Pular para o conteúdo principal

PSDB CONTINUA APOIANDO TEMER, MAS SOB CONDIÇÕES


O PSDB decidiu, na noite de ontem, manter seu apoio ao governo Temer.

Portanto, continua fazendo dobradinha com o PMDB no comando desse governo plutocrata.

Os ministros tucanos do governo Temer permanecem no governo, como Aloysio Nunes, das Relações Exteriores e o ex-prefeito de Salvador, Antônio Imbassahy, na Secretaria de Governo.

Apesar das divergências, os tucanos se reuniram em clima de confraternização.

O discurso adotado era que o partido deveria "trabalhar pelo Brasil".

A reunião contou com vários astros do partido, como José Serra, Geraldo Alckmin e o prefeito de São Paulo, João Dória Jr..

O senador mineiro Antônio Anastasia e os governadores Marconi Perillo, de Goiás, Simão Jatene, do Pará e Beto Richa, do Paraná, também estavam lá.

Todos os ministros tucanos de Temer estavam lá: Aloísio, Imbassahy, Bruno Araújo, das Cidades, e Luislinda Valois, ministra dos Direitos Humanos.

Fernando Henrique Cardoso e o senador afastado Aécio Neves estavam ausentes.

A pauta da reunião era motivada pelas denúncias contra Michel Temer por crimes de corrupção, organização criminosa e obstrução de Justiça.

O senador capixaba Ricardo Ferraço, relator da reforma trabalhista, começou defendendo o desembarque do partido, diante das denúncias graves contra Temer.

Mas o debate fluiu para que houvesse um consenso entre os tucanos, numa reunião em que se cogitava não fechar uma posição sobre o temeroso governo.

Com a posição de se manter aliado, o presidente nacional do partido, o cearense Tasso Jereissati, enviou comunicado oficial pedindo aos ministros que permaneçam no governo Temer.

O apoio foi decidido num acordo, mas sob condições.

Se houver mais denúncias contra Temer, nova reunião será feita para rever a posição dos tucanos como aliados do governo.

Se o PSDB deixar a base aliada, o governo Temer se torna praticamente acéfalo, porque o partido tucano estabeleceu as diretrizes políticas do atual presidente.

Mas a saída representaria também o agravamento do isolamento político de Temer.

Quando a crise é com os plutocratas políticos, há um máximo de cautela, coisa que não houve com Dilma Rousseff, expulsa do poder na base do empurra jurídico-legislativo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…