem houve a manifestação em prol de Sérgio Moro e "contra a corrupção", baseado sempre na pauta da mídia venal.

Niterói é uma das cidades onde ocorreu a manifestação de 26 de março, um fiasco em boa parte das cidades brasileiras.

Organizado pelos grupos Movimento Brasil Livre e Vem Pra Rua, a passeata foi realizada de manhã, entre dez da manhã e meio-dia, na Av. Jornalista Alberto Francisco Torres, na Praia de Icaraí.

A quantidade de pessoas correspondia a uma extensão de calçada na referida avenida, entre a Rua Lopes Trovão e a Rua Pres. Backer.

O movimento, porém, estava muito aquém em relação a 2015 ou mesmo do fogo-de-palha midiático de março de 2016.

Naquela época, a raivosa oposição ao governo Dilma Rousseff e, é claro, a ignorância quanto ao cenário político que viria, motivava as manifestações.

Hoje a pauta é muito mais amena: apoio à Lava Jato, a Temer, a Sérgio Moro, a terceirização e contra a "carne podre", que se revelou uma fofoca, e "cachorros-mortos" como Sérgio Cabral Filho.

Ah, e o desejo de ver o ex-presidente Lula na cadeia.

A manifestação era tão entediante, apesar de tocar algumas músicas de Rock Brasil e uma de Gabriel O Pensador, que afastou as pessoas ainda no começo das onze da manhã.

O almoço não seria desculpa, até porque o pessoal é do tipo que costuma, nos domingos, almoçar às duas da tarde.

De longe, visto da Praia João Caetano (antiga Praia das Flechas), o movimento constrangia de tão inexpressivo. Parecia o de uma seita religiosa.

Quando eu passei por uma banca de jornais e revistas na Rua Otávio Carneiro, uma situação inusitada. O vendedor estava conversando com um amigo.

- Está havendo um protesto lá na praia. - disse o amigo.

- Ué, cadê o protesto? Não tem barulho, cadê o som? - perguntou o jornaleiro.

- Tem um cara falando lá no alto-falante. - respondeu o amigo.

A conversa foi meio em tom de ironia, como se a manifestação fosse um fiasco.

Andando mais adiante, não me contive nas risadas, ao pensar a conversa.

Ao verificar o local, as pessoas já começavam a irem embora.

Antes do meio-dia, a manifestação já havia se esvaziado.

E as pessoas que estavam em volta estavam indiferentes.

O "protesto" de 26 de março será tragado pelo tempo e condenado ao esquecimento.

Comentários