Pular para o conteúdo principal

MPB PECA PELA AUTORREVERÊNCIA

Qual foi a grande música da MPB autêntica de 2014? Nenhuma. Não adianta relativizar e dizer que teve "Lepo-Lepo", "Beijinho no Ombro", porque isso não é MPB, A MPB de verdade não se define por plateias lotadas e outros artifícios, se ela nada acrescenta de relevante ao patrimônio musical brasileiro, ela não é MPB. Chorem, intelectuais "bacanas"!

Infelizmente, a MPB autêntica de repente parou. O que se viu foram as apresentações ao vivo de medalhões ou tributos intermináveis a diversos projetos de música brasileira, seja estilos ou artistas específicos. A MPB se atolou na autorreverência.

Claro que essa queixa vem desde muito tempo. A crise da MPB vem mais ou menos de uns 35 anos para cá. MPB reduzida a evento de gala, a colunismo social a céu aberto, a um imenso camarote vip e um mero desfile dos mesmos sucessos de sempre, em boa parte músicas excelentes, mas cuja repetição acaba tornando-as muito cansativas.

Por exemplo, "Garota de Ipanema". A canção é belíssima, mas ninguém aguenta mais. A banalização da música a tirou do contexto original, tanto quanto o bairro carioca que, dias atrás, sofreu um arrastão que assustou muitos banhistas.

É tanta regravação que a aura original se perde, O prazer de sentir as melodias originais é comprometido, não porque a música passa por "diversas mãos" em si, mas porque o elenco de intérpretes é irregular e, claro, canastrões do neo-brega da safra 1990, que metem o nariz na MPB onde não são chamados, estragam a reputação da música.

O público mais jovem já não é muito interessado por MPB. Pelo menos o público que predomina nas mídias sociais, pois não se fala dos bons samaritanos que não são marionetes da mídia. Mesmo assim, a MPB autêntica deveria ter um pouco mais de força de vontade e lançar material inédito, em vez de se perder em eternas autorreverências.

A MPB não deveria compactuar com o brega-popularesco. Deveria mostrar que existe um caminho viável fora da canastrice, da cafonice e do comercialismo. A MPB não precisa se autorreverenciar, precisa, sim, se autovalorizar e mostrar ao grande público um acervo musical de qualidade, mas sem tributos excessivos, e sempre renovando com músicas e artistas realmente renovadores.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…