Pular para o conteúdo principal

BREGALIZAÇÃO, GOLPE CULTURAL E ECONOMICISMO DAS ESQUERDAS

APARENTEMENTE DESPOLITIZADOS, DOM E RAVEL CANTARAM O BRASIL UFANISTA DE 1970, SIMBOLIZADO PELA VITÓRIA DA COPA DO MUNDO, CUJO TROFÉU DO TRI APARECE NAS MÃOS DO GENERAL MÉDICI.

A bregalização cultural foi um golpe cultural que antecipou o golpe político de 2016.

Adestrados pelas elites intelectuais ligadas a Fernando Henrique Cardoso, os chamados intelectuais "bacanas" - assim chamados porque queriam parecer legais num cenário de anti-intelectualismo - iniciaram a retórica da defesa do brega-popularesco ou "popular demais".

Essa campanha, embora tenha como um dos precedentes um artigo acadêmico de Milton Moura em 1996, "Esses pagodes impertinentes...", foi oficialmente iniciada pelo livro Eu Não Sou Cachorro Não, de Paulo César de Araújo.

Araújo era muito badalado pela mídia hegemônica, cumprindo a agenda da bregalização que era a "menina dos olhos" das famílias Frias, Civita e Marinho.

São intelectuais que estavam treinando abordagens neoliberais da cultura popular em que o objetivo era tratar como "cultura legítima" fenômenos comerciais, numa linhagem iniciada pelos primeiros ídolos cafonas apoiados pelo coronelismo midiático dos anos 1960.

Eram ritmos mais ou menos americanizados, com influências estrangeiras assimiladas de forma vertical, por imposição do mercado e da mídia hegemônica.

A desculpa para empurrar a bregalização para o reconhecimento intelectual sério era a "ruptura do preconceito", um discurso atraente porém completamente cheio de falhas e incoerências.

Era um discurso empurrado como se fosse remédio ruim nas goelas das crianças.

A retórica da "ruptura do preconceito" é falha porque o dito "popular demais" já abordava o povo pobre de maneira bastante preconceituosa e aceitar isso como se fosse "combater o preconceito" é bastante contraditório e incoerente.

Apesar dessa falha e do discurso publicitário travestido de "etnografia" e "abordagem ativista-cultural", o discurso funcionou e a bregalização chegou a se aproximar da unanimidade de apoio de intelectuais e personalidades influentes.

O que chama a atenção é que a bregalização, que nunca contrariou os interesses dos barões da mídia, mas muito pelo contrário, o discurso foi empurrado para setores intelectuais de esquerda.

E por que as esquerdas passaram a apoiar ídolos cafonas dos anos 1970, nomes popularescos dos anos 1980 e 1990 e nomes mais contemporâneos, como os do "funk", principal tendência blindada por essa retórica "sem preconceitos"?

São tendências - paralelamente blindadas ao lado de fenômenos não-musicais como a imprensa policialesca e as "mulheres-frutas" - que tiveram maior sucesso durante contextos políticos conservadores.

Os primeiros ídolos cafonas se consagraram durante a ditadura militar ou em áreas interioranas dominadas pelo latifúndio, que controlava rádios e serviços de auto-falantes, ou por grandes empresas de eletrodomésticos ou da indústria do disco.

Emissoras da mídia hegemônica, como TV Tupi, TV Record, TV Bandeirantes e TV Studios foram as primeiras que lançaram e apoiaram os ídolos bregas dos anos 1970.

Os ídolos neo-bregas - que fundiu a cosmética "luxuosa" do brega dos anos 1980 com a pasteurização da MPB da época - dos anos 1980-1990 eram blindados pela Rede Globo de Televisão e ajudados pelas rádios e TVs apadrinhadas, depois, por José Sarney e Antônio Carlos Magalhães.

O governo Fernando Henrique Cardoso também simbolizou o fortalecimento do brega-popularesco no gosto popular, através da mídia hegemônica solidária.

A Globo, nessa época, colocava os neo-bregas da Era Collor para participar de tributos à MPB, de maneira tendenciosa e pedante.

E por que a bregalização acabou caindo na pauta das esquerdas?

Por causa de intelectuais "alienígenas" que passaram a atuar na mídia de esquerda, mas fazendo o trabalho free lancer em prol dos interesses dos barões da grande mídia.

A partir de gente como Pedro Alexandre Sanches e Denise Garcia, fora o papelão de Bia Abramo, na página da Fundação Perseu Abramo, defender o "funk" a ponto de preferir apoiar uma "musa" empresariada por Alexandre Frota, empurrou-se a bregalização na goela dos esquerdistas.

E por que isso se deu? Porque nunca houve, até agora, um intelectual de expressão e visibilidade que analisasse a cultura brasileira de forma realmente progressista e de esquerda.

Além disso, as esquerdas sempre cometeram o erro de pensar a realidade dentro de um prisma economicista.

Diante disso, a bregalização era economicamente correta: gerava empregos, faturava alto, tinha uma estratégia sustentável de mercado e marketing.

Mas, culturalmente, era um processo perverso de domesticação das classes populares, sobretudo quanto à transmissão de valores de inferiorização social associados à glamourização da pobreza e da ignorância do povo pobre.

Com isso, as esquerdas cometeram um erro quase fatal: apoiando a bregalização, sobretudo o "funk", faziam coro à mesma mídia venal que dizem combater.

Isso legitima o poder midiático que difundiu essa abordagem estereotipada e, muitas vezes, grosseiramente caricatural, das classes populares.

Chegou-se ao ponto de mascarar a imagem direitista de Waldick Soriano, um sujeito que, em seu tempo, foi reacionário e conservador. Vídeos com ele defendendo a ditadura militar e o machismo haviam sido retirados da Internet.

O próprio "funk", entre 2003 e 2005, foi o instrumento estratégico das Organizações Globo e do Grupo Folha para domesticar as classes populares.

Outro aspecto é que a retórica da bregalização tinha como objetivo enfraquecer a MPB, evitando assim o fortalecimento de movimentos como o Centro Popular de Cultura e os festivais da canção.

O grande golpe cultural trazido pelo trio Paulo César de Araújo - Pedro Alexandre Sanches - Hermano Vianna tinha essa finalidade: enfraquecer a cultura popular, sobretudo musical, de qualidade, empurrando tendências comerciais que abordavam o povo pobre de forma caricata.

Isso muito contribuiu para o golpe político de 2016, sobretudo quando funqueiros e pagodeiros-bregas eram tidos como "pensadores" em exercícios escolares bolados por professores porraloucas.

Evidentemente, hoje os intelectuais em geral choram o leite derramado.

Achavam que ia dar socialismo com a bregalização cultural blindada pelos barões da mídia e hoje temos a ameaça Bolsonaro.

Agora os intelectuais "bacanas" mudam de assunto, Hermano Vianna falando de sociedades digitais, Pedro Sanches "falando mal" dos direitistas da moda...

A "ruptura do preconceito" tornou a sociedade ainda mais preconceituosa, só que mudando o alvo para a cultura de qualidade.

O discurso "generoso" gerou muitos sociopatas, escravizou a música brasileira ainda mais ao comercialismo estadunidense e tornou as mentes dos jovens raquíticas pela indigência cultural midiática.

Inútil falar em "antropofagia cultural", porque a americanização do brega-popularesco é uma decisão vertical, imposta pelo mercado e pela mídia hegemônica, e não pela livre escolha dos apreciadores culturais.

Inútil falar na risível dicotomia "apropriação e enfrentamento" das relações entre a mídia oligárquica e o "popular demais", porque não existe o conflito que caraterizaria essa suposta dualidade.

O que vimos é que o apoio das esquerdas ao "popular demais" as debilitou seriamente, a ponto delas hoje perderem o protagonismo.

O que o culturalismo - contestado por Jessé Souza - foi capaz de fazer, com a "sociologia espontânea" do senso comum criando a suposta "naturalidade" das classes pobres, numa abordagem sem conflitos de interesses em que os barões da mídia e o povo "compartilhavam" o "popular demais".

O papo de "combate ao preconceito" gerou uma sociedade ainda mais preconceituosa e, culturalmente debilitada, chega, em parte, a pedir a volta da ditadura militar.

Ficamos imaginando os rebutes (reboots) dos ídolos bregas, cantando hinos ufanistas enquanto o ditador de plantão levanta o troféu de uma vitória em Copa do Mundo...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

BOLSONARO DIZ SER CONTRA EROTIZAÇÃO DA CRIANÇA, MAS É O TCHAN TEM LETRA "BOLSONARISTA"

O "popular demais" se curvou em grande parte para o bolsonarismo, para desespero das esquerdas médias que hoje perderam o protagonismo.

A intelectualidade "bacana" fugiu de medo, depois de quebrar a vidraça da cultura brasileira e, no final, ver o Museu Nacional arder em chamas.

Hoje podemos questionar e debater o brega-popularesco, sem que intelectuais com visibilidade nas alturas nos acusem de "preconceituosos" e "higienistas".

E aqui temos um dado curioso, envolvendo o É O Tchan, grupo que a mídia venal tenta vender como pretensamente cult.

Jair Bolsonaro, entre suas ideias de campanha, disse condenar a erotização infantil.

Se bem que o candidato do PSL investe em outra baixaria para crianças, ensinar a fazer pose de atirador.

Aliás, pior: Bolsonaro ensinou seus filhos, quando pequenos, a darem tiro com armas de fogo de verdade.

Sem alongar demais, Jair Bolsonaro é blindado pela mesma mídia que apostou na bregalização do país, e essa realida…

MÍDIA ALTERNATIVA ALERTA SOBRE ESTRANHO PROLONGAMENTO DO CASO DA FACADA EM BOLSONARO

A mídia alternativa, como o portal Nocaute e o jornalista Joaquim de Oliveira, do Diário do Centro do Mundo, fazem um grave alerta.

A Polícia Federal, estranhamente, prorrogou por mais 15 dias, contados de ontem, 20 de setembro, as investigações sobre o atentado ao candidato do PSL, Jair Bolsonaro, à Presidência da República.

O titular da Delegacia Regional de Combate ao Crime Organizado de Minas Gerais, Estado onde se situa o local do atentado, Juiz de Fora, delegado Rodrigo Morais, disse que perícias ainda estão sendo feitas no material colhido na casa do acusado, Adélio Bispo de Oliveira.

Um laptop, outro computador, quatro aparelhos celulares e outros documentos foram apreendidos da casa de Adélio, o jovem que tentou matar Jair com uma facada. Atualmente, o candidato está internado e em processo progressivo de recuperação de saúde.

O dado estranho é que o prazo se encerrará no próximo dia 05 de outubro, dois dias antes das votações de primeiro turno para presidente da República.

"POPULAR DEMAIS" AJUDOU A PROMOVER JAIR BOLSONARO

AMADO BATISTA, LATINO, ZEZÉ DI CAMARGO, GUSTTAVO LIMA, ANDRESSA URACH, MC TATI ZAQUI, NETINHO (AXÉ-MUSIC), FRANK AGUIAR, RONALDINHO GAÚCHO E EDUARDO COSTA - O 'POPULAR DEMAIS" QUE APOIOU JAIR BOLSONARO.

A narrativa que combinava influências tendenciosamente tiradas de Marc Bloch e Tom Wolfe, usadas pela intelectualidade "bacana", para "combater o preconceito" contra os chamados "sucessos do povão", fizeram grandes estragos.

Toda uma mobilização de jornalistas, documentaristas, antropólogos e outros envolvidos que se engajavam pela bregalização do Brasil, entre 2002 e 2014, só fez retomar o conservadorismo social.

A bregalização foi uma forma de sabotar o projeto progressista do governo Lula, criando uma abordagem supostamente em prol da cultura popular da vida que soa como uma resposta tardia dos herdeiros do IPES-IBAD (atualmente ligados ao Instituto Millenium) ao CPC da UNE.

Dois terços da "santíssima trindade" da intelectualidade &qu…

VOCÊ QUER VIVER NUMA REPÚBLICA DE SOCIOPATAS?

O cidadão comum, trabalhador, sem muitas riquezas e considerado um excluído social, está sendo seduzido a votar em Jair Bolsonaro.

Arrumam mil desculpas, da segurança do país e do combate à corrupção até a falácias em torno do desenvolvimento do Brasil.

Pior: a mesma retórica retrógrada do governo Michel Temer está sendo relançada sob "nova" embalagem e você é persuadido o tempo todo nas redes sociais de que Bolsonaro "representa o novo".

Não. Bolsonaro é o velho. Primeiro, porque é uma remixagem, ainda piorada, de Jânio Quadros com Emílio Garrastazu Médici, com um sub-clone do Roberto Campos dos tempos de Castelo Branco conduzindo a Economia.

As pesquisas mostram o surreal "crescimento por nada" de Bolsonaro. E você vota pelas pesquisas e não pela sua consciência.

Já imaginou quem é que REALMENTE está apoiando Jair Bolsonaro (ou, por exemplo, também Flávio Bolsonaro, para o Senado pelo Rio de Janeiro)?

Quem está apoiando é a ESCÓRIA da sociedade brasile…

A GAFE MUNDIAL DE GUILHERME FIÚZA

Há praticamente dez anos morreu Bussunda, um dos mais talentosos humoristas do país.

Mas seu biógrafo, Guilherme Fiúza, passou a atrair as gargalhadas que antes eram dadas ao falecido membro do Casseta & Planeta.

Fiúza é membro-fundador do Instituto Millenium, junto com Pedro Bial, Rodrigo Constantino, Gustavo Franco e companhia.

Gustavo Franco, com sua pinta de falso nerd (a turma do "cervejão-ão-ão" iria adorar), é uma espécie de "padrinho" de Guilherme Fiúza.

O valente Fiúza foi namorado da socialite Narcisa Tamborindeguy, que foi mulher de um empresário do grupo Gerdau, Caco Gerdau Johannpeter.

Não por acaso, o grupo Gerdau patrocina o Instituto Millenium.

Guilherme Fiúza escreveu um texto na sua coluna da revista Época em que lançou uma tese debiloide.

A de que o New York Times é um jornal patrocinado pelo PT.

Nossa, que imaginação possuem os reaças da nossa mídia, que põem seus cérebros a serviço de seus umbigos!

Imagine, um jornal bastante conhecido nos…

AS SUBCELEBRIDADES E O BOLSONARISMO

Recentemente, portais sobre celebridades apresentaram uma lista de famosos que apoiam a candidatura de Jair Bolsonaro.

Destacam-se nomes como Gusttavo Lima, Eduardo Costa, Amado Batista, Roger Rocha Moreira (Ultraje a Rigor), Pepê e Nenem (apesar delas serem lésbicas e negras) e outros.

Até dois sobreviventes de graves problemas de saúde, Andressa Urach e o cantor de axé-music Netinho, sinalizaram apoio ao "mito".

Alexandre Frota e Joyce Hasselmann, nem se fala: os dois se candidatam a cargos políticos na chapa do próprio Jair.

E há esportistas como o jogador de futebol Felipe Melo, os astros do vôlei Wallace e Maurício Souza, e o lutador de UFC José Aldo.

Mas o que chama a atenção é o apoio de Zezé di Camargo (ainda não posso dizer de Luciano, embora ele se revele conservador) ao "mito", postura seguida por sua ex-mulher Zilu Godoy.

Ele era símbolo do pretenso esquerdismo cultural, quando se superestimou sua intenção em votar em Lula.

Foi em 2005, quando a intele…

JABAZEIRO DE JAIR BOLSONARO, PAULO GUEDES É INVESTIGADO POR FRAUDES

PAULO GUEDES ADORA FAZER POSES E GESTOS DE "GRANDE INTELECTUAL" DA ECONOMIA.

Paulo Guedes, sabe-se, é um jabazeiro até na combinação das primeiras sílabas do nome e sobrenome.

PAulo GUEdes: PAGUE, e tudo o que ele faz é pagar os institutos de pesquisa para segurarem o suposto favoritismo de seu cliente Jair Bolsonaro, que lhe colocará para o Ministério da Fazenda para vender o Brasil aos estrangeiros.

(Brasil acima de tudo, hein? E nossas riquezas a serem entregues a Tio Sam e seus amigos...)

Ele deve também dar gorjetas aos bolsomínions atuarem em série, em mensagens combinadas uns com os outros, nos fóruns e páginas das redes sociais.

São sempre bobagens do tipo "Se segura que Jair vem aí", "Não tem freio: Bolsonaro Presidente" ou o clássico "É bom jair se acostumando: Bolsonaro eleito no Primeiro Turno".

Mas Paulo Guedes, cotado para ser o terceiro maior santo da tecnocracia brasileira depois de Roberto Campos e Jaime Lerner, tem seus pecados…

EFEITO MANADA, REDES SOCIAIS E BOLSONARISMO

Vamos citar um caso hipotético.

Uma jovem, não necessariamente inclinada a humilhar os outros, frequenta as comunidades bastante populares nas redes sociais da Internet.

Numa delas, o valentão que não é necessariamente o criador da comunidade, mas é seu principal participante, de repente convida as pessoas para participar de uma "brincadeira".

A "brincadeira" é invadir a página de recados de alguém com o qual o valentão teve uma discussão, na qual o durão saiu-se em desvantagem.

A jovem adere à campanha difamatória, sem saber realmente do que é. Participa do "efeito manada" escrevendo comentários semelhantes aos dos outros.

Ela até ensaia uma gozação com a vítima, ignorando que esta chegou a sentir certa simpatia com a moça.

Depois de todas as repercussões conhecidas num ato de valentonismo digital, a moça logo descobre que foi "queimada" ao participar do ato ofensivo.

Alguns amigos chegaram a mandar mensagens perguntando por que ela participou…