Pular para o conteúdo principal

MPB AINDA NÃO TEM SITUAÇÃO RESOLVIDA NO RÁDIO FM DO RJ

A ALPHA FM ENTROU NOS 94,9 MHZ DO RJ. BAND NEWS PERMANECE NOS 90,3.

A Música Popular Brasileira não resolveu sua situação no dial FM do Rio de Janeiro, depois do fim da MPB FM.

A MPB, no rádio, só tem, quando muito, poucos programas esparsos e uma divulgação parcial nas rádios de pop adulto, divididas com sucessos estrangeiros.

O que se observa é apenas o aumento de FMs de pop adulto, das quais a Antena Um tem um repertório mais criativo.

A entrada da Alpha FM reforça o filão, agora que entrou nos 94,9 mhz, já que a Band News Fluminense foi para os 90,3 da antiga MPB FM.

Mas nada impede que a MPB deixe de aparecer mesmo na Band News.

Bacana seria, no programa do Ricardo Boechat, sair de um bloco de notícias e entrar no intervalo comercial com um bom jingle como um que o Bradesco fez recentemente, com arranjo MPB.

Basta os anunciantes tiverem visão e pensarem mais em vender seus produtos do que em ganhar prêmio de Publicidade e Propaganda.

É só compor mais jingles e botar bons músicos e bons cantores que não tenham voz de personagem de desenho animado, como se costuma colocar nas piores canções de propaganda.

Quem assobiar um jingle tem mais chance de comprar o produto, porque ele pega mais no ouvinte de rádio pela música do que por aqueles diálogos que ninguém aguenta.

Clínicas de saúde, por exemplo, deveriam fazer mais jingles do que insistir naquele papo de "atendimento personalizado e humanizado" que qualquer clínica de fundo de quintal promete.

Entre um noticiário da CBN ou Band News, os anúncios publicitários falados se perdem no ar, porque o público acabou de ouvir aquela notícia ou aquele comentário tal.

Aí não vai saber se é a Clínica Santa Bolonhesa ou a Clínica São Maçarico por causa daquela mesma locução de leitor de bula que predomina nesses comerciais.

Como também não vai saber se o enésimo diálogo da mocinha com o rapagão corresponde ao Disque Pizza ou ao SOS Vida.

Com os jingles, os produtos, carregados por boas melodias, entram melhor nos ouvidos de quem "descansa" de uma notícia durante cinco minutos.

Você não se lembra daquele comercial falado que rolou na Band News FM em 2005. Mas se lembra que os Mutantes fizeram de sua canção "Algo Mais" um jingle da Shell, em 1969.

Daí uma boa cena de música brasileira que pode nascer nos comerciais de rádios all news ou de "rádios AM" em FM.

Até os programas de comunicadores podem também tocar MPB, sem aquele vínculo forçado dos brega-popularescos de plantão, sempre ávidos a parasitar um emepebista.

E tocar MPB na íntegra, sem locutor falando em cima na introdução nem a canção sendo cortada no meio.

Se o programa do comunicador tocar "O Bêbado e o Equilibrista", sucesso de Elis Regina, tem que esperar o som final do acordeão desaparecer no fade out.

Com todo o carisma do comunicador, ele falando em cima das músicas é um acinte ao ouvinte que já se acostuma a ouvir canções inteiras nos canais do YouTube.

Na falta de um espaço exclusivo de MPB, as rádios precisam se mexer, num contexto em que até as transmissões de partidas de futebol estão mais "musicais".

Já deve ter banda ensaiando fazendo acompanhamento instrumental com locutor esportivo. E não é com vuvuzela, mas pegando na bateria, no baixo, numa guitarra mais soul. Se ainda não tem, vai ter.

Quantos sucessores de O Rappa, hoje com atividades encerradas, não poderiam haver por trás de rapazes tocando um som ritmado junto a uma transmissão de futebol pelo rádio?

O hip hop surgiu em experiências próximas disso, misturando o funk autêntico com locutores que pareciam imitar uma narração de turfe.

A música brasileira, seja a "mais pura", o Rock Brasil e adaptações autênticas de ritmos estrangeiros, deveria aumentar o espaço nas rádios.

Até as FMs de pop adulto deveriam aumentar a divulgação de MPB e começar a ousar no repertório, saindo dos sucessos de trilhas de novelas.

Deveriam tocar, de cada dez músicas, seis de música brasileira, arriscando a tocar canções e artistas menos conhecidos.

É a alma do negócio: se a rádio toca um artista menos conhecido, ele se torna mais conhecido.

Falta criatividade no rádio FM, que desde os anos 90 começou a perder a sintonia com os ouvintes, em prol de um comercialismo desenfreado.

Que possam aparecer nas FMs adultas nomes como Egberto Gismonti, Diana Pequeno, Azymuth.

Ninguém perde arriscando a tocar canções assim. Quebra a rotina, o diretor artístico sente um frio no peito, mas no fim o resultado sempre sairá positivo, pela ruptura do óbvio.

Estas soluções são mais viáveis e prósperas do que pretensas rádios rock que só "melhoram" conforme as conveniências ou FMs brega-popularescas promovendo "aventuras" de seus ídolos às custas de covers ou duetos de MPB.

Mais jingles, mais ritmo, mais sons viscerais, mais músicas que não fazem sucesso nem estão nas trilhas sonoras de novelas da Rede Globo.

O rádio FM precisa ouvir mais os ouvintes e deixar de ser os feudos de seus gerentes artísticos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

O CAMINHO QUE DERRUBOU UM MEMBRO DA ABL PARA MERVAL PEREIRA NELA ENTRAR

HUMBERTO DE CAMPOS, O ESCRITOR USURPADO POR OBRAS FAKE E MERVAL PEREIRA, O JORNALISTA FAKE QUE ENTROU NA ACADEMIA BRASILEIRA DE LETRAS.

O Brasil é um país doente.

Acha que está assumindo uma postura nobre ao abrir mão de seus próprios tesouros e a aceitar óbitos, em boa parte prematuros, de nossos grandes gênios.

Mas se apega, de maneira febril e psicótica, aos entulhos materiais e humanos, e se ofendem quando dissemos que até nossos facínoras e assassinos também adoecem e morrem.

O país é tão doente que, não raro, trai a coerência e a justiça social para criar uma "realidade oficial" ao sabor das conveniências e interesses de uns poucos privilegiados e arrivistas.

E isso envolve muita coisa. A literatura, por exemplo.

Vemos o caso surreal, típico de comédia de Luís Buñuel, do escritor maranhense Humberto de Campos.

O autor se situa no intervalo entre a geração do fim do século XIX, de Machado de Assis e Joaquim Nabuco, e a geração de 1945, de Carlos Drummond de Andrade e Fe…

ADMIRAÇÃO DE CANTOR DO ARCTIC MONKEYS POR LÔ BORGES ENVERGONHA FMS DE POP ADULTO

O SOL ENTROU NA CABEÇA DE ALEX TURNER (E), DOS ARCTIC MONKEYS, PELA MÚSICA DE LÔ BORGES.

Depois do fim da MPB FM, rádio dedicada à música brasileira no Rio de Janeiro, as FMs de pop adulto acabaram comendo poeira nos últimos dias.

Isso porque, quando divulgou o lançamento do sexto álbum dos Arctic Monkeys, o vocalista e guitarrista da banda britânica, Alex Turner, manifestou ter sido influenciado por ninguém menos que o cantor mineiro Lô Borges.

O novo álbum, intitulado Tranquility Base Hotel & Casino, teve uma lista de influências, pelo menos de parte do vocalista e principal compositor, divulgadas pela revista Mojo.

A lista já embaralha o público brasileiro médio, mesmo o de rock, que bovinamente deve ficar assustado por não conter aqueles "sucessos" e "ídolos" que eles estão acostumados a curtir.

SEM HITS FÁCEIS - Lista de músicas ouvidas por Alex Turner confundiriam as mentes do público médio que costuma ouvir música no Brasil.

Mesmo quando aparece um Rollin…

CAMISA DA CBF GEROU TRAUMA NA POPULAÇÃO

NEYMAR APOIANDO AÉCIO NEVES, MANIFESTOCHES APOIANDO O IMPEACHMENT SOB O COMANDO DE EDUARDO CUNHA, E FASCISTAS USANDO CAMISETAS DA CBF.

Nada como um dia atrás do outro.

Diz o ditado popular: "um dia é da caça, outro do caçador". Mas, no contexto em que vivemos, a ordem deve ser invertida.

Desde que os valentões da Internet fizeram patrulha pelo "estabelecido", puxando para si o "efeito manada" dos chamados "inocentes úteis" (que pegavam carona no suposto carisma do agressor e faziam coro em atos de valentonismo), muita coisa ocorreu no Brasil.

Da simples defesa de gírias próprias da mídia venal (como "balada", patenteada pelo consórcio Rede Globo / Jovem Pan) ao recente clamor da intervenção militar, os valentões das redes sociais vivem acumulando "vitórias de Pirro" aqui e ali.

Se expõem demais com mensagens agressivas, ofensas, ameaças, blogues caluniosos, ataques em massa. E quem "está dentro" também paga caro pel…

MARJORIE ESTIANO, CLÁUDIA LEITTE E O "TRIBUNAL DA INTERNET"

"Você não é obrigado a gostar, mas tem que gostar", diz o estranho artigo primeiro da "Constituição" das mídias sociais, motivada pela tirania do valentonismo digital (cyberbullying).

É isso que fez o pessoal reagir à indiferença da atriz e cantora paranaense Marjorie Estiano quando a também cantora Cláudia Leitte foi se apresentar no programa Altas Horas de ontem.

Marjorie - que teve um texto dedicado a ela no meu livro O Mundo Não Quer Ler - e Cláudia eram convidadas do mesmo programa apresentado pelo sempre jovial Serginho Groisman.

De repente, quando Cláudia Leitte, que é ídolo da axé-music, se apresentou, Marjorie, que é da área da MPB e do Rock Brasil, simplesmente não dançou.

Isso causou uma revolta nas redes sociais, que condenaram a atitude de Marjorie, por não terem gostado da atitude da atriz e cantora.

Com base nas mensagens veiculadas, ficou uma certa tirania dos internautas de que Marjorie deveria ficar dançando, de preferência com as mãos para cima …

ASSUSTADO, MICHEL TEMER LIGA PARA FAUSTÃO PARA DAR EXPLICAÇÕES

FAUSTO SILVA LEMBROU DOS TEMPOS EM QUE ENTREVISTOU MICHEL TEMER NOS ANOS 80.

O comentário de Fausto Silva, no Domingão do Faustão da Rede Globo, contra o governo Michel Temer, foi sem dúvida alguma tendencioso.

Foi muito longe de ser um progressista.

Não dava para o intelectual "bacana", que sonha com o folclore brasileiro de amanhã montado com as breguices que rolam nos palcos do Domingão, "guevarizar" o comentário do apresentador dominical.

Farofafeiros "guevarizaram" a novela Os Dez Mandamentos, da Rede Record, só porque tiraram a Rede Globo da liderança da audiência.

Deram um tiro no pé.

Os donos da Rede Record fazem parte da "bancada da Bíblia" que ultimamente está relacionada à derrubada do governo Dilma Rousseff e ao estabelecimento de agendas retrógradas para o país no Congresso Nacional.

Uma dessas agendas é a ultradecadente Escola Sem Partido, que proibirá tanto o debate da realidade quanto a interferência em mitos religiosos.

Os farof…

A PRISÃO "DIFERENCIADA" DE EDUARDO AZEREDO

EDUARDO AZEREDO SE ENTREGANDO À POLÍCIA EM BELO HORIZONTE, HORAS DEPOIS DE SER DECLARADO FORAGIDO MEDIANTE ORDEM DE PRISÃO.

Hoje o ex-governador de Minas Gerais, o tucano Eduardo Azeredo, se entregou à polícia.

Antes de chegar à Academia de Bombeiros Militar (ABM), na Rua Piauí, bairro Funcionários, Centro-Sul de Belo Horizonte, Azeredo fez exame de corpo de delito no Instituto Médico Legal.

A prisão foi mais tranquila. Afinal, segundo Bolivar Lamounier, Eduardo Azeredo é tranquilo, ele não representa ameaça, apesar de ter pensado em censurar a Internet. Mas como é um tucano...

Sabe-se que Eduardo Azeredo é réu do esquema de corrupção do mensalão tucano, já que políticos do PSDB já se envolveram com o esquema do publicitário mineiro Marcos Valério antes do Partido dos Trabalhadores levar a fama por supostas acusações.

Eduardo Azeredo terá um tratamento privilegiado, estará preso próximo à sua casa e, para ser levado à prisão, foi dispensado de usar algemas.

Até aí, nada demais. Só que…

O FRACASSO COXINHA SIMBOLIZADO PELAS CAMISETAS DA CBF

Este é um Brasil muito, muito estranho.

Um Brasil em que valentões da Internet fazem cyberbullying para impor a "sua verdade".

Um país onde políticos conservadores envolvidos em comprovada corrupção nem sequer precisam cogitar sobre a vida atrás das grades, porque a prisão lhes é uma possibilidade nula.

Um Brasil cujas obras psicografake de certa religião espiritualista são consideradas "autênticas" porque contém frases piegas como "sejamos irmãos" e "busquemos a paz".

Um Brasil cuja parcela de machistas que fuma demais, usa drogas ou remédios e, só porque mataram suas próprias mulheres e saíram impunes, não podem sequer morrer das doenças que produzem, como câncer ou infarto.

Um Brasil em que se acredita tolamente que um sistema de ônibus vai melhorar com ônibus de pintura igualzinha exibindo logotipos de prefeitura, secretarias de Estado, consórcios etc.

Um Brasil em que a emancipação feminina é condicionada pelo machismo, de forma que as mul…

DITADURA MILITAR SEMPRE FOI MARCADA POR TORTURA E CORRUPÇÃO

TANQUE SE POSICIONA, NO RIO DE JANEIRO, DURANTE O GOLPE MILITAR DE 1964.

Infeliz daquele que quer a volta da ditadura militar, ainda que sob o eufemismo de "intervenção".

Há, lamentavelmente, muita gente assim. Mesmo pobre.

O discurso é sempre o mesmo: "com um militar do poder, o Brasil vai ter ordem e a gente vai receber salários dignos, não essa ladroagem que está aí mamando do Estado".

Tem gente que prega isso e puxa um efeito manada. Pessoal apoiando, sempre com aqueles bordões: "Tem que varrer essa sujeira que está no Congresso", "Tem que privatizar tudo, do jeito que está é um mar de lama" etc.

Além disso, há a novidade surreal de que uma parcela da sociedade já defende a queda dos salários dos trabalhadores, a perda de direitos trabalhistas etc.

Pelo menos isso eu não vi no tempo da ditadura militar.

Eu, criança e diante da mídia censurada, poderia estar desinformado de 99% do que acontecia no Brasil, mas creio que tal aberração não iria …