Pular para o conteúdo principal

DITADURA MILITAR SEMPRE FOI MARCADA POR TORTURA E CORRUPÇÃO

TANQUE SE POSICIONA, NO RIO DE JANEIRO, DURANTE O GOLPE MILITAR DE 1964.

Infeliz daquele que quer a volta da ditadura militar, ainda que sob o eufemismo de "intervenção".

Há, lamentavelmente, muita gente assim. Mesmo pobre.

O discurso é sempre o mesmo: "com um militar do poder, o Brasil vai ter ordem e a gente vai receber salários dignos, não essa ladroagem que está aí mamando do Estado".

Tem gente que prega isso e puxa um efeito manada. Pessoal apoiando, sempre com aqueles bordões: "Tem que varrer essa sujeira que está no Congresso", "Tem que privatizar tudo, do jeito que está é um mar de lama" etc.

Além disso, há a novidade surreal de que uma parcela da sociedade já defende a queda dos salários dos trabalhadores, a perda de direitos trabalhistas etc.

Pelo menos isso eu não vi no tempo da ditadura militar.

Eu, criança e diante da mídia censurada, poderia estar desinformado de 99% do que acontecia no Brasil, mas creio que tal aberração não iria ocorrer naquela época.

Já ouvia, nos tempos do governo José Sarney - quando eu era um adolescente - , pessoas pedindo a volta da ditadura militar porque achava que então os salários eram melhores.

Mas eu não ouvia pessoas pedindo redução salarial. E qualquer candidato que prometesse queda no salário mínimo levava surra nas urnas e recebia uma quantidade minguada de votos.

Hoje, de maneira surreal, um candidato que reivindicasse a queda do salário mínimo consegue arrancar aplausos de pé de alguns cidadãos "de bem".

A ditadura militar é uma reivindicação de uma parcela reacionária de brasileiros, que acredita piamente que seu desejo será realizado.

JAIR BOLSONARO - REPORTAGENS SOBRE UM PLANO TERRORISTA DE 1987 E, NO ALTO, GESTOS DE TIRO SIMILARES AO QUE ELE FEZ À REPÓRTER QUE O DENUNCIOU.

Esses brasileiros se animam com as crises dos últimos tempos, achando que, finalmente, as eleições de 2018 serão revogadas ou, quando muito, Jair Bolsonaro sairá vitorioso nas urnas.

Bolsonaro teve um episódio sombrio relembrado pela imprensa alternativa.

Foi quando, em 1987, o então capitão do Exército, Jair Bolsonaro, juntamente com seu colega Fábio Passos da Silva, de explodir bombas em quartéis e outros lugares estratégicos no Rio de Janeiro.

O atentado era planejado para que não houvesse vítimas, mas, mesmo assim, era um atentado terrorista e, acima de tudo, quebra de hierarquia militar.

O ministro do Exército do governo Sarney, Leônidas Pires Gonçalves, tentou desmentir o episódio, mas a reportagem de Veja, de autoria de Cássia Maria, divulgou detalhes do plano, que envolveria explosão de dinamite na adutora de Guandu, na Zona Oeste carioca.

Bolsonaro teve apenas leves punições por indisciplina. Foi expulso de uma escola de oficiais do Exército e ficou preso duas semanas, mas foi inocentado pelo Superior Tribunal Militar, apesar da declaração de culpa dada pelo Conselho de Justificação do Exército.

E Bolsonaro ainda ameaçou Cássia Maria de morte, depois de alegar que "não a conhecia".

Assim que a viu, ele fez o famoso gesto de fazer tiros de revólver com as mãos e disse à jornalista: "Você vai se dar mal".

A jornalista passou a viver sob proteção policial depois desse incidente.

Só esse incidente revela o perigo de Bolsonaro governar o país. E mostra também o perigo de qualquer volta à ditadura militar ou a governos equiparados a ela, ainda que eleitos pelo voto popular, podem causar.

Quem acha que a volta à ditadura iria extinguir a corrupção, coisa que os "donos da verdade absoluta" das redes sociais tentam convencer a qualquer preço, pode desistir.

A ditadura militar apenas abafava a corrupção. Prendia, torturava e matava quem a denunciasse.

Censores instalados nas redações e salas de produção nos veículos midiáticos impediam que reportagens investigativas e outras denúncias fossem publicadas.

Nem piadas criticando o regime militar eram autorizadas a serem lançadas pelos humoristas.

Dias depois de falecido Alberto Dines - corajoso jornalista que, de propósito, "emporcalhou" o Jornal do Brasil com anúncios de classificados grotescamente inseridos para chamar a atenção dos leitores sobre a censura ditatorial - , vieram denúncias novas sobre a ditadura militar.

NAVIO FRAGATA UNIÃO DEIXA NITERÓI PELA BAÍA DA GUANABARA, COM DESTINO AO LÍBANO, EM 2011. ERA UM DOS CONSTRUÍDOS COM EQUIPAMENTOS COMPRADOS DURANTE A DITADURA MILITAR.

São duas denúncias, uma trazida por telegrama da Embaixada dos EUA no Brasil enviado a Washington, outra revelada por documentos britânicos.

Vamos aos documentos britânicos. Eles datam de 1978 mas remetem a fatos ocorridos durante os governos dos generais Emílio Garrastazu Médici (1969-1974) e Ernesto Geisel, então ainda corrente.

Eles revelam que o governo brasileiro, na época, estava ligado a um suposto esquema de superfaturamento na compra de equipamentos para a construção de navios de escolta, chamados de "fragatas".

O material era de tecnologia britânica, e o Reino Unido se dispôs a participar de uma investigação, que foi evitada pelos militares.

A monarquia se ofereceu até para indenizar o governo brasileiro, no valor de 500 mil libras, mas a oferta foi recusada, de maneira bastante estranha. Infiro que seja para não expor o escândalo.

Outro caso de corrupção foi referente ao governo do general João Figueiredo, cujo cenário era exemplificado num relatório sobre o "jeitinho brasileiro" (mencionado na expressão "jeito" incluída na frase "jeito is king" - "jeito é rei").

O "jeitinho brasileiro" nem é preciso ser explicado.

É uma prática capaz de, entre outras coisas, transformar um farsante fazedor de livros fake de Minas Gerais a um pretenso "símbolo maior de amor e dedicação ao próximo".

Tanques também podem deixar seus rastros em mares de lama, e quantas fardas podem se sujar pela sujeira política que fazem, mas que dizem combater.

O problema é que a corrupção ditatorial não pode ser denunciada, o que dá uma falsa impressão de que ela nunca existe nessas situações.

Mas em ambientes autoritários, a busca frenética pelo poder faz com que seus líderes, que alegam combater a corrupção e resgatar a honestidade pela austeridade, sejam os que mais pratiquem corrupção.

Na ditadura, generais puxavam tapetes de outros, havia uma disputa por protagonismo e comando.

Só para se ter uma ideia, o general que fez o golpe militar de 1964, Olímpio Mourão Filho, foi descartado, a ponto de ser chamado de "vaca fardada", em comparação às vacas de presépios natalinos, que só servem para enfeite.

E para quem acha que "com a família Bolsonaro é diferente", é bom lembrar que o patrimônio financeiro de Jair e seus filhos (Flávio, Carlos e Eduardo) multiplicou de maneira vertiginosa.

Por causa da posse de, pelo menos, 13 imóveis, a fortuna da autoritária família chegou ao patamar de, no mínimo, R$ 15 milhões.

E há ainda outros bens que, juntos, são avaliados em, pelo menos, R$ 1,7 milhão.

E Jair Bolsonaro ainda defende os projetos do governo Michel Temer, que ele ajudou a instalar.

Defende a reforma trabalhista de maneira ainda mais radical que seu colega de reacionarismo, o CEO de Engenho da RCHLO, Flávio Rocha.

Isso significa que quem apoiar Bolsonaro não pode esperar receber a tão sonhada recompensa na hipótese de seu ídolo chegar ao poder.

Os bolsonaristas terão que receber migalhas, e isso em se tratando dos que são de classe média. Já o "pobre de direita" que faça chorinho com o ronco de sua barriga faminta.

E não adianta pedir a tal remuneração. No raciocínio dos Bolsonaro, quem pede dinheiro é "vagabundo comunista" ou "petista".

Os bolsonaristas que quiserem receber a sonhada recompensa que trabalhem 16 horas por dia nas reservas de nióbio que o "mito" lhes indicar.

A ditadura militar não é a "ditamole" para os defensores da dita (desculpe o trocadilho) "intervenção militar".

Defender governos autoritários, mesmo sob o aparato do "voto livre", só vai dar no efeito "morsas do Alasca".

Como naquele documentário em que as morsas, em grupo, se aventuram a se jogarem no abismo, achando que vão cair no mar, e morrem feridas ao caírem no chão.

Os brasileiros estão nesse clima, sobretudo num Rio de Janeiro que não pode ver o sobrenome Bolsonaro que elege com uma enxurrada de votos.

Não se pode brincar com esse "tobogã da morte". O Brasil só tem a perder quando vier uma nova ditadura ou um governo "democrático" equiparado a ela.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

O "JESTOR" JOÃO DÓRIA JR. E A EMBRATUR BREGA

Uma campanha publicitária promovendo a pobreza como atração turística.

Uma outra campanha promovendo a sensualidade feminina com um exotismo machista e fora do contexto.

Parece campanha de antropólogos, cineastas e jornalistas da intelectualidade "bacana" infiltrados nas esquerdas médias para promover uma imagem "positiva" das chamadas periferias.

Mas se trata das campanhas difundidas quando o hoje prefeito de São Paulo, o "jestor" e hoje tucano João Dória Jr., presidiu a Embratur, entre 1986 e 1988, durante o governo de José Sarney.

João Dória Jr. pensava em promover o "turismo da seca", mostrando a miséria do Nordeste para turistas munidos de muito conforto e vindos do Sul e Sudeste "pudessem conhecer".

Com um senso "sociológico" digno de um Luciano Huck, Dória Jr. queria transformar a fome em atração turística.

Ele antecipou em quinze anos o que a intelectualidade "bacana", à sua maneira, tentou fazer com a breg…

NA BREGALIZAÇÃO DO PAÍS, A MPB ERA UM "PATRIMÔNIO ELITISTA"

Passado o longo verão do pretenso "combate ao preconceito" da bregalização, criou-se o monstro inesperado que se escondeu por trás do mito da "pobreza linda" e da "periferia legal".

Era o monstro do bolsonarismo, servido inesperadamente pelo "pobre de direita", um subproduto que a "cultura da periferia" ancorada pelo "funk" produziu à revelia de todos.

Ninguém imaginou que o "funk", vindo de um Estado ultraconservador que é o Rio de Janeiro nos últimos 30 anos, faria parte desse contexto.

Dirigentes funqueiros que, mesmo se passando por "esquerdistas convictos", faziam cobranças das esquerdas como se fossem articulistas de Veja, abriram caminho para o "mito".

Funqueiros apadrinhados por José Padilha, blindados pela Rede Globo, inseridos num contexto em que igrejas pentecostais faziam o contraponto moralista da libertinagem erótica dos "bailes funk", enganaram durante anos as forças pro…

A GAFE MUNDIAL DE GUILHERME FIÚZA

Há praticamente dez anos morreu Bussunda, um dos mais talentosos humoristas do país.

Mas seu biógrafo, Guilherme Fiúza, passou a atrair as gargalhadas que antes eram dadas ao falecido membro do Casseta & Planeta.

Fiúza é membro-fundador do Instituto Millenium, junto com Pedro Bial, Rodrigo Constantino, Gustavo Franco e companhia.

Gustavo Franco, com sua pinta de falso nerd (a turma do "cervejão-ão-ão" iria adorar), é uma espécie de "padrinho" de Guilherme Fiúza.

O valente Fiúza foi namorado da socialite Narcisa Tamborindeguy, que foi mulher de um empresário do grupo Gerdau, Caco Gerdau Johannpeter.

Não por acaso, o grupo Gerdau patrocina o Instituto Millenium.

Guilherme Fiúza escreveu um texto na sua coluna da revista Época em que lançou uma tese debiloide.

A de que o New York Times é um jornal patrocinado pelo PT.

Nossa, que imaginação possuem os reaças da nossa mídia, que põem seus cérebros a serviço de seus umbigos!

Imagine, um jornal bastante conhecido nos…

A GROSSERIA DE SÍLVIO SANTOS COM CLÁUDIA LEITTE

Recém-convertido ao bolsonarismo, o apresentador Sílvio Santos cometeu uma grosseria gravíssima.

No programa beneficente Teleton, no último fim de semana, o dono do SBT recebeu a cantora Cláudia Leitte, que iria divulgar uma nova música, "Balancinho".

Usando um vestido justo e curto, cor de rosa, Cláudia recebeu um comentário grosseiro de Sílvio, assim que ele se recusou a abraçar a cantora baiana nascida em São Gonçalo (RJ).

"Esse negócio de abraçar me deixa excitado", disse o apresentador, sem medir cerimônia.

A cantora tentou disfarçar: "Você disse excitado de euforia, de entusiasmo, né?".

Sílvio respondeu: "Não, excitado é de excitado mesmo".

Houve gargalhadas na plateia e a esposa do apresentador e empresário, Íris Abravanel, fez um sorriso meio envergonhado.

Cláudia Leitte não escondeu sua expressão de aborrecimento e de profundo constrangimento.

É certo que, como cantora e compositora, Cláudia é discutível em muitos aspectos, mas deixemo…

MÍDIA ALTERNATIVA ALERTA SOBRE ESTRANHO PROLONGAMENTO DO CASO DA FACADA EM BOLSONARO

A mídia alternativa, como o portal Nocaute e o jornalista Joaquim de Oliveira, do Diário do Centro do Mundo, fazem um grave alerta.

A Polícia Federal, estranhamente, prorrogou por mais 15 dias, contados de ontem, 20 de setembro, as investigações sobre o atentado ao candidato do PSL, Jair Bolsonaro, à Presidência da República.

O titular da Delegacia Regional de Combate ao Crime Organizado de Minas Gerais, Estado onde se situa o local do atentado, Juiz de Fora, delegado Rodrigo Morais, disse que perícias ainda estão sendo feitas no material colhido na casa do acusado, Adélio Bispo de Oliveira.

Um laptop, outro computador, quatro aparelhos celulares e outros documentos foram apreendidos da casa de Adélio, o jovem que tentou matar Jair com uma facada. Atualmente, o candidato está internado e em processo progressivo de recuperação de saúde.

O dado estranho é que o prazo se encerrará no próximo dia 05 de outubro, dois dias antes das votações de primeiro turno para presidente da República.

REI PIRRO VENCEU

As morsas do Alasca comemoraram a vitória do Rei Pirro. Agora as morsas devem aproveitar e comemorar, antes de darem seu salto mortal.

TV LINHAÇA - BOLSOMÍNIONS: "EU VIM DE GRA$A"

Os bolsomínions dizem que vão ver o "mito" de graça, mas a verdade é que o empresariado botou uma baita grana para a multidão ir ver Jair Bolsonaro. O povo vai de graça porque já pagaram as contas todas dele.

A IMPRENSA COMPLACENTE COM JAIR BOLSONARO, QUE AS AMEAÇA

Vivemos um período tão delicado que causa perplexidade no resto do mundo.

Não são poucos os alertas que são feitos para evitar que Jair Bolsonaro chegue ao comando da República.

O "mito" cresceu sem controle com uma indústria de fake news, despejadas para um público que se tornou viciado em WhatsApp.

Sociopatas que, há cerca de dez anos, se escondiam no Orkut em comunidades como "Odeio Acordar Cedo", correm o risco de governarem o país através de seu ídolo.

Ninguém consegue frear e, o que é surreal, na campanha do primeiro turno Bolsonaro crescia, ainda que artificialmente, depois de cada incidente negativo.

O jabaculê político rolava solto. De Paulo Guedes, o "posto Ipiranga" e virtual ministro da Fazenda do governo Bolsonaro, a Steve Bannon, o marqueteiro de Donald Trump.

Deixou-se Bolsonaro crescer, e tudo podia ser feito para evitar que ele chegasse ao segundo turno.

Muito se avisou para os eleitores não transformarem a urna eletrônica num balde de v…