Pular para o conteúdo principal

JORNALISTA DÁ EXEMPLO E PEDE VETO A ANITTA EM FESTAS INFANTIS


O SBT não vive só de Rachel Sheherazade com seu reacionarismo no refrigerador para ser despejado na Jovem Pan. Há também pessoas diferentes, de perfil mais coerente, como é o caso da jornalista Rita Lisauskas, ex-Rede TV!, que em seu comentário sobre maternidade, pediu para os pais não tocassem os sucessos da funqueira Anitta em festas infantis.

E olha que Anitta é a "mais light" se compararmos às barbaridades que se tocam em festas infantis, desde que, nos anos 90, os pais impunemente tocavam sucessos do É O Tchan para a criançada dançar, sem qualquer escrúpulo.

Naqueles tempos, a Internet ainda era uma novidade e não havia a blogosfera para desafiar a intelectualidade "bacana" - na Bahia, havia o "pioneiro" desses "coxinhas pós-tropicalistas", o professor da UFBA Milton Moura - que pregava não só a "bundificação" da cultura brasileira, como também a exibição de glúteos até para o público infantil.

Havia até a desculpa, que se tornou mais frequente quando os "bacanas pensantes" faziam toda a blindagem acadêmico-intelectual do "funk carioca", de que a exposição da pornografia funqueira para as crianças era uma forma "popular e intuitiva de educação sexual". Vá entender.

Só que, felizmente, os "bacaninhas" hoje são mais desacreditados - até Milton Moura ficou cansado demais, de tantas críticas contra ele, para defender como antes os "rebolation" e "lepo-lepo" da vida - porque uma blogosfera atuante resolveu provar que criticar a imbecilização cultural nada tem a ver com preconceito contra as classes populares.

E o meu extinto blogue Mingau de Aço contribuiu muito nisso, apesar de ter sido o "patinho feio" da blogosfera de esquerda e remar contra a corrente até mesmo da mídia esquerdista, na época iludida com o hipnotismo verborrágico de um Pedro Alexandre Sanches surgido dos escombros da Folha de São Paulo para forçar a esquerda a apoiar a imbecilização cultural.

Anitta não gostou dos comentários, conforme escreveu o jornalista Miguel Arcanjo Prado, suplente na coluna de Fabíola Reipert (que está de férias), e está de marcação contra Rita Lisauskas. Imagine se Rita resolvesse fazer o mesmo com Valesca Popozuda? Será que esta, aparentemente gentil e cordata, não iria também morder seus beiços e entrar num surto?

Se uma jornalista com a coragem de Rita Lisauskas tivesse agido, lá por volta de 1996, vetando o É O Tchan em festas infantis, talvez os pais minimizassem os efeitos danosos que se tem, quando, entre as mulheres brasileiras, predomina o perfil imbecilizado das moças que preferem se dar bem na vida "mostrando demais" seus corpos siliconados, num "sensualismo" barato e grosseiro.

Não fosse tocar sucessos do É O Tchan para a criançada, talvez tivéssemos mais Emma Watson e menos Geisy Arruda, mais Rachel Bilson e quase nenhuma Solange Gomes, entre as brasileiras, dando um diferencial de decência e coerência para as mulheres brasileiras e uma pá de cal para essa "sensualidade feita na marra" que nada tem do feminismo a que erroneamente se atribui.

Rita Lisauskas está de parabéns, condenando uma prática de pais descuidados que, sem saber, contribuem para a formação de estúpidas "popozudas" de amanhã.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…