Pular para o conteúdo principal

RÔMULO ARANTES NETO E A SOCIOPATIA NA INTERNET


A sociopatia na Internet revela o quanto os internautas costumam ser, às vezes, autoritários.

Uma entrevista do ator Rômulo Arantes Neto deu o que falar.

Ele era entrevistado pelo vlogueiro Caio Fischer, que então entrou no quadro de seu canal, intitulado Pega ou Não Pega.

Quando veio a foto da atriz Cléo Pires, sua ex-namorada, Rômulo fez muitos elogios a ela.

Mas quando surgiu a imagem da cantora Anitta, Rômulo teve reação diferente, mas bastante educada.

"Acho ela uma p*** profissional, guerreira demais e muito competente. Mas não é o meu perfil de mulher".

Ele acrescentou: "Tem uma coisa na vida que aprendi que é nunca dizer nunca. Não é o perfil que eu escolheria para casar, ter filho, namorar. Mas a vida ensina e ela fala, nunca diga nunca".

Apesar do tom cauteloso, Rômulo Arantes Neto causou reações furiosas dos internautas nas mídias sociais.

Ele foi definido até como "machista".

Houve internautas que supuseram que Anitta ficaria "abaladíssima" por não poder ficar com o galã, enquanto outros definiram Rômulo como "bacaca" e o trataram como um fraco.

Isso revela um grande autoritarismo dos internautas hoje em dia.

As mídias sociais viraram um reduto da sociopatia, algo que chamou a atenção até de Umberto Eco, no fim da vida, que falava que o "idiota da aldeia" hoje usa a Internet reivindicando o mesmo tratamento que se dá a um candidato a um prêmio Nobel.

E aí temos uma grande ironia.

ALEXANDRE FROTA AO LADO DO ATOR RÔMULO ARANTES, PAI DE RÔMULO ARANTES NETO, NA NOVELA SASSARICANDO. ABAIXO, FROTA SE REUNINDO COM O MINISTRO DA EDUCAÇÃO DE MICHEL TEMER, JOSÉ MENDONÇA FILHO.

Rômulo Arantes Neto é filho de Rômulo Arantes Júnior, falecido ex-nadador e ator que era conhecido pelo nome artístico de Rômulo Arantes.

Rômulo contracenou com Alexandre Frota na novela Sassaricando, da Rede Globo, em 1987.

Quase três décadas depois, o mesmo Alexandre Frota, agora um ativista de direita, apareceu divulgando o reacionário projeto Escola Sem Partido ao ministro da Educação do governo Michel Temer, José Mendonça Filho.

Ídolo dos sociopatas, Frota apareceu, na reunião, ao lado de Marcello Reis, dos Revoltados On Line, um dos grupos "nascidos" nas mídias sociais.

Em 2007, eu já havia percebido ações de sociopatas direitistas nos tempos do Orkut.

Fui vítima de cyberbullying de um grupo inserido na comunidade Eu Odeio Acordar Cedo, que defendia a gíria "balada", cria de Luciano Huck, ídolo dessa moçada.

Mas também fui a outras comunidades, e numa delas disse que nunca namoraria uma funqueira.

Um cara tentou me dizer que eu deveria namorar uma delas e mostrar a ela "coisas legais".

Mas teve gente que me chamou de "homossexual" por isso. Num contexto em que há tanto homofobia quanto aversão aos verdadeiros nerds (nada a ver com cervejão-ão-ão, Campus Party, Se Beber Não Case etc).

Nessa época, se um rapaz ia para o Orkut dizer que não gostava de mulher-fruta, era esculhambado pelos midiotas que se julgam "donos da verdade" na Internet.

E é aí que entra o caso de Rômulo Arantes Neto, vítima de uma mesma emoção autoritária que faz internautas pedirem intervenção militar.

Uma emoção de dizer a fulano o que ele deve fazer e quem ele deve escolher para namorar.

Daí para pedir o fim da soberania brasileira é um pulo.

Mas, no caso de Anitta, há o politicamente correto do suposto ativismo social.

Fala-se muito em misoginia, mas poucos se lembram da misandria.

Não sou machista, sou inteiramente a favor da causa das mulheres, e preferia estar ao lado do movimento feminista do que de machistas.

No entanto, desconfio desse "feminismo de resultados" que parece mais um narcisismo feminino.

Principalmente num Brasil em que existe um "feminismo torto" em que uma parcela de mulheres fica feliz em fazer papel de objeto sexual, como as mulheres-frutas.

Anitta não está neste caso, porque ela parece bem light, e não estou aqui a julgar a atitude dela como "empoderada".

A questão aqui é o direito de Rômulo dizer que Anitta não faz o seu tipo de mulher.

Ele não fez um comentário machista e até foi bastante educado a respeito dela.

Anitta está sem namorado, totalmente focalizada na sua carreira, tem agenda movimentada de compromissos até mesmo no exterior e poderia ter passado por isso com indiferença.

Creio que, da parte de Anitta, a reação teria sido de indiferença, sim.

Mas a reação de sociopatas e de certas "feministas de resultados" que possuem uma abordagem espetacularizada da coisa forjou a tal "saia justa".

E mostrou o caráter autoritário de vários internautas, que chegam ao ponto de dizer quem deve ficar com quem na vida amorosa.

O que eles podem fazer se um autoritário bravateiro de plantão se candidatar a presidente da República...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…