Pular para o conteúdo principal

PESSOAS NASCIDAS NA DÉCADA DE 1950 SÃO MAIS GULOSAS, DIZ PESQUISA


Uma pesquisa divulgada pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica constatou que os brasileiros estão ficando mais gordos. O aumento foi de cerca de 6% em relação a 2007, quando registrou um índice de 12 gordos para cada grupo de cem pessoas.

Os adultos consomem mais alimentos gordurosos e são mais sedentários, e a faixa com maior incidência está entre os 56 e 65 anos, justamente a faixa das pessoas nascidas na década de 1950, os chamados born in the 50s.

Motivos como ansiedade, preguiça e estresse estão entre os que estimulam as pessoas a comer mais e ganhar muito peso. A inclinação à bebida alcoólica, sobretudo cerveja, também agrava a situação. Isso sem falar dos próprios estereótipos da meia-idade, que determinam que o "verdadeiro coroa" tem que ficar fora de forma.

Na verdade, não existe uma ditadura da boa forma. Existe o contrário, a ditadura da má forma. Aí as pessoas, incapazes de se amadurecerem pela experiência de vida, acabam querendo parecer "maduras" na aparência, ficando fora de forma porque acha que ter boa forma é ficar preso no mito da "eterna juventude".

Isso é mal, porque, segundo especialistas, a obesidade é uma doença que pode causar vários tipos de infarto e facilitar até mesmo a incidência de câncer. Muitas mulheres, que eram quase franzinas na juventude e arriscam a serem "mais cheinhas" depois dos 40 anos não sabem o risco sério de falecerem de repente, por algum problema cardíaco, câncer ou outra doença agravada pela gordura.

E isso pelo simples medo de ficar em forma aos 50, 55 anos. As pessoas, depois dessa idade, têm medo de viver: têm medo de ouvir músicas agitadas e alegres, de tomar mais sucos, de estar com o corpo em forma e de rir alto durante uma piada. As mulheres, então, acabam tendo o preconceito com a boa forma física, achando que é "ter corpo de gatinha".

As pessoas deveriam abandonar o sedentarismo, moderar na alimentação, procurar ter a melhor forma física possível e deixar de acreditar na visão infantil de que a barriga da meia-idade é consequência das fases da lua, última criancice que homens e mulheres mantém quando chegam os cabelos grisalhos e brancos.

Isso é um recado para a turma dos 56 a 65 anos, embora sirva para toda a idade. E mostra o quanto nossos grisalhos e grisalhas precisam também reformular suas vidas, porque hoje a meia-idade, hoje em dia, é muito menos uma questão de maturidade e experiência de vida e muito mais uma necessidade de se reinventar.

Essa necessidade de reinvenção é urgente, e exige dos "coroas" um esforço e uma perseverança típicos dos mais jovens. Meia-idade é reinvenção, deveria ser vida por inteiro. Nem que seja para um médico de seus 61 anos ir ao Lollapalooza para entrar em contato com sonoridades mais joviais.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…