Pular para o conteúdo principal

HOLIDAY ON APP OU A PATINAÇÃO DE DEDO NOS CELULARES


Para quem estava preocupado com o internetês massacrando a língua portuguesa, isso era fichinha, pois, com a substituição dos computadores com teclados por celulares e tabletes eletrônicos, as pessoas estão se tornando digitalmente mais vazias e superficiais.

Primeiro, tivemos o internetês transformando a língua portuguesa num monte de abreviaturas sem sentido. Segundo, o Twitter fez as pessoas escreverem cada vez menos. E, agora, com os aparelhos celulares e tabletes eletrônicos ("pranchetas" com tamanho de quadros em moldura), as pessoas agora só estão fazendo patinação de dedo.

Na sociedade do espetáculo que vive o Brasil, sem a avaliação contestatória de equivalentes brasileiros a Guy Debord e Jean Baudrillard - eles existem, mas já são previamente barrados nas pré-seleções de pós-graduação - , vemos o Holiday on App tomando conta dos internautas atuais.

As pessoas só ficam "patinando" pela tela do celular ou do tablete para verificar memes nas mídias sociais ou para curtir coisas. Quando escrevem, é uma mensagem lacônica e fica por aí. E, o que é pior, ficam muito tempo nas mídias sociais e deixam de ser realmente amigas dos outros.

Não temos mais solidariedade, nem debate, nem informação bem dosada, apenas a overdose que acomoda e emburrece. O que se tem é um consumismo tecnológico e um modismo no qual as pessoas são capazes de se tornar estúpidas se isso é a moda da temporada. E pior que ficam estúpidas, mesmo.

Os gurus da "morte do papel", os quais festivamente acreditam que a invenção de Gutenberg servirá como caixões improvisados para os barões da mídia, enquanto estes, espertos, pegam a blogosfera desprevenida embarcando nas mídias digitais, mal sabem o quanto a Internet tem também do outro lado, o lado conformista, consumista e até reacionário.

Enquanto eles comemoram a "morte do papel", achando que os últimos jornais e revistas impressos servirão apenas para embrulhar os cadáveres da grande mídia, ignorando que as "novas mídias digitais" há muito abrigam a "urubologia" mais rabugenta (mesmo muitos "jornalistas de papel" já têm seus blogues), o "povão" fica patinando sobre celulares e tabletes.

A Internet está ficando cada vez mais superficial, cheia de frivolidades, e o primeiro imbecil que vira a sub-celebridade do momento ganha um monte de seguidores no Instagram, Facebook, Twitter e o que vier de mídia social.

Por outro lado, quem tem o que dizer precisa ter muito jogo de cintura para ter um pouquinho mais de visibilidade, espécie de moeda corrente à qual quem pensa as coisas de forma coerente não consegue adquirir. A coerência, infelizmente, é uma pérola para poucos. A maioria sucumbe às frivolidades. E todo mundo patinando nas telas de seus celulares e tabletes. Holiday on App.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…