Pular para o conteúdo principal

PARA VÁRIAS PESSOAS, MPB VIROU COISA DE "COUVERT ARTÍSTICO"


Que coisa humilhante sofre hoje a Música Popular Brasileira. Há 50 anos, a sigla MPB tinha sua força, evocava um processo de resistência artístico-cultural naqueles anos em que a ditadura militar "botava pra quebrar", conforme a gíria da época. Os festivais de música que ocorreram entre 1966 e 1968 não deixavam mentir.

Mas hoje MPB se reduziu a um significado bastante mesquinho que, nas comunidades dedicadas à MPB, há quem demonstre admiração por Michael Sullivan - o homem que quis destruir a MPB, conforme denúncia recente de Alceu Valença - e por canastrões do neo-brega como Alexandre Pires e Chitãozinho & Xororó.

Isso porque, para esse pessoalzinho metido a sabichão, dotado de alto poder aquisitivo, alguma instrução universitária mas pouco ou nenhum entendimento do que REALMENTE é MPB, a sigla se limita a ser um couvert artístico, coisa de vestir paletó, cantar ou tocar num cenário bem iluminado e interpretas músicas românticas. Só.

Isso virou uma grande estupidez, e faz a festa para a multidão de canastrões que são despejadas todos os anos pelas rádios popularescas, desde os tempos da Era Collor. Muita canastrice que as pessoas vão se acostumando. E os canastrões mais antigos, diante de tanta queda de nível, parecem ser MPB, mas não são.

Mas o que é definir alguma coisa hoje? A Internet já está deixando de ser uma mídia de debates e discussão e as pessoas agora só querem fazer o Holiday on App, do qual definiremos depois. Tudo virou questão de curtir e escrever poucos comentários que hoje as pessoas não sabem mais coisa com coisa.

E fala-se de pessoas consideradas bem informadas, mas que dão suas amostras de incompreensão constrangedora. Imagine, uma pessoa com nível universitário não saber o que é realmente MPB. Acha que é uma combinação de bom vestuário, boa iluminação e plateias lotadas e algum romantismo. Que coisa!

Levamos 500 anos para desenvolver um rico patrimônio musical, trabalhado às custas de muito sangue - é bom saber que boa parte de nosso patrimônio musical é de negros e índios maltratados pelos colonizadores e pelas elites - para, no caso da música, tudo se reduzir a um repertório chinfrim de canções românticas tocadas em ambiente de luxo sob sorrisos arreganhados.

Que até nossas elites "ilustradas" andam colocando sorvete na testa - regada a vodca, para estimular os "deitaços" - até na hora de definir o que pensam que é a "verdadeira MPB", isso se sabe. Paciência, é o sinal dos tempos. Brasil mergulhado em modernização conservadora, entre a bregalização e os "coxinhas", a tecnocracia da "mobilidade urbana", a teocracia espiritualista, mídia golpista etc etc.

As pessoas nem sabem o que é música de qualidade. Só querem saber da "água com açúcar" supostamente "bem tocada" e "bem cantada" (no padrão oversinging do termo), que fale de relações positivas ou negativas de amor enquanto as pessoas comem, bebem e descansam durante a digestão.

Nada que acrescentasse algo às suas mentes, nada que somasse à cultura musical, nada que pudesse revelar verdadeiros talentos, porque os "verdadeiros talentos" se limitam a ser sub-artistas amestrados e "treinados", que apenas fazem o "dever de aula" como crooners muito bem ensaiados, que sabem até o momento certo de saudar a plateia, mas fazer boa música, que é bom, nada fazem.

Crise de valores, em que as pessoas passam a endeusar hoje o algoz abominável que aprontou alguma ontem, e, por isso, faz a gente pensar sobre que país vivemos. E se vemos que as pessoas aceitam qualquer canatrice sob o rótulo de MPB, então estamos perdidos. Tem muita gente merecendo lavar os ouvidos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…