Pular para o conteúdo principal

RIO DE JANEIRO MAQUIOU DADOS SOBRE VIOLÊNCIA DEVIDO À RIO 2016

PAIS DO MENINO EDUARDO DE JESUS, UM DOS MORTOS DA VIOLÊNCIA QUE ATINGE A POPULAÇÃO DO RIO DE JANEIRO.

O episódio, embora trágico, bem que poderia fazer parte do FEBEAPÁ, Festival de Besteiras que Assola o País, de Sérgio Porto (sob o pseudônimo Stanislaw Ponte Preta).

A cidade do Rio de Janeiro vive uma onda preocupante de violência.

Toda semana tem ocorrências diversas de pessoas mortas por diversos motivos, mas sempre relacionados de uma forma ou de outra à criminalidade.

Não raro crianças e adolescentes têm vidas ceifadas nas comunidades cariocas.

Como o menino Eduardo de Jesus, morto aos 10 anos em meio a um tiroteio no Complexo do Alemão.

A violência se concentra nos complexos do Alemão e Maré, e no entorno da Linha Vermelha, mas ela também ocorre, e muito, em Jacarepaguá, Copacabana, Madureira, Bangu, Pavuna, Zona Portuária etc.

E várias ocorrências são realizadas à luz do dia e diante de muito movimento de pessoas.

Apesar disso, o Rio de Janeiro, cuja violência aflige o mundo, nem de longe está nas listas das cidades mais violentas do Brasil.

ENQUANTO MUITOS CARIOCAS E ATÉ TURISTAS MORRIAM PELA VIOLÊNCIA, EDUARDO PAES E SÉRGIO CABRAL FILHO FAZIAM O RIO DE JANEIRO ESTAR EM COLOCAÇÕES BAIXAS ENTRE AS CAPITAIS BRASILEIRAS MAIS VIOLENTAS. TUDO PELA RIO 2016.

O dia a dia violento mostra que o Rio de Janeiro é a capital mais perigosa do Brasil.

Mas, nos dados estatísticos, a cidade aparece em 23º lugar.

A coisa só não rende risadas porque se referem a dados trágicos.

Há um forte indício de maquiagem de dados que põem a violenta cidade do Rio de Janeiro entre as capitais "menos violentas" do país.

Dois dados têm que ser levados em conta.

Um é que o Rio de Janeiro estava sendo governado pelo grupo político de Eduardo Paes e Sérgio Cabral Filho, que agiu marcado por intenso esquema de corrupção.

Outro é a pressão da onda ultraconservadora que assola o Brasil,

Há uma campanha da plutocracia contra os nordestinos, pois o Nordeste, berço do ex-presidente Lula, estava começando a superar a inferiorização social marcada por anos de coronelismo.

Por isso há uma "ênfase" na violência ocorrida em capitais nordestinas, usando até mesmo critérios confusos.

Em Aracaju, considerada uma das capitais mais tranquilas do país, mas "quinta" no ranquim da violência, duas manobras são feitas.

Acidentes de bicicleta e casos de intoxicação alimentar, ou pequenos acidentes de trabalho como machucar o dedo enquanto prega um quadro na parede, "anabolizam" os índices de violência na Grande Aracaju.

Soma-se isso à atribuição de ocorrências pontuais em várias cidades da Grande Aracaju, como São Cristóvão e Nossa Senhora do Socorro, que no entanto são atribuídas à capital sergipana.

Outro critério a ser observado é se a violência pode mesmo ser creditada à divulgação de boletins de ocorrência.

Em Lauro de Freitas, imagina-se haver maior facilidade de registrar ocorrências criminais do que no Rio de Janeiro.

A divulgação de ocorrências criminais não faz uma cidade em si ser violenta.

De repente, os crimes acontecem, são fartamente denunciados e em boa parte resolvidos.

Pior é o Rio de Janeiro, em que a violência ocorre e muitos crimes nem chegam a resultar nos chamados B.O. (boletins de ocorrência).

E, além disso, outro propósito da maquiagem dos dados da turma de Eduardo Paes são os interesses turísticos em prol da Rio 2016.

A "redução" de homicídios e outros crimes na ex-Cidade Maravilhosa foi um artifício para não fazer intimidar a chegada de turistas à cidade, durante os Jogos Olímpicos de 2016.

O problema, porém, é que, no raciocínio de Paes e companhia, os turistas não podem ter medo de visitar o Rio de Janeiro, mas podem ser assassinados de repente numa rua da cidade.

A situação está tão surreal que o jornalismo da Globo e outros veículos da grande imprensa iniciarão coberturas sobre as tragédias no Complexo do Alemão.

O Rio de Janeiro vive uma violência que causa medo e surpreende, negativamente, o resto do mundo.

Só precisa ser devidamente registrada nos dados estatísticos sobre a violência.

Triste saber que os mortos do Rio não servem sequer para serem meros números estatísticos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…