Pular para o conteúdo principal

TESE DO "FIM DA IMPRENSA DE PAPEL" É PERIGOSA


De vez em quando, rola um papo, nos círculos esquerdistas, de que o jornalismo de papel acabou, que agora só haverá jornalismo digital, uma tese que leva ao exagero a valorização das mídias digitais e que sabemos adota uma retórica que agrada muito ao magnata George Soros, que se acha "o dono do mundo".

Nos seminários e nos próprios blogues, os progressistas, muitos deles bem intencionados e de ideias interessantes e coerentes, no entanto, caminham para uma atitude perigosa que é a de confundir a decadência das corporações midiáticas com a decadência da imprensa escrita, em si.

Alguns deles chegaram mesmo a criar uma contadição, em relação à crise midiática, acreditando que apenas TV e jornalismo impresso estariam decaindo, enquanto o rádio FM, como se observa nas mídias sociais, está passando por uma decadência ainda pior, embora muitos tentem acreditar justamente o contrário.

O que existe de crise é a das grandes corporações nacionais ou das oligarquias regionais. Só que a blogosfera progressista, tentando confundir as coisas, de forma bastante festiva comemora a morte do jornalismo de papel, como se rasgando jornais e revistas representasse o fim de um domínio oligárquico de décadas.

Isso é um engano gigantesco, e revela que, eventualmente, a blogosfera progressista comete erros constrangedores. Foi uma experiência traumatizante, por exemplo, a adesão das esquerdas a "alienígenas" como Paulo César Araújo (que mais parece ter saído dos almoxarifados de Veja) e Pedro Alexandre Sanches (o "filho da Folha" e discípulo de Francis Fukuyama) quando o assunto era cultura brasileira.

Essa adesão custou muito caro aos esquerdistas e abriu caminho para a réplica bem-sucedida de Rachel Sheherazade, Rodrigo Constantino e Lobão, já que, graças a Araújo e Sanches, as esquerdas cometeram gafes como ver conteúdo marxista em letra de axé-music ou em endeusar Waldick Soriano, que era tão reacionário quanto Lobão, e até mais retrógrado do que o roqueiro carioca.

Isso corrompeu de certa forma os debates sobre cultura brasileira que hoje até a MPB autêntica está estéril, perdida em tributos a si mesma. Mas, também, a opinião pública reagiu, Sanches e Araújo deixaram de ser "divindades intelectuais" e não são mais "santificados" na busca do Google, pois já existem textos que contextam seus pontos de vista em prol da bregalização do país.

E o que restou da intelectualidade "bacana"? Depois de tentar uma delirante etnografia sobre Mr. Catra, restou a ela encher a cara e fazer "deitaço" com a Bebícia... quer dizer, Letícia Sabatella. Sem forçar a barra para ser "de esquerda", o discurso dos "bacaninhas" ficou sendo "não ser de esquerda nem de direita", mas o engraçado que é a mesma desculpa citada por Rodrigo Constantino e seus afins.

Mas eles se consolam deixando seu vírus na mídia esquerdista, que acha que, morrendo o papel, morrem as oligarquias midiáticas. Nem em sonhos. A "pena de morte" para o papel não incrimina os barões da grande mídia, mas sim a invenção do coitado do Johannes Gutenberg, o verdadeiro sentenciado da festejada ameaça.

Tá, mas vão dizer que há as impressoras dos computadores pessoais. Só que, infelizmente, do jeito que estão os modismos tecnocráticos, nem a Internet anda muito substancial, porque as pessoas já nem usam muito computador quanto há dez anos atrás, e agora brincam de caminhar com os dedos em tabletes e celulares e só se dispõem a ler mensagens curtas nas mídias digitais.

Enquanto isso, os barões da grande mídia caem na gargalhada quando as esquerdas falam na "morte do papel". "Então a culpa não é totalmente nossa, rá rá rá!", dirão. A "profecia" da "morte do papel" deve fazer Reinaldo Azevedo cair da cadeira de tanto rir, porque, em parte, ele é inocentado do crime de despotismo midiático. A culpa acaba sendo a do papel. Vamos matar o papel.

Se os barões da grande mídia vão encontrar no caminho uma blogosfera oposicionista forte, nem por isso deve ser motivo para festa. Isso se explica porque muitos dos blogues progressistas são feitos de graça, e outros sob apoio do Governo Federal e suas autarquias. Mas a mídia dominante é sustentada pelas grandes indústrias e até por empresas estrangeiras.

Entre os cachorros, há uma espécie de tamanho pequeno e aparência dócil chamada chiuaua, que no entanto é temperamental e ladra e morde. No entanto, não há como comparar com a espécie rottweiler, sem falar do pitbull. Os chiuauas da blogosfera de esquerda andam confiantes demais na sua mordida, subestimando a agressividade dos pitbulls da grande mídia.

Os esquerdistas ficam comemorando a "morte do papel", como se o coronelismo midiático morresse definitivamente com isso. Não. A mídia reacionária tem todo o arsenal de Internet, seus blogueiros específicos, sua sofisticada estrutura digital, seus portais etc. Não há como escapar disso.

Talvez a mídia esquerdista tenha que pensar duas vezes antes de achar que, morrendo a imprensa escrita, morrerá o coronelismo midiático. É preciso reconhecer que os barões da mídia continuam ricos, e eles têm todos os recursos e os meios de adquirir outros para reciclar seus métodos e meios de dominação. A mídia direitista já mostrou que pode trocar os anéis para preservar seus dedos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…