Pular para o conteúdo principal

JULGAMENTO DA CHAPA DILMA-TEMER PODE ENCERRAR HOJE

MICHEL TEMER TEM POSSIBILIDADE DE PERDER O MANDATO.

O terceiro dia do julgamento da chapa Dilma-Temer, vitoriosa na campanha presidencial de 2014, no Tribunal Superior Eleitoral foi menos espetacularizado que ontem.

A ênfase foi nas discussões sobre a consideração das delações da Odebrecht e do casal de publicitários João Santana e Mônica Moura.

O TSE consentiu que novas provas do esquema de propina a que foi acusada a chapa foram incluídas no processo.

O relator do processo, Herman Benjamin, disse que a chapa teria recebido propina oriunda de contratos de empreiteiras com a Petrobras, inseridas como doações oficiais de campanha junto a doações legais.

Com isso, Herman afirmou que a chapa teria cometido abuso do poder econômico.

Mas o relator admitiu que essa prática não foi exclusiva da chapa alvo do processo.

O que se destaca nessas análises é que Temer está com o mandato em risco.

A única coisa que ele anda fazendo é tentar salvar seu mandato.

Houve denúncia de que ele e sua família (leia-se Marcela e Michelzinho) usaram jato oferecido pela JBS.

Fora do julgamento da campanha de 2014, duas delações sobre o governo Temer podem comprometer ainda mais o temeroso governante.

Rocha Loures, ex-assessor de Temer, e Lúcio Funaro, ex-doleiro, têm suas delações cogitadas pela Operação Lava Jato.

Temer pode recorrer da cassação, mas também tem possíveis protegidos que poderão votar a seu favor.

Ele nomeou Tarcísio Vieira e Admar Gonzaga para serem ministros do TSE.

Gilmar Mendes havia se relacionado amistosamente com o presidente. Certa vez, o ministro do Supremo Tribunal Federal e hoje presidente do TSE, havia jantado com Temer numa noite de sábado.

Mendes arrumou a desculpa que era uma reunião de trabalho. Numa noite de sábado? Difícil acreditar.

São potencialmente três votos que salvariam Temer da cassação.

Herman Benjamin anunciou ontem que votará hoje pela cassação.

Os votos tendem a ser declarados hoje e o julgamento pode se encerrar nesta sexta-feira.

O mandato de Temer ainda não está totalmente no fim, mas o presidente se esgota a cada dia.

E domingo haverá mais uma manifestação contra o presidente e a favor da proposta de eleições diretas para sucedê-lo.

Será em Salvador, no Farol da Barra.

Novos capítulos ainda estão por vir nesse confuso drama político. House of Cards, seriado do Netflix, parece fichinha.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…