Pular para o conteúdo principal

EMPRESARIADO QUER NOME DO JUDICIÁRIO NA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA


Segundo informou o noticiário político do jornal carioca O Dia, um poderoso grupo composto pelos maiores empresários do país quer um nome do Judiciário na Presidência da República.

O grupo, constituído de industriais e banqueiros mas também com alguns executivos de mídia, se reuniu em São Paulo para esta finalidade.

Eles apostam na queda de Michel Temer e na substituição de um nome que tenha boas relações no meio político e nas altas cortes do Judiciário.

A princípio, cogitam o nome da ministra Carmen Lúcia, a presidente do Supremo Tribunal Federal.

Mas ela diz que pretende terminar a carreira no Judiciário.

Há a opção de Joaquim Barbosa, que se colocou à disposição, embora a questão não havia sido fechada.

Há também a opção de Eliana Calmon, magistrada baiana, primeira mulher a compor o Superior Tribunal de Justiça e que tentou uma vaga no Senado Federal em 2014, não conseguindo vitória.

A lógica do empresariado é experimentar alguém ligado ao Judiciário para governar o Executivo federal.

A República brasileira teve vários experimentos na Presidência da República.

Um político emergente relativamente jovem (Collor), um sociólogo e acadêmico (Fernando Henrique Cardoso) e um ex-operário (Lula).

Quanto a este último, infelizmente há uma campanha para barrá-lo da corrida eleitoral de 2018.

As delações de Joesley Batista, recentemente divulgadas, têm como alvo principal o presidente Michel Temer.

Mas Temer também comprou a briga e ele entra em processo, esta semana, contra o empresário da JBS. Serão ações civil e penal, incluindo indenização financeira ao presidente.

O ponto controverso é quando Joesley Batista cita que o PT "institucionalizou a corrupção".

Algumas fontes dizem que Joesley foi duro demais com Temer e leve demais com o PT.

Mas Joesley acusou o ex-ministro da Fazenda do governo Lula, Guido Mantega, de intermediar contatos da JBS com o então governo.

Joesley disse que o PT "criou um modelo de corrupção" que foi "reproduzido por outros partidos".

"Houve essa criação de núcleos, com divisão de tarefas entre os integrantes, em Estados, ministérios, fundos de pensão, bancos, BNDES. O resultado é que hoje o Estado brasileiro está dominado por organizações criminosas", declarou o empresário.

Estamos próximos do fim do prazo para alegações finais sobre o caso Lula na Operação Lava Jato.

O juiz Sérgio Moro, a não ser que algum imprevisto ocorra, dará a sentença final nesse dia.

Ao que tudo indica, a plutocracia arrumará um jeito para tirar Lula da corrida de 2018.

É uma manobra que, sabemos, tem o apoio até do Departamento de Estado dos EUA.

Desde 2016, as elites pressionam para que um representante delas governe o Executivo federal.

Podem até mesmo empurrar eleições indiretas, e será preciso mais pressão popular para reverter isso.

E o membro do Judiciário é o fator novidade que as elites vão defender e lutar para vencer.

Infelizmente, eles têm todo o dinheiro para defender suas causas.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…