Pular para o conteúdo principal

SERIA O INTELECTUAL "BACANA" UM INTELECTUAL HOMOLOGADO?


Um artigo interessante de Fran Alavina foi publicado, os "intelectuais" homologados.

Ele se refere a intelectuais que, fazendo um pacto de visibilidade com a mídia, abrem mão de suas responsabilidades de transmitir conhecimento.

São geralmente intelectuais espetacularizados, com uma fala envolvente, que facilmente formam um público de admiradores.

Normalmente, no Brasil predomina uma certa ojeriza ao pensamento intelectual.

O intelectual é normalmente visto como hermético, lunático, ensimesmado.

Daí que surgem "intelectuais de massa" que se tornam mais atraentes.

Fran não descreve os intelectuais "bacanas", mas nos círculos esquerdistas, há um questionamento subliminar a esse tipo de intelectual.

O intelectual "bacana", para quem não sabe, é ainda uma versão mais espetacularizada do intelectual homologado, e voltada às pregações sobre "cultura popular" e entretenimento.

Nos círculos esquerdistas, critica-se sutilmente a glamourização da pobreza, a vaidade das elites acadêmicas nos cursos de pós-graduação e, agora, o intelectual homologado.

Sutilmente, afinal, até pouco tempo atrás os intelectuais "bacanas" eram queridinhos absolutos das esquerdas médias e eram por estas blindados.

Eles prometiam transformar o jabaculê do brega-popularesco no "folclore de amanhã".

E falavam em "combater o preconceito" aceitando uma visão preconceituosa das classes pobres.

Era o mito da "pobreza linda", que prevaleceu por pouco mais de uma década.

Tudo era "lindo": pobres vivendo em barracos condenados, idosos suburbanos se embriagando, mendigos enlouquecidos, mulheres pobres vendendo o corpo para machões ricos e violentos, pobretões banguelas e crianças rebolando.

Até a pedofilia e a exploração sexual de menores era defendida pela intelectualidade "bacana": a desculpa era que aquilo era "a iniciação sexual das jovens da periferia".

Esses intelectuais vinham da mídia venal para fazer proselitismo na mídia esquerdista.

Uns chegavam a ser contratados pela mídia esquerdista, mas na prática colaboravam ideologicamente para os barões da mídia.

A ideia era sabotar os debates públicos em geral e nos da cultura popular em particular.

Da mesma forma, a manobra dos intelectuais "bacanas" queria manter o povo pobre despolitizado.

E aí, certas asneiras com roupagem ativista ou etnográfica eram despejadas no festivo discurso intelectual, que pegava desprevenido muita gente boa nas esquerdas, mas também fazia dormir tranquila a intelectualidade de direita.

A intelectualidade "bacana" prometia a "revolução socialista" através do "funk".

Falava do É O Tchan como se fosse o suprassumo da "rebelião popular" e da "cultura independente" (?!), embora o grupo claramente tenha sido expressão das corporações fonográficas transnacionais.

Inventavam que o pobre rebolando e fazendo papel de ridículo, expondo suas piores qualidades, já era "ativismo" e "rebelião social".

Não precisava o "povão" lutar por reforma agrária, a bregalização cultural era a "própria reforma agrária".

Aliás, "reforma agrária da MPB", "cultura transbrasileira", "popular demais", "autossuficiência das periferias" e outros jargões eram despejados pela intelectualidade "bacana".

E tudo isso no campo adversário, vestindo a camisa rival, mas marcando ponto para a mídia venal.

No fundo, a intelectualidade "bacana" é também uma intelectualidade homologada.

Embora falasse não para o grande público, mas para o intelectual de esquerda, a essência é similar, até porque a causa que defendem é o entretenimento consumista associado às "massas".

Fran só se esqueceu que na antropologia também há gente "homologada".

O próprio Hermano Vianna, ideólogo do "funk" e da "periferia legal", é até um dos poucos que admitem vínculo com a grande mídia, no caso as Organizações Globo.

Ele é ligado a Fernando Henrique Cardoso, no fundo o "pai dos homologados", ele mesmo um sociólogo que beijou a boca da política neoliberal e da mídia patronal.

Um maniqueísmo curioso veio à tona, por causa dos intelectuais que iam às esquerdas defender a ideologia do brega e da "periferia legal" (ou "pobreza linda").

Intelectuais ditos "progressistas" defendendo a mediocrização cultural do povo pobre e intelectuais reacionários que, de repente, foram condenar o mesmo processo.

De repente, os "amigos do povo" à esquerda defendiam a imbecilização e os reacionários, geralmente elitistas de olho nos próprios umbigos, passaram a ser "amigos do povo" mais à direita.

Além disso, eles eram unidos na ojeriza a Chico Buarque, que era de classe média mas sempre prestou consideração às classes populares.

E aí, o povo foi afastado dos debates esquerdistas, porque foi "brincar" no "funk", no tecnobrega, no "sertanejo", no brega setentista etc.

Tirando o povo desses debates, abriu caminho para a intelectualidade homologada propriamente dita.

E esta abriu o caminho para os reacionários que, fingindo debate, despejavam ódio e ofensas, e, fingindo ativismo, pediam o golpe político-jurídico que resultou no atual cenário político.

A única diferença da intelectualidade "bacana" para a homologada é que, pelo menos, esta última saiu do armário.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…