Pular para o conteúdo principal

O "PERSONALISMO" DA APARELHADA GLOBO NEWS


Nos últimos dias, a Globo News, hoje ideologicamente aparelhada, veicula campanhas de seus programas com alto grau de personalização de seus apresentadores e comentaristas.

Não se trata apenas de apresentar o apresentador, o que seria natural, mas enfatizá-lo como se ele fosse mais importante que a notícia.

Algumas campanhas envolvem programas com William Waack, Cristiana Lobo e tem até o Jornal das Dez.

Essas campanhas enfatizam nomes como Waack, Cristiana, Merval Pereira, Alexandre Garcia e outros como "formadores de opinião".

Não gosto muito dessa glamourização do jornalista.

Essa heroificação, essa imagem do comentarista que personifica a "análise dos fatos", a "informação aprofundada" etc.

Isso até existe no exterior, se vê na CNN, mas é bem mais sutil e discreto.

Na BBC matriz, mais discreto ainda.

Mas no Brasil, há aquela mística do jornalista que "combateu a censura da ditadura militar" que prevaleceu até uns quinze anos após a redemocratização.

Essa imagem empurrou até a inserção de rádios jornalísticas em FM, e não em AM (faixa de sintonia sabotada pelos barões da mídia), desalojando até rádios autênticas de rock.

Ela também alimentou o bonapartismo eletrônico da Rádio Metrópole FM, de Salvador, e seu astro-rei, Mário Kertèsz.

É aquele mito do jornalista que parece ser o "senhor da opinião", um pretenso "sábio em miniatura", que se julga acima da opinião.

Não gosto dessa imagem do jornalista que se coloca acima das notícias, como se segurasse o mundo com as mãos.

Esse mito aumentou demais o poder dos jornalistas na sociedade e permitiu a supremacia que hoje se vê na grande mídia.

E escondeu as relações hierárquicas que têm os chefes de redação, os articulistas e os repórteres.

Geralmente o repórter trabalha e os louros vão para o redator-chefe, que se autoproclama o "batalhador da notícia".

Muita mitologia foi feita, colocando o jornalista como acima da sociedade, sob a desculpa de ser um "simples representante" da mesma.

Tudo virou um "imprensocentrismo", no qual informação era confundida com conhecimento.

Felizmente, os próprios abusos da grande imprensa nos últimos quinze anos permitiram que se questionasse esse mito que parecia inabalável.

Apesar de eu ser jornalista, com registro profissional e diploma, nunca coloquei o jornalismo como a medida de todas as coisas.

Às vezes, preferia ver um desenho animado do que um noticiário.

Em outras, via um noticiário mais pela beleza da apresentadora.

É chato ficar ouvindo noticiário o tempo todo, ainda mais que, com a agenda setting, que é o hit-parade da notícia, diferentes veículos acabam noticiando a mesma coisa.

Pode parecer politicamente incorreto um jornalista formado não ser fanático por noticiários.

Mas a vida funciona assim, mesmo. Ninguém vive para ficar só ouvindo notícia.

E ainda tem a overdose de informação, fenômeno nunca devidamente analisado no Brasil e que é uma grande armadilha social.

Na overdose de informação, a pessoa tem a falsa impressão de estar bem informada, mas a sobrecarga de informações provoca o emburrecimento e a alienação, além de uma certa submissão ao "âncora" de ocasião.

Ainda mais quando a mídia se torna bastante reacionária, facciosa e tendenciosa.

Como a Globo News, aparelhada nos últimos dois anos e agora vendendo o personalismo de seus ideológicos âncoras e comentaristas como se fosse a "melhor expressão da opinião pública".

Diante disso, é preferível arejar a mente e, de vez em quando, ficar longe dos noticiários.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…