Pular para o conteúdo principal

A AGONIA DE TEMER E A MOBILIZAÇÃO PELAS ELEIÇÕES DIRETAS

PROTESTO CONTRA O GOVERNO TEMER E EM DEFESA DAS DIRETAS, OCORRIDO ONTEM, EM SÃO PAULO, NO LARGO DA BATATA.

O presidente Michel Temer, mais uma vez, não pôde comemorar.

Festejou um "pibinho" que teve uma subida minúscula de 1% como se fosse o "fim da recessão".

Mas seu ex-assessor e "longa manus" (segundo denomina Rodrigo Janot), o ex-deputado federal Rodrigo da Rocha Loures, foi preso ontem e há risco de delação premiada.

Temer está sentindo o fim do seu caminho, embora ele mesmo manobrasse para permanecer no poder até 2018.

Aparentemente, Temer tem em mãos todos os meios disponíveis para evitar a cassação pelo Tribunal Superior Eleitoral, por causa de irregularidades de campanha da chapa com Dilma Rousseff em 2014.

O julgamento ocorrerá amanhã.

Entre os recursos de defesa, Temer tentará se desvincular de Dilma, afirmando que os dois tinham contas diferentes e, por isso, só a ex-presidenta seria punida por irregularidades.

Mas há uma pressão enorme para tirar Temer do poder, tanto da parte das forças progressistas quanto das reacionárias.

As Organizações Globo fazem uma campanha pelo "Fora Temer", mas de maneira bem tendenciosa.

A Globo quer protagonismo, na disputa com o Supremo Tribunal Federal, o Ministério Público e o Legislativo federal pela façanha histórica da mudança de governo.

A Globo quer eleições indiretas, e sinaliza sutilmente pela opção da ministra do STF, Carmen Lúcia para suceder Temer.

Mas ontem houve manifestações pela saída de Temer e sua sucessão decidida pelo voto popular.

É mais um evento pelas Diretas Já, desta vez em São Paulo, no Largo da Batata. Na semana anterior, foi no Rio de Janeiro.

No evento de ontem, nomes como Maria Gadu, Edgard Scandurra, Chico César, Mano Brown, Paulo Miklos e Wilson Simoninha foram os destaques.

Atores como Ailton Graça, Mônica Iozzi e Mel Lisboa, entidades de movimentos sociais e ativistas como Guilherme Boulos estavam também presentes.

Por ironia, Edgard Scandurra, guitarrista do Ira!, foi integrante do Ultraje a Rigor, banda que recentemente anda assumindo posturas reacionárias, sobretudo de parte do líder Roger Rocha Moreira.

Os protestos do Largo da Batata tiveram a presença estimada de 100 mil pessoas.

Mantiveram o mesmo sucesso da manifestação da semana anterior, no Rio de Janeiro.

E refletem o ocaso do governo Michel Temer, que parece estar cada vez mais isolado.

Semana passada, Temer se reuniu com o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, para pedir que o PSDB continue apoiando o presidente.

O gritante ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes Ferreira, afirmou a fidelidade do partido, dizendo que o PSDB "não é Madame Bovary para trair o governo".

Sabe-se que a personagem de Gustave Flaubert traiu o marido, na famosa obra do século XIX.

Aliás, o PSDB é mentor do governo Temer, que segue a pauta do derrotado Aécio Neves.

Por ironia, Aécio moveu ação na Justiça contra a chama Dilma-Temer, sabotou os bastidores políticos, contou com ajuda da mídia e da Operação Lava Jato e tornou-se mentor do governo Temer, assim que Dilma foi expulsa do poder.

No entanto, Aécio foi denunciado e afastado do mandato de senador e da presidência do PSDB.

Aparentemente, Aécio deixou de ser blindado pela grande mídia e pelo Judiciário.

Em nome do protagonismo, essas duas entidades querem dar a impressão de imparcialidade, afastando as acusações de "tratamento seletivo".

Mas isso é só para fechar o caminho de Lula para 2018 com "mais transparência".

Por ora, no entanto, o que se observa é que novas denúncias poderão envolver Temer em mais encrencas.

Ele pode sofrer impeachment e sua agonia política está aumentando cada vez mais.

Embora Temer diga que continua no poder, há um clima explícito de fim de governo.

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, já deve se preparar para ser o presidente em exercício, diante da crise que o titular sofre.

Maia apoia Temer, mas sabe que o mandato dele está naufragando. E o deputado fluminense, querendo protagonismo, ele defende as eleições indiretas.

O jeito é esperar terça-feira chegar e ver o que vai acontecer.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…