Pular para o conteúdo principal

LINCOLN OLIVETTI E A CRISE DA MÚSICA POPULAR BRASILEIRA


Delicado falar prós e contras sobre alguém que acaba de falecer. No caso de Lincoln Olivetti, falecido na noite de ontem, aos 60 anos, de infarto, essa situação se encaixa bem, já que muito do que ele fez, em que pese seus méritos de músico e arranjador, criou as condições para a crise que vive a MPB hoje em dia.

Olivetti implantou uma mentalidade hit-parade para a MPB, radicalizando aquilo que o produtor Liminha, ex-membro dos Mutantes, colheu nas suas pesquisas de produção e composição musical quando foi aos EUA, trazendo, na volta, um livro que compartilhou com Lulu Santos, sobre a vantagem de criar uma canção assobiável no Brasil.

Como músico e arranjador, Lincoln Olivetti tem seus méritos de implantar o sintetizador, compor canções assobiáveis ou fazer arranjos do estilo Earth Wind & Fire. Se fosse uma expressão pessoal e específica de suas propostas musicais, tudo bem. Mas o grande problema é que ele acabou se tornando regra dominante nesse processo, e a MPB, por diversos motivos, sucumbiu ao comercialismo em suas mãos.

Nessa época, o cenário político já era delicado. Mesmo sendo uma fase considerada branda como a de Ernesto Geisel, era ainda bastante repressiva, e o AI-5 só foi extinto no final de 1978. O Brasil vivia uma crise de valores, porque a chamada "revolução" não conseguiu melhorar a situação do país, como os militares haviam prometido em 1964.

A MPB autêntica até teve um fôlego intenso entre 1964 e 1975. Num primeiro momento, cepecistas (que defendiam a valorização das raízes musicais aliadas a temáticas de contestação social e política) e bossanovistas (que defendiam a sofisticação artística) se uniram e criaram juntos um cenário de música brasileira que brilhou nos festivais de música de 1965-1968.

Em segunda instância, a Tropicália mostrou aos emepebistas acima descritos que se poderia inserir a guitarra elétrica e as influências estrangeiras sem prejudicar a brasilidade musical, uma lição que já havia sido feita, antes, com o sambalanço e a Bossa Nova, nos anos 1950, e depois, com o Rock Brasil, nos anos 1980.

Só que com o Brasil ditatorial, a música brasileira passou a enfrentar seus problemas. A música brega, extremamente comercial e retardatária, divulgada por rádios controladas por latifundiários e políticos ou pelo empresariado urbano associado, virou uma falsa terceira via da música brasileira, mesmo sem contribuir de forma edificante para o enriquecimento da música brasileira.

O brega apoiado pelo latifúndio só forjou uma falsa brasilidade nos anos 70, quando o coronelismo buscava políticas de desenvolvimento agrícola e implementação do turismo durante o "milagre brasilleiro". Enquanto isso, a MPB continuava lançando discos conceituais, vivendo seu apogeu criativo em 1976.

Pouco depois, a ascensão de Lincoln Olivetti criou uma fase "MPB de produtor", pasteurizando a música brasileira aos níveis de canções românticas, sucessos comerciais e superprodução e muita pompa. Com ele, o artista passou a gravar em Los Angeles, fazer concertos superproduzidos, criar discos musicalmente padronizados, prejudicando a criatividade em prol da produção de sucessos radiofônicos.

Lincoln Olivetti fez esse trabalho de transformar a MPB em hit-parade, com seu parceiro Robson Jorge, há tempos falecido. Esse padrão se radicalizou no começo dos anos 80, o que fez a MPB se acomodar e perder o diálogo com a juventude que, entediada, resolveu curtir o Rock Brasil.

Mas o pior ainda estava por vir, e desde então surgiram ex-músicos da Jovem Guarda, que se ascenderam quando, paralelamente à "MPB de produtor", a supremacia dos produtores e arranjadores sobre os artistas, dentro de um contexto de muito comercialismo, fez também com que o brega dos anos 70 fosse contemplado com discos superproduzidos e "moderninhos".

E aí vieram ídolos como Ângelo Máximo, Fernando Mendes, Gretchen e José Augusto, na primeira tentativa de criar um hit-parade brasileiro, sem qualquer compromisso artístico-cultural, enquanto alguns outros intérpretes brincaram de fazer música estrangeira, como Década Romântica, Pholhas, Fábio Jr. (codinome Mark Davis), além do ambicioso Michael Sullivan, todos na carona de Morris Albert e Terry Winter, one-hit wonders que pareciam convincentemente americanizados.

E aí Sullivan chamou o ex-tecladista de Lafayette e Seu Conjunto, Paulo Massadas, mais o ex-colega de Sullivan nos Fevers, Miguel Plopschi, para bolar uma radicalização do comercialismo musical brasileiro, um plano de, primeiro, cooptar a MPB já pasteurizada para eliminá-la depois, conforme denúncias feitas por Alceu Valença sobre o esquema, sem citar nomes.

E aí eles completaram o trabalho de Lincoln Olivetti e Robson Jorge. Se eles criaram um padrão comercial para a MPB autêntica, esse virou a fonte para a lapidação do brega dos anos 70 nas mãos de Sullivan e Massadas. Alguns emepebistas menos contestadores, como Raimundo Fagner, Roupa Nova e Alcione compactuaram com o esquema de Sullivan e Massadas.

Isso criou as condições para o aparecimento da geração neo-brega dos anos 90, como Só Pra Contrariar (e, por conseguinte, Alexandre Pires), Chitãozinho & Xororó, Negritude Júnior, Soweto (e Belo), Leandro e Leonardo (e, depois, este último), Zezé di Camargo & Luciano, Luiz Caldas, Mastruz Com Leite, Frank Aguiar, Exaltasamba, etc etc.

Todos eles acabaram fazendo a fusão entre a MPB pasteurizada e o brega arrumadinho, e, virando estrondosos sucessos comerciais, fizeram com que Lincoln, Robson, Michael e Paulo comemorassem compondo, juntos, "Amor Perfeito".

E, para celebrar esse "crime perfeito" contra a música brasileira, chamaram Roberto Carlos, para interpretar a canção, mais tarde sucesso também de Chiclete Com Banana (que virou ícone neo-brega nas mãos de Bell Marques) e Cláudia Leitte ("filha" tardia dos neo-bregas). E o neo-brega acabou se tornando tão hegemônico que até o que resta de MPB autêntica hoje está ameaçado a morrer.

Ninguém desconfiou e as pessoas mordiam as iscas, reforçadas pela blindagem intelectual dos anos 90 que levou-se tempo para desmontar. E, mesmo assim, as pessoas, de maneira masoquista, ainda foram reabilitar Michael Sullivan como se fosse "MPB séria". Mas, num país que até Fernando Collor é "reabilitado" e feminicidas ricos viram "genros ideais" para certas famílias, faz sentido.

Com isso, em que pese a competência musical de Lincoln Olivetti, ele forneceu as condições para a atual crise da MPB em que vivemos. Ele criou uma mentalidade comercial, pomposa, pretensiosa e autorreverente, "americanizou" a música brasileira e tirou dela aquele vigor dos anos 60, afastando a MPB autêntica dos jovens.

Daí que a maior parte da juventude brasileira, sem algum referencial decente para curtir, fica perdida entre o brega-popularesco costumeiro e o roquinho frouxo tocado por certas "rádios rock". As gerações que deveriam revitalizar nossa cultura só estão apreciando mediocridades e barbaridades.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

PARAÍSO DO TUIUTI: VICE COM SABOR DE PRIMEIRO LUGAR

A apuração do Carnaval 2018 de hoje foi diferente da de antes.

Não se tratava de um mero rodízio de medalhões dos desfiles, como as grandes escolas de samba mais conhecidas.

Trata-se de um "duelo" entre a favorita da Rede Globo, a Beija-Flor de Nilópolis, e a Paraíso do Tuiuti, a mais popular.

Evidentemente, a plutocracia vibrou com a vitória da escola de samba da Baixada Fluminense.

Mas a Tuiuti teve, no vice-campeonato, um sabor extra de vitória.

Em 2017, a escola de São Cristóvão, bairro carioca, teve um carro alegórico acidentado, matando uma pessoa, a jornalista e radialista Elizabeth Ferreira Jofre, a Liza Carioca, e ferindo 19.

E, em tempos temerosos, lançou um samba-enredo de risco, com o desfile criado pelo carnavalesco Jack Vasconcelos.

O tema era a escravidão, com o título "Meu Deus, Meu Deus, Está Extinta a Escravidão?".

Por ironia, um dos autores do enredo, o sambista Moacyr Luz, foi assaltado quando se dirigia à Marquês de Sapucaí. O aumento dos assa…

UM ANO APÓS O FIM DA MPB FM, RÁDIOS ADULTAS NÃO COMPENSARAM LACUNA DEIXADA PELA EMISSORA

CARTAZ DA RÁDIO JB FM, QUE, VERGONHOSAMENTE, TOCA MAIS MÚSICA ESTRANGEIRA QUE BRASILEIRA, O QUE DEVERIA SER O CONTRÁRIO.

Muitas pessoas estão preocupadas com a decadência sócio-cultural do Rio de Janeiro em todos os aspectos.

Antes um importante pólo cultural, o Rio de Janeiro sucumbiu ao comercialismo, à mesmice e até mesmo à indigência cultural.

Se surgiu a aberração do roqueiro que, não bastasse ouvir só os greatest hits, é capaz de ser fã de certas bandas por causa de uma música só - os tais "fãs de uma só música", rebaixando bandas seminais como AC/DC a one-hit wonders - , então a coisa é grave.

Se o Rio de Janeiro hoje é mais receptivo ao "sertanejo" que ao rock alternativo, a coisa é mais grave ainda.

E aí temos o fato de que passou-se pouco mais de um ano após o fim da MPB FM, única rádio dedicada à música brasileira de qualidade.

Nenhuma rádio de pop adulto conseguiu suprir de forma definitiva a carência de MPB na programação radiofônica.

Em vez de duas mú…

A PEGADINHA DA MÚSICA DE LÉO SANTANA NAS ESQUERDAS

Infelizmente, as esquerdas ficam complacentes com o tal "popular demais" da música brega-popularesca.

Acham que um simples sucesso radiofônico pode significar uma "revolução bolivariana" que vai levar Lula para a Presidência da República nas próximas eleições.

Superestimam a presença de um grande público de negros, mestiços, pobres e LGBT na plateia, como se isso em si fosse uma revolução socialista. Mas não é.

Quem é que não garante que aquelas plateias superlotadas só estão ali por consumismo e seguem as "ordens" da rádio FM mais ouvida, "popular" mas oligárquica?

Uma pegadinha recente fez os petistas "pirarem", nesses tempos carnavalescos que ora se encerram.

O cantor Léo Santana, no seu trio elétrico, foi cantar uma música chamada "Vai dar PT".

"Vai dar PT, vai dar / Vai dar PT, vai dar", foi o refrão contagioso.

Aí as esquerdas morderam a isca. De repente Léo Santana virou cabo eleitoral de Lula. Correto?

Não.…

LUCIANO HUCK NÃO VAI SE CANDIDATAR À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA

Aparentemente, Luciano Huck desistiu de ser candidato à Presidência da República.

Até o fechamento deste texto, ele não havia dado um comunicado oficial, mas antecipou esta posição à jornalista Sônia Racy, colunista de O Estado de São Paulo.

Huck recusou-se a comentar sobre o assunto. "Preciso digerir a decisão", afirmou o apresentador.

Na coluna de Mônica Bergamo, da Folha de São Paulo, veio a notícia de que Huck está muito triste com a desistência.

"Vou ali chorar um pouquinho e já volto", disse Huck aos amigos, segundo nota na coluna.

Com a desistência, também perde efeito o processo do PT contra Huck, Fausto Silva e a Rede Globo, por conta de uma entrevista com o apresentador e Angélica que sugeriu propaganda política subliminar e antecipada.

O ministro do Tribunal Superior Eleitoral, Napoleão Nunes Maia, considerou que o apresentador declarou não ter intenção de concorrer à Presidência da República e por isso arquivou o processo movido pelo senador Lindbergh …

O "FUNK" QUE FORJA POLÊMICAS À TOA PARA GARANTIR AÇÃO DA PLUTOCRACIA

Mesmo vivo, Cabo Anselmo tornou-se um fantasma, que se encarnou no "funk".

Toda vez que o cenário político plutocrata, vigente desde 2016, entra numa grave crise, o "funk" entra em ação para forjar pretensa polêmica.

Algo que Anselmo fazia em 1963-1964.

Se apropriavam de pautas esquerdistas para, como movimentos "alienígenas", desviarem o debate para fora de questões importantes.

Foi no caso das reformas de base do governo João Goulart, no qual o desvio de foco foram as pautas justas, mas secundárias, dos militares de baixa patente.

Agora é a questão comportamental do "funk", a ditabranda do mau gosto, a glamourização da pobreza.

E, junto a isso, vem o discurso dos intelectuais "bacanas", uma parcela de intelectuais que faz apologia ao que eles chamam de "popular demais".

Esses intelectuais são de classe média, tão elitistas como o Movimento Brasil Livre, mas se acham "de esquerda" (embora falem mal da esquerda o t…

INTERVENÇÃO NO RIO AGRAVA A CRISE DO GOVERNO MICHEL TEMER

Michel Temer é um grande canastrão político.

Não tem competência nem representatividade para governar o país, só lançou ideias retrógradas e provocou inúmeras confusões.

É um verdadeiro canastrão, com pinta de ator no papel de vampiro de filmes B.

Afinal, Temer não tem o talento de um Bela Lugosi, a quem é muito comparado na aparência.

Temer é canastrão demais. No papel de estadista, chega a ser insuportável no seu orgulho de ser impopular.

Pois ele agora, vendo seu mandato-tampão chegar ao fim, precisa deixar um "grande legado".

Ele seria o último ato da trilogia "econômica" de sua "Ponte para o Futuro", na verdade uma "pinguela para o passado".

A reforma da Previdência, que iria completar a reforma trabalhista e o corte de verbas públicas nessa trágica trilogia "contra a recessão", que na prática é contra os trabalhadores, está emperrada.

Há risco da tal reforma, na verdade uma deforma, não poder sair. Ficará mofando junto com a Cri…

PARAÍSO DO TUIUTI FEZ O RÉQUIEM DO GOVERNO MICHEL TEMER

Domingo foi um Carnaval bastante festivo, mas até que relativamente mais alegre do que se esperaria nesse ano sombrio de 2018.

Fora os arrastões, assaltos e outros incidentes registrados, pelo menos, no Rio de Janeiro e Niterói - pelo menos é o que eu consultei na mídia, deve haver atos assim em outras cidades - , o Carnaval esteve bastante alegre.

No Carnaval carioca, nota-se a repercussão que se deu no Grêmio Recreativo Escola de Samba Acadêmicos do Tuiuti, escola de samba sediada no bairro carioca de São Cristóvão.

O enredo se chama "Meu Deus, Meu Deus, Está Extinta a Escravidão?", de autoria de Cláudio Russo, Anibal, Jurandir, Moacyr Luz e Zezé.

As alegorias e fantasias foram feitas pelo carnavalesco Jack Vasconcelos.

Seu enredo aparentemente, falava apenas de escravidão, descrevendo seu histórico transformado em letras de música, alegorias e encenações.


Havia desde representação de escravos amarrados e açoitados até pessoas "vestindo" a fantasia da Carteira d…

ZECA PAGODINHO DESMASCAROU JOÃO DÓRIA JR. NESTE CARNAVAL LOUCO DE 2018

JOÃO DÓRIA JR. SENDO INDELICADO COM O EXPERIENTE SAMBISTA.

Neste Carnaval de 2018, marcado pela consagração do ultracomercialismo musical (com direito a Ivete Sangalo dando a luz a gêmeas), o ano de 2017 tende a se encerrar oficialmente daqui a poucos dias.

Mas, até lá, a música brasileira autêntica foi envolvida em três notícias, uma delas boa e outras duas, terríveis.

Uma é que João Marcelo Bôscoli, o filho de Elis Regina e Ronaldo Bôscoli, vai fazer um programa de MPB na Rádio Globo "AM" em FM. O programa se chama Em Cartaz.

O horário é meio ingrato, todo domingo, de 23 horas à meia-noite, mas é um esforço significativo para suprir a falta de espaços para a música brasileira na programação radiofônica.

Curiosamente, é um horário onde deveriam estar confinados os flash backs estrangeiros que se repetem nas rádios de pop adulto, apagando da memória o contexto original das épocas em que as músicas foram gravadas.

Para quem não sabe, não há mais como ver sucessos de Christoph…