Pular para o conteúdo principal

BREGALIZAÇÃO, GOLPE CULTURAL E ECONOMICISMO DAS ESQUERDAS

APARENTEMENTE DESPOLITIZADOS, DOM E RAVEL CANTARAM O BRASIL UFANISTA DE 1970, SIMBOLIZADO PELA VITÓRIA DA COPA DO MUNDO, CUJO TROFÉU DO TRI APARECE NAS MÃOS DO GENERAL MÉDICI.

A bregalização cultural foi um golpe cultural que antecipou o golpe político de 2016.

Adestrados pelas elites intelectuais ligadas a Fernando Henrique Cardoso, os chamados intelectuais "bacanas" - assim chamados porque queriam parecer legais num cenário de anti-intelectualismo - iniciaram a retórica da defesa do brega-popularesco ou "popular demais".

Essa campanha, embora tenha como um dos precedentes um artigo acadêmico de Milton Moura em 1996, "Esses pagodes impertinentes...", foi oficialmente iniciada pelo livro Eu Não Sou Cachorro Não, de Paulo César de Araújo.

Araújo era muito badalado pela mídia hegemônica, cumprindo a agenda da bregalização que era a "menina dos olhos" das famílias Frias, Civita e Marinho.

São intelectuais que estavam treinando abordagens neoliberais da cultura popular em que o objetivo era tratar como "cultura legítima" fenômenos comerciais, numa linhagem iniciada pelos primeiros ídolos cafonas apoiados pelo coronelismo midiático dos anos 1960.

Eram ritmos mais ou menos americanizados, com influências estrangeiras assimiladas de forma vertical, por imposição do mercado e da mídia hegemônica.

A desculpa para empurrar a bregalização para o reconhecimento intelectual sério era a "ruptura do preconceito", um discurso atraente porém completamente cheio de falhas e incoerências.

Era um discurso empurrado como se fosse remédio ruim nas goelas das crianças.

A retórica da "ruptura do preconceito" é falha porque o dito "popular demais" já abordava o povo pobre de maneira bastante preconceituosa e aceitar isso como se fosse "combater o preconceito" é bastante contraditório e incoerente.

Apesar dessa falha e do discurso publicitário travestido de "etnografia" e "abordagem ativista-cultural", o discurso funcionou e a bregalização chegou a se aproximar da unanimidade de apoio de intelectuais e personalidades influentes.

O que chama a atenção é que a bregalização, que nunca contrariou os interesses dos barões da mídia, mas muito pelo contrário, o discurso foi empurrado para setores intelectuais de esquerda.

E por que as esquerdas passaram a apoiar ídolos cafonas dos anos 1970, nomes popularescos dos anos 1980 e 1990 e nomes mais contemporâneos, como os do "funk", principal tendência blindada por essa retórica "sem preconceitos"?

São tendências - paralelamente blindadas ao lado de fenômenos não-musicais como a imprensa policialesca e as "mulheres-frutas" - que tiveram maior sucesso durante contextos políticos conservadores.

Os primeiros ídolos cafonas se consagraram durante a ditadura militar ou em áreas interioranas dominadas pelo latifúndio, que controlava rádios e serviços de auto-falantes, ou por grandes empresas de eletrodomésticos ou da indústria do disco.

Emissoras da mídia hegemônica, como TV Tupi, TV Record, TV Bandeirantes e TV Studios foram as primeiras que lançaram e apoiaram os ídolos bregas dos anos 1970.

Os ídolos neo-bregas - que fundiu a cosmética "luxuosa" do brega dos anos 1980 com a pasteurização da MPB da época - dos anos 1980-1990 eram blindados pela Rede Globo de Televisão e ajudados pelas rádios e TVs apadrinhadas, depois, por José Sarney e Antônio Carlos Magalhães.

O governo Fernando Henrique Cardoso também simbolizou o fortalecimento do brega-popularesco no gosto popular, através da mídia hegemônica solidária.

A Globo, nessa época, colocava os neo-bregas da Era Collor para participar de tributos à MPB, de maneira tendenciosa e pedante.

E por que a bregalização acabou caindo na pauta das esquerdas?

Por causa de intelectuais "alienígenas" que passaram a atuar na mídia de esquerda, mas fazendo o trabalho free lancer em prol dos interesses dos barões da grande mídia.

A partir de gente como Pedro Alexandre Sanches e Denise Garcia, fora o papelão de Bia Abramo, na página da Fundação Perseu Abramo, defender o "funk" a ponto de preferir apoiar uma "musa" empresariada por Alexandre Frota, empurrou-se a bregalização na goela dos esquerdistas.

E por que isso se deu? Porque nunca houve, até agora, um intelectual de expressão e visibilidade que analisasse a cultura brasileira de forma realmente progressista e de esquerda.

Além disso, as esquerdas sempre cometeram o erro de pensar a realidade dentro de um prisma economicista.

Diante disso, a bregalização era economicamente correta: gerava empregos, faturava alto, tinha uma estratégia sustentável de mercado e marketing.

Mas, culturalmente, era um processo perverso de domesticação das classes populares, sobretudo quanto à transmissão de valores de inferiorização social associados à glamourização da pobreza e da ignorância do povo pobre.

Com isso, as esquerdas cometeram um erro quase fatal: apoiando a bregalização, sobretudo o "funk", faziam coro à mesma mídia venal que dizem combater.

Isso legitima o poder midiático que difundiu essa abordagem estereotipada e, muitas vezes, grosseiramente caricatural, das classes populares.

Chegou-se ao ponto de mascarar a imagem direitista de Waldick Soriano, um sujeito que, em seu tempo, foi reacionário e conservador. Vídeos com ele defendendo a ditadura militar e o machismo haviam sido retirados da Internet.

O próprio "funk", entre 2003 e 2005, foi o instrumento estratégico das Organizações Globo e do Grupo Folha para domesticar as classes populares.

Outro aspecto é que a retórica da bregalização tinha como objetivo enfraquecer a MPB, evitando assim o fortalecimento de movimentos como o Centro Popular de Cultura e os festivais da canção.

O grande golpe cultural trazido pelo trio Paulo César de Araújo - Pedro Alexandre Sanches - Hermano Vianna tinha essa finalidade: enfraquecer a cultura popular, sobretudo musical, de qualidade, empurrando tendências comerciais que abordavam o povo pobre de forma caricata.

Isso muito contribuiu para o golpe político de 2016, sobretudo quando funqueiros e pagodeiros-bregas eram tidos como "pensadores" em exercícios escolares bolados por professores porraloucas.

Evidentemente, hoje os intelectuais em geral choram o leite derramado.

Achavam que ia dar socialismo com a bregalização cultural blindada pelos barões da mídia e hoje temos a ameaça Bolsonaro.

Agora os intelectuais "bacanas" mudam de assunto, Hermano Vianna falando de sociedades digitais, Pedro Sanches "falando mal" dos direitistas da moda...

A "ruptura do preconceito" tornou a sociedade ainda mais preconceituosa, só que mudando o alvo para a cultura de qualidade.

O discurso "generoso" gerou muitos sociopatas, escravizou a música brasileira ainda mais ao comercialismo estadunidense e tornou as mentes dos jovens raquíticas pela indigência cultural midiática.

Inútil falar em "antropofagia cultural", porque a americanização do brega-popularesco é uma decisão vertical, imposta pelo mercado e pela mídia hegemônica, e não pela livre escolha dos apreciadores culturais.

Inútil falar na risível dicotomia "apropriação e enfrentamento" das relações entre a mídia oligárquica e o "popular demais", porque não existe o conflito que caraterizaria essa suposta dualidade.

O que vimos é que o apoio das esquerdas ao "popular demais" as debilitou seriamente, a ponto delas hoje perderem o protagonismo.

O que o culturalismo - contestado por Jessé Souza - foi capaz de fazer, com a "sociologia espontânea" do senso comum criando a suposta "naturalidade" das classes pobres, numa abordagem sem conflitos de interesses em que os barões da mídia e o povo "compartilhavam" o "popular demais".

O papo de "combate ao preconceito" gerou uma sociedade ainda mais preconceituosa e, culturalmente debilitada, chega, em parte, a pedir a volta da ditadura militar.

Ficamos imaginando os rebutes (reboots) dos ídolos bregas, cantando hinos ufanistas enquanto o ditador de plantão levanta o troféu de uma vitória em Copa do Mundo...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

A GAFE MUNDIAL DE GUILHERME FIÚZA

Há praticamente dez anos morreu Bussunda, um dos mais talentosos humoristas do país.

Mas seu biógrafo, Guilherme Fiúza, passou a atrair as gargalhadas que antes eram dadas ao falecido membro do Casseta & Planeta.

Fiúza é membro-fundador do Instituto Millenium, junto com Pedro Bial, Rodrigo Constantino, Gustavo Franco e companhia.

Gustavo Franco, com sua pinta de falso nerd (a turma do "cervejão-ão-ão" iria adorar), é uma espécie de "padrinho" de Guilherme Fiúza.

O valente Fiúza foi namorado da socialite Narcisa Tamborindeguy, que foi mulher de um empresário do grupo Gerdau, Caco Gerdau Johannpeter.

Não por acaso, o grupo Gerdau patrocina o Instituto Millenium.

Guilherme Fiúza escreveu um texto na sua coluna da revista Época em que lançou uma tese debiloide.

A de que o New York Times é um jornal patrocinado pelo PT.

Nossa, que imaginação possuem os reaças da nossa mídia, que põem seus cérebros a serviço de seus umbigos!

Imagine, um jornal bastante conhecido nos…

O CASO SURREAL DO MINISTRO DA EDUCAÇÃO DE JAIR BOLSONARO

Por breves momentos, o governo Jair Bolsonaro quase conseguiu minimizar sua tragicomédia de erros, a menos de dez semanas de se iniciar.

Cogitou-se a escolha de Mozart Neves, ligado a Vivianne Senna, irmã de Ayrton Senna e responsável pelo instituto com o nome do falecido corredor, que tinha um perfil mais técnico.

Por ser contrário a Escola Sem Partido, a trevosa proposta pedagógica a ser votada no Congresso Nacional na próxima quinta-feira, Mozart foi descartado.

E aí foi escolhido o colombiano naturalizado brasileiro, Ricardo Veléz Rodriguez, professor da Universidade Federal de Juiz de Fora, da cidade onde, ironicamente, o presidente eleito sofreu um atentado.

Isso porque ele é anti-marxista convicto, ultraconservador de carteirinha e que pretende proibir o debate sobre "ideologia de gênero" nas escolas em geral.

Dois dados surreais.

A exemplo do "diplomata" Ernesto Araújo, o lunático futuro ministro das Relações Exteriores que disse que o aquecimento global é…

A PROPAGANDA 'FUCKER & SUCKER' DA PETROLEIRA TOTAL

Há quatro anos, um comercial passava na televisão, pelo menos a Rede Globo, com uma dublagem tosca.

O comercial, em si, é sofisticado, mas é estrangeiro. Transmitido no Brasil, passou com uma dublagem tipo "Fucker & Sucker".

Para quem não sabe, "Fucker & Sucker" era um quadro do Casseta & Planeta que, tal como o Bruce Kane de Chico Anysio, tirava sarro com as dublagens que não conseguiam sincronizar as palavras da tradução brasileira com os movimentos labiais dos personagens dos vídeos originais.

O comercial é da petrolífera Total, então desconhecida dos brasileiros, e cuja sede é na França.

A peça publicitária seria uma tentativa de, no mundo inteiro - ela foi transmitida em vários países - melhorar a imagem institucional na companhia, abalada no mundo capitalista.

Via o comercial durante o desjejum enquanto meus pais viam o Bom Dia Brasil, noticiário matinal da Globo.

A Total tinha presença discreta no Brasil, mas hoje eu coloco esta postagem porque …

O GOVERNO BOLSONARO É UM CAMINHO SEM VOLTA?

Fiquei doente quando, da volta de uma caminhada, refleti com aflição diante da promessa de que o governo Jair Bolsonaro será um "longo reinado".

Foi vendo a primeira página do Jornal do Brasil impresso, nas bancas de Niterói, e vendo a chamada da coluna de Teresa Cruvinel.

Tossi, tive febre, fiquei de repouso, e ontem não pus postagem no blogue. Sério.

É uma aflição muito grande, porque o país ruma para tantos retrocessos.

Jair Bolsonaro é apenas o showman do espetáculo, mas conta com muitos articuladores.

O principal de seus três filhos políticos, o deputado federal Eduardo Bolsonaro, tornou-se um articulador político ambicioso, a comandar o movimento Cúpula Conservadora.

Ela será o extremo oposto do Foro de São Paulo, que foi o movimento de nações progressistas latino-americanas que permitiu as experiências na Venezuela, Bolívia e Brasil.

Hoje há um desmonte em tudo isso, de um ritmo assustador.

A arrogância dos extremo-direitistas quer até que se sacrifique a realidade e…

SOLTEIRAS, NO BRASIL, SÃO INDUZIDAS PELO CORONELISMO MIDIÁTICO A OUVIR MÚSICAS DE VALOR DUVIDOSO

O gosto musical do "popular demais" não é livre. Ele é induzido pelo coronelismo midiático local, que determina o que o "povão" deverá ouvir.

É claro que não estamos aqui fazendo "teoria hipodérmica", tendência crítica da Teoria da Comunicação que via na manipulação do poder midiático algo simplório e bruto.

Teorias posteriores revelaram que existem mecanismos de persuasão do receptor de uma mensagem comunicativa, que envolve o conhecimento das fraquezas emotivas do público.

Neste momento de "lavagem de roupa suja" depois do ridículo "combate ao preconceito" brega que só gerou mais preconceitos - que culminaram na eleição de Jair Bolsonaro - , o coronelismo radiofônico deve ser discutido também sob o âmbito do "popular demais".

A "cultura" brega-popularesca que transformou o povo pobre em caricatura de si mesmo e promoveu mais consumismo que cidadania causou estragos diversos na população.

A intelectualidade "…

GÍRIA "BALADA" FOI TESTE PARA CAMPANHA DE JAIR BOLSONARO

TUTINHA, O VERDADEIRO REI DA "BALADA".

Como havia escrito, tive um incidente no Orkut por ter criticado a gíria "balada", por reacionários que eram membros da comunidade "Eu Odeio Acordar Cedo".

Esses caras anteciparam, em uma década, a ação furiosa dos bolsomínions de hoje. Fizeram valentonismo digital (cyberbullying) e tive que desfazer de minha conta.

Eu já notava um caráter agressivo, autoritário, debiloide e intransigente.

Entendo como essas pessoas, tão reacionárias, tinham que se apoiar numa gíria idiota - que tentou subverter as naturais condições de efemeridade e grupo de uma verdadeira gíria, se impondo "acima dos tempos e das tribos" - pois tinham que usar o aparato "moderno" de um colóquio.

A gíria "balada" virou um símbolo da mídia venal no seu processo de influenciar os jovens.

A gíria não tem pé nem cabeça. Subverte o sentido de outra "balada", aquela palavra que significa música lenta ou história tri…

O BRASIL NOS CINQUENTA ANOS DO AI-5

ATENTADO EM UMA IGREJA CATÓLICA DE CAMPINAS, QUE CAUSOU CINCO MORTES.

No dia em que se lembra dos 50 anos do AI-5, num contexto em que nos preparamos para encarar o governo ultraconservador de Jair Bolsonaro, incidentes graves vêm à tona.

O quinto ato institucional da ditadura militar a tornava mais rígida, levando adiante o cenário autoritário iniciado em 1964, só que de maneira mais agressiva.

E aí temos o "período 1964" redivivo em Temer e o "AI-5" de Bolsonaro, botando o país à deriva.

Alguns incidentes, então, vêm para trazer reflexão.

Um é a acusação do "médium" João Teixeira de Faria, o João de Deus, latifundiário e charlatão - se dizia curandeiro mas era incapaz de se auto-curar de um câncer - de ter feito assédio sexual contra várias mulheres.

As denúncias de assédio começaram no programa Conversa com Bial, da Rede Globo, uma pauta que surgiu por acaso.

A roteirista e jornalista Camila Appel foi para Abadiânia, Goiás, para convidar o "médium…

QUEM SERÁ O EDWARD MURROW BRASILEIRO?

Pesquisando sobre o macartismo, período relativamente trevoso que marcou os EUA na década de 1950, fico informado da figura do jornalista Edward Murrow.

Repórter correspondente da Segunda Guerra Mundial e âncora da rede CBS, Murrow foi um dos notáveis jornalistas estadunidenses da história contemporânea.

Me lembro do apelido jocoso que Paulo Henrique Amorim deu a Sérgio Moro, devido à sua servilidade aos EUA, de "Judge Murrow".

Só que o Murrow que descrevo é outro e atuou em trincheira oposta a políticas reacionárias.

Cito Edward Murrow porque vivemos, no Brasil, um período semelhante, embora mais agressivo e imprevisível, de macartismo.

Com sua vida breve de apenas 57 anos (morreu em 1965; deve ser por causa do cigarro, conforme vi em algumas fotos), Murrow teve seu momento mais destacado durante o macartismo.

Ele realizou várias reportagens e também comentários denunciando a violação dos direitos humanos que o macartismo provocava na sociedade estadunidense.

Por ironia, o…