Pular para o conteúdo principal

LEANDRO KARNAL, CHICO ALENCAR E O BEIJA-MÃO DOS PLUTOCRATAS


Em que pesem os pontos positivos que hoje se avaliam, na distância do tempo, trazidos pelos governos do ex-presidente Lula, o Brasil não tem tradição de ser país socialista.

Depois do faz-de-conta do pseudo-esquerdismo que fazia muitos valentões da Internet fingirem não serem reacionários, dissimulando o reacionarismo que se manifestavam no âmbito cultural com uma fingida simpatia pelas esquerdas, o pessoal saiu do armário.

Daí vieram os "coxinhas", "bolsomínions", os "febres-amarelas" que pedem até intervenção militar, às vezes usando um inglês tão grotesco que não é mais de cursinho ruim, mas de algoritmo dos tradutores digitais.

São as mesmas pessoas que, dez anos atrás, fingiam abominar o Imperialismo e o FMI e hostilizavam o George W. Bush por ser um reaça cômico do que um direitista convicto.

E fingiam também seguir Emir Sader, ler Caros Amigos, admirar Ernesto Che Guevara, se autoproclamarem "esquerda-liberal" no antigo Orkut.

Isso até as circunstâncias lhes permitirem até mesmo pedir a volta da ditadura militar e despejar todo tipo de preconceito social digno dos piores senhores de engenho do Brasil colonial.

Evidentemente, temos gente progressista no país, pessoas que brilhantemente estão até ensinando leis, jornalismo, cidadania, economia e tudo o que os "tarimbados" deixaram de fazer.

Temos o portal Justificando, que analisa as leis com muita coerência, e o Diário do Centro do Mundo, que dá um banho na grande imprensa na divulgação de informações de fatos diversos.

Mas nem todo mundo na praia progressista, seja os esquerdistas ou declaradamente "nem de esquerda nem de direita", está aí senão para surfar na onda do momento.

Às vezes gente antes empenhada em boas causas comete tropeços fatais.

Como o senador Humberto Costa, do PT pernambucano (Estado natal de Lula), pedindo, no dia 19 do mês passado, para o partido abandonar o discurso de "denúncia do golpe" e compactuar com o anti-petismo da revista Veja, o último veículo que o parlamentar poderia escolher para fazer seu desabafo.

Humberto tentou alegar que sua entrevista foi distorcida, nesta primeira tentativa de apagar as marcas do beija-mão.


Depois veio outro beija-mão. Desta vez na festa de aniversário de 50 anos de carreira do jornalista Ricardo Noblat, um dos "soldados" do "jornalismo de guerra" da imprensa venal.

Estavam presentes o presidente Michel Temer, o senador e presidente do PSDB, Aécio Neves, e outros membros da plutocracia política, empresarial e midiática.

Mas também estava presente o deputado federal Chico Alencar, do PSOL.

Conhecido por suas pregações em favor do "funk" - hoje envolto em relações políticas com o PMDB carioca - , Chico Alencar, fora disso, até parecia ter um trabalho pertinente.

Mas aí ele foi ao jantar e disse, entre outras coisas, que Aécio era "diferente" dos senadores Romero Jucá e Renan Calheiros, e por isso beijou a mão do mineiro.

Numa conversa com Temer, alguém disse que o presidente poderia ficar quarenta anos no poder. "Se for com os aplausos de Chico (Alencar), tudo bem", disse Temer.

O psolista respondeu, animadamente: "A esquerda adora um continuísmo".

Depois do incidente, Chico Alencar divulgou um vídeo dizendo que "errou".

Ele alegou que as declarações que ele deu na festa eram "ironias" e que se "arrependeu" de ter ido ao jantar, temendo ser interpretado por estar convivendo com os adversários.

Disse que sua trajetória política de "combate aos podres poderes" não pode ser inibida por "duas ou três horas de uma noite".

Como Humberto, Chico tentou apagar as marcas do beija-mão na plutocracia.

E, agora, foi com um intelectual que nunca foi declarado esquerdista, mas tinha a simpatia do meio.

Leandro Karnal, o "filósofo pop", que havia sido uma das vozes consistentes contra o valentonismo nas mídias sociais e contra a "cultura do ódio", resolveu compactuar.

Apareceu num jantar com o juiz da Operação Lava Jato, o midiático Sérgio Moro, e o amigo deste, o juiz Anderson Furlan.

Karnal escreveu a seguinte mensagem em seu perfil no Facebook.

"Dia intenso em Curitiba. Encerro com um jantar com dois bons amigos: juiz Furlan e juiz Sergio Moro. Talvez não faça sentido para alguns. O mundo não é linear . A noite e os vinhos foram ótimos. Amo ouvir gente inteligente. Discutimos possibilidades de projetos em comum".

Muitos seguidores o abandonaram em grande debandada.

Karnal manifestou cumplicidade justamente com um dos ídolos dos sociopatas que o intelectual tanto combatia.

Cogita fazer parcerias com Moro e o definiu como "inteligente".

Até o momento não se divulgou um "mea culpa" como as do senador petista e do deputado psolista.

Mas mostra o quanto nos meios progressistas há deslizes graves que podem pôr tudo a perder.

E isso é sério quando vemos que a plutocracia faz de tudo para permanecer no poder e salvar seus interesses particulares, sob o pretexto de "combater a recessão".

Apesar do favoritismo de Lula nas pesquisas de intenção de voto para 2018, nada garante sua volta, porque a plutocracia é capaz de tudo para impedir sua volta.

Temos que tomar cuidado. A nossa direita é gulosa.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…