Pular para o conteúdo principal

A GROSSERIA DE DANILO GENTILI

O APRESENTADOR DANILO GENTILI RASGANDO UMA NOTIFICAÇÃO ENVIADA PELA DEPUTADA MARIA DO ROSÁRIO, QUE TEVE UMA FILHA OFENDIDA POR ELE.

A extrema-direita viveu seus doze meses de triunfo depois que Dilma Rousseff saiu do poder.

Os sociopatas da Internet acharam que podiam fazer o que quiserem, despejando preconceitos sociais graves e se julgando imunes à qualquer condenação judicial.

Confundindo liberdade de expressão com calúnia e senso de humor com difamação, achavam que poderiam fazer ofensas pesadas que nada aconteceria com eles.

Pior: iludidos com o fã-clube interno nas mídias sociais, os líderes da sociopatia crônica se achavam reis de seu pequeno mundo megalomaníaco.

Era o espírito do tempo de uma época bastante confusa.

E que fazia com que até mesmo esportistas, empresários e astros de TV antes considerados de grande credibilidade, manifestassem seu reacionarismo aqui e ali.

E aí vemos um desses astros, o "humorista" Danilo Gentili, investindo numa grosseria sem tamanho.

Tudo começou quando Danilo Gentili publicou notícias falsas sobre a filha da deputada Maria do Rosário, do PT gaúcho, a mesma que já foi ofendida por Jair Bolsonaro, outro ídolo dos sociopatas.

Bolsonaro havia dito, depois de uma discussão, que "não estupraria" a deputada porque "não valia a pena".

No caso de Gentili, o caso ainda vem de outro incidente, que é a publicação das fotos da filha da parlamentar, a adolescente Maria Laura Pacheco, de 16 anos, para fins ofensivos.

A menina foi definida, de maneira mentirosa, como "drogada" e "doente terminal".

Gentili pegou carona, sabendo que ele é um dos furiosos opositores do PT.

Ele veiculou vídeos e textos nas mídias sociais, reforçando a desmoralização da menina com dados mentirosos.

Maria do Rosário entrou com pedido de retirada dos vídeos e indenização por danos morais contra o apresentador.

A parlamentar enviou uma notificação ao próprio Gentili, que então reagiu com muita brutalidade.

Ele gravou um vídeo nas mídias sociais, começando com uma irritada ironia sobre a notificação: "Quem que me mandou?", mostrando depois, em close, o nome da parlamentar.

Em seguida, pergunta, com arrogância: "O que essa senhora é?", e depois mostra a palavra deputada colocando os dedos entre as duas letras iniciais e as duas letras finais, destacando as letras do meio, que formam uma conhecida denominação pejorativa.



Ele rasgou o documento, enfiou os pedaços do papel em suas partes íntimas, esfregando em sua genitália.

Em seguida, ele pega os pedaços rasgados e recoloca no envelope, escrevendo uma mensagem grosseira: "Com cheirinho especial".

A covardia ocorreu mesmo: Danilo Gentili enviou o envelope para a deputada, a título de "devolução".

De forma arrogante e autoritária, Gentili despejou o seguinte recado:

"Para a Maria do Rosário, para qualquer outro deputado de qualquer outro partido, eu pago o seu salário, então eu decido se você cala ou não a boca, nunca o contrário".

Como sabiamente lembrou o Diário do Centro do Mundo, Gentili tem o perfil de quem não votou em Maria do Rosário, então o apresentador não tem poder de decisão sobre a deputada.

Mas, dentro de uma democracia cujos limites se encontram na ética e no respeito humano, um cidadão não pode "decidir" sobre um agente político como se este fosse um escravo.

Gentili ainda encerrou o vídeo com mais grosseria:

"Sendo assim, Maria do Rosário, chegando a minha cartinha, abre ela, tira o conteúdo, sinta aquele cheirinho do meu saco e abra a bunda e enfie bem no meio dela tudo isso aí que eu estou mandando para você. Tchau!".

O vídeo de Gentili, com todas as atitudes feitas, foi tão infeliz que deixou os funcionários do SBT indignados e a cúpula da emissora profundamente irritada.

Sabe-se que Gentili é o apresentador do programa The Noite, um talk show, que, em tese, seria nos moldes do The Jimmy Fallon Show.

Mas Fallon, comediante vindo do Saturday Night Live, trata os convidados com respeito e criatividade, tendo sido capaz de receber até a então primeira-dama dos EUA, Michelle Obama.

Isso mostra o quanto os reacionários brasileiros são umbiguistas e provincianos. Acham que ser estúpido e grosseiro é "sinônimo de originalidade".

Acabam caindo no ridículo, num momento ou em outro.

E a situação de Danilo Gentili começa a ficar complicada no SBT.

É o segundo incidente envolvendo apresentadores de programa da rede comandada por Sílvio Santos.

Há poucos dias, a repercussão bastante pesada das delações de Joesley Batista, empresário da JBS, fizeram com que a esposa dele, Ticiana Villas-Boas, largasse o programa Bake Off Brasil para viver no exterior, temendo ameaças.

Ticiana ainda se envolveu num clima de saia justa.

Foi por causa das citações do sócio da JBS, Ricardo Saud, de que a filha de Sílvio Santos, a também apresentadora Patrícia Abravanel, teria participado de reuniões de propina ao lado do então noivo e hoje marido, o deputado Fábio Faria (PSD-RN).

Agora se fala que Gentili deveria receber uma bronca pessoalmente do próprio Sílvio.

Os reaças, um dia, têm seus dias de caçador, até que, com o tempo, passem a virar também caça.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…