Pular para o conteúdo principal

NOS ANOS 90, RÁDIO BAIANO "TROCOU AS BOLAS"

RÁDIO BAIANO TROCOU OS LUGARES DE ADRIANA QUADROS E THIAGO MASTRIOIANI.

Quando começa-se a discutir o estilo de locução das chamadas "rádios rock" - a Rádio Cidade, no Rio de Janeiro, e a 89 FM, em São Paulo, usam e abusam do estilo "colorido" dos locutores animadinhos - , há 25 anos atrás o rádio baiano teve seus exemplos constrangedores.

Em Salvador, houve a rádio 96 FM (sua razão social é Rádio Aratu Ltda.), que entre 1989 e 1993 assumiu uma desastrada e despreparada experiência como "rádio rock", sem adotar as caraterísticas necessárias e adotando deslizes diversos na abordagem do gênero.

A rádio tinha estilo de locução parecido com o das rádios que tocavam axé-music, e estranhamente tinha programas de pop dançante, de música romântica e até oração de Ave-Maria, algo que não cabe bem em rádio de rock, até porque roqueiro quando quer ser religioso vai para a igreja de sua preferência.

Um dado que chamava a atenção no rádio baiano em 1990 é que dois locutores estavam praticamente em lugares trocados, e hoje são figuras conhecidas regionalmente na televisão em Salvador, a jornalista e apresentadora Adriana Quadros e o apresentador esportivo Thiago Mastroiani.

Adriana Quadros tem um estilo de locução próprio para rádios de rock, que dava a impressão de que ela teria feito algum teste para entrar na Rádio Fluminense FM e não passou por excesso de demanda. Mas ela, nos anos 90, trabalhava na emissora de brega-popularesco Itapoan FM (hoje uma rádio de aluguel para donos de blocos e para os "cartolas" do Esporte Clube Bahia).

Thiago Mastroiani era o principal astro da 96 FM. Ele chegava mesmo a co-apresentar programas de surf ou de rock alternativo, que não eram a sua praia, com aquele estilo de locutor pop que destoa do mais básico perfil de rádio de rock. Ele chegava mesmo a dar pitacos, dando a falsa impressão que entendia do assunto.

Os lugares eram trocados, porque o estilo animadinho de Thiago tinha muito mais a ver com a Itapoan FM, e Adriana Quadros, com seu estilo sóbrio e sua dicção simples e direta, cairia melhor numa rádio com proposta de assumir o segmento rock.

Só que nessa época o rádio baiano era tomado da mais explícita politicagem - ela continua forte, mas está mais sutil, apesar do poderio dos barões midiáticos Mário Kertèsz e o "ruralista" Marcos Medrado - e não havia preocupação de adaptar formatos para favorecer a audiência. Até porque Ibope, no rádio baiano, é na base do "pagou, levou", havendo até ouvintes de aluguel em portarias de prédios, botequins, táxis, lojas em shoppings e outros estabelecimentos.

Hoje Adriana Quadros e Thiago Mastroniani são figuras televisivas, e Thiago encontrou sua verdadeira "praia", o noticiário esportivo, estando há vários anos na TV Bahia, sendo até narrador esportivo (é dele o bordão "Tá...na rede!!!").

Todavia, o episódio dos lugares trocados é uma lição para os cariocas e paulistas que ainda não sabem o que é mesmo uma locução de rádio de rock, e aceita confortavelmente a locução poperó que domina quase toda a programação diária das "rádios rock", Depois querem falar mal dos músicos emo, sem ver o astral "colorido" das "matinês eletrônicas" dos "perdidos" e "balacobacos".

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…