Pular para o conteúdo principal

CADA MÍDIA ROCK TEM A CENA QUE MERECE


Quando voltaram a explorar o segmento rock, as rádios 89 FM (SP), no final de 2012, e a Rádio Cidade (RJ), no começo de 2014, prometeram revitalizar a cultura rock, na esperança de que novos nomes do nível da Legião Urbana e do Barão Vermelho puxassem uma nova cena.

Na era da informação instantânea, as duas rádios foram muito lerdas para lançar uma nova cena, estando, respectivamente, há cerca de dois anos e há quase um ano. Em seis meses, a Fluminense FM, numa época sem Internet e de informação rápida mas longe de ser instantânea, já divulgava uma grande cena de Rock Brasil com apenas seis meses no ar.

As duas rádios enrolaram, lançando clones de Detonautas, Charlie Brown Jr. e CPM 22, ou, quando muito, imitações caricatas de O Rappa que não fazem sucesso algum, ou, então, tentam enganar "lançando" o Malta (na verdade, lançado pela Rede Globo), espécie de "emo metal" e amigo dos breganejos, e Aliados, um sub-Detonautas com clipe com o ator Caio Castro (aquele que não curte teatro e leitura de livros).

Mas agora a "nova grande banda" de Rock Brasil é comandada por ninguém menos que o funqueiro Mr. Catra. Sim, isso mesmo, "rock de funqueiro". Um caro preço para rádios comandadas por locutores engraçadinhos, com suas vozes afetadíssimas e sem qualquer vivência de cultura rock.

Mr. Catra e os Templários, esta é a banda, já gravou material, montou agenda de shows e diz que "o rock voltou". Aparentemente, não há algum anúncio que o grupo divulgará seu trabalho na Rádio Cidade ou na 89 FM, que, apesar de seus locutores "poperó" ou "putz-putz", querem passar a imagem de "rádios de rock sérias".

O funqueiro afirma que a banda é influenciada em metal e hardcore. Um de seus músicos apareceu até com a camiseta do Rage Against The Machine. "Acho que esse disco vai acabar com a brincadeirinha que virou o rock. Agora é porrada. Acabou o colorido. Acabou a matinê", disse Catra.

Na axé-music tivemos o exemplo de Netinho e Luiz Caldas tentando soar "mais rock". Ou Chitãozinho & Xororó e Zezé di Camargo & Luciano bajulando Raul Seixas (que sempre detestou essas bandas). Mas num contexto em que Mamonas Assassinas fundia rock e brega, dizer que a cultura rock no Brasil virou uma palhaçada é algo que somos obrigados a admitir.

Então tá. A cultura rock está hoje "representada", no rádio, por locutores debiloides que falam como se estivessem falando para fãs do One Direction. Musicalmente, quem serão os "representantes"? Thiaguinho, que recebeu Raimundos, Detonautas e CPM 22 e cantou até com eles? Victor & Léo, que prometem soar igualzinho ao Coldplay? E agora o Mr. Catra?

Que o Brasil virou um país surreal, isso é verdade. Mas o que se nota é que os "roqueirinhos" que há 15 anos pediam "morte aos funqueiros, breganejos e pagodeiros", agora estão vermelhos que nem tomate, já que hoje quem controla a "cultura rock" no rádio são radialistas de "poperó" ou vindos de rádios bregas, e quem lhe dá visibilidade são ídolos popularescos.

Depois nós vamos nas mídias sociais para dizer que a 89 FM e a Rádio Cidade são rádios "pop-rock" e o pessoal não gosta e fica irritadinho. Esse pessoal fica nervosinho quando a realidade dolorosa vai contra seus devaneios publicitários.

Mas eles têm que aguentar as consequências do que o mercado fez com a cultura rock. Mr. Catra é só um dos efeitos naturais dessas manobras todas. Cada mídia rock tem a cena que merece. Ou será que temos que fazer de conta que ainda virá um novo Renato Russo, só para agradar a criançada que defende a 89 e a Cidade nas redes sociais? Até quando esperar?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…