Pular para o conteúdo principal

TSE SALVA A PELE DO TEMEROSO MICHEL


O Brasil teve um desfecho um tanto triste.

O presidente mais impopular da história do país, Michel Temer, obteve mais uma vitória ao se ver poupado pelo Tribunal Superior Eleitoral, que absolveu a chapa Dilma-Temer.

A chapa era acusada de irregularidades na campanha de 2014, como abuso de poder econômico.

É certo que Dilma Rousseff também foi absolvida, mas foi um dado tendencioso e inócuo, pois ela está fora do poder desde maio passado, e, de forma definitiva, desde o fim de agosto último.

A intenção era inocentar Temer, evitando mais uma cassação.

Mas, mesmo que ele fosse cassado, teria entrado com recursos.

Temer virou um grande "mala" para a população, e com certeza confirmou minhas previsões em 2010.

O temeroso governante não seria um novo Juscelino Kubitschek.

Naquela época, mesmo as esquerdas estavam mais crédulas e ainda não viam a jovem (e bota jovem nisso) esposa de Temer, Marcela, como a "bela, recatada e do lar".

Ela ainda simbolizava um estranho e inexplicado "feminismo" enquanto o marido mais velho (e bota velho nisso) era visto como um "grande estadista" apenas pela sombra da esposa.

Felizmente essa visão foi superada e o que se vê hoje é um político conservador, cujo projeto político é um coquetel que mistura o pior de Jânio Quadros e dos generais Castelo Branco e Ernesto Geisel.

É certo que o julgamento do Tribunal Superior Eleitoral era mais um simulacro, uma sequência de "equações jurídico-legislativas" que já surgiram de uma operação errada.

Essa operação foi expulsar uma presidenta eleita por boatos muito mal explicados.

E aí vimos o quanto os interesses são mesquinhos, pois para cassar Dilma e deixá-la fora do governo se empenhava para puni-la com muito rigor.

Agora, quando é o retrógrado Temer que está no comando, há um processo mais generoso e poupá-lo. Absolver Dilma, neste caso, foi como acariciar um cachorro morto.

Os ministros do TSE votaram da seguinte forma.

A favor da cassação da chapa votaram o relator, Herman Benjamin e os colegas Rosa Weber e Luís Fux.

Já contra a cassação, votaram quatro: Napoleão Nunes Maia, Tarcísio Vieira, Admar Gonzaga e o presidente do TSE, o nosso conhecido showman Gilmar Mendes.

Tarcísio e Admar já foram nomeados por Temer para "engrossar" os votos. O próprio Temer arrumou sua absolvição nessa trama.

Gilmar Mendes, nem se fala. Sob a desculpa de falar sobre trabalho, os dois jantaram numa noite de sábado, fora outros encontros de típicos BFFs (sigla que, traduzida, quer dizer "eternos melhores amigos").

A vitória de Temer, no entanto, é vitória de Pirro, como teve que admitir Ricardo Noblat, que não é lá um jornalista progressista, mas anda agora se posicionando contra Temer.

Vitória de Pirro é aquela vitória obtida com altíssimo custo, mas que trará prejuízos incalculáveis.

Temer ainda é alvo de denúncias graves, e é acusado de corrupção ativa e até obstrução de justiça.

A acusação recente está por conta das transações com a JBS, de Joesley Batista, que forneceu até jato particular para viagens do presidente e sua família.

Diante dessa ciranda política, houve, na Bacia de Campos, a explosão de um navio de petróleo que deixou um funcionário morto.

Foi com o navio sonda NS-32 (Norbe VIII), na área conhecida como Campo de Marlim.

A Bacia de Campos teve uma tragédia famosa, a da plataforma da Petrobras, P-36, que matou onze trabalhadores e desgastou o governo Fernando Henrique Cardoso, que apoia o governo Temer.

No acidente recente, o navio prestava serviços à Odebrecht, e, além do funcionário morto, pelo menos outros dois ficaram em estado grave.

O morto era técnico em inspeções e calibração da empresa prestadora de serviços IMI (Instituto de Metrologia Industrial Ltda) e tinha apenas 28 anos.

Mas não é necessário um acidente destes para desgastar o já agonizante governo Temer.

O presidente já está isolado, apoiado apenas pelos seus aliados mais próximos, mas sem qualquer legitimidade popular.

Michel Temer pode, por enquanto, dormir tranquilo e saborear a pizza fornecida pelo TSE e pelo amigo Gilmar Mendes, que, oportunista, alegou que "não se pode substituir presidente a qualquer hora".

Mas os protestos contra Temer aumentarão e é possível que novas surpresas contribuem para o desfecho final.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…