Pular para o conteúdo principal

"CHEGA DE FIU-FIU" NÃO VAI REPRIMIR MAUS PAQUERADORES


Saudades dos tempos do namorinho de portão. Naqueles tempos, em que pese o moralismo que fazia as mulheres escandalizarem apenas por usar uma saia que não cobrisse os joelhos, se podia paquerar na rua. E os homens poderiam ser correspondidos em tais paqueras.

Hoje, ocorre uma coisa surreal, num país como o Brasil, em que valores retrógrados e avançados se relacionam promiscuamente a ponto de muitos jovens se apegarem a um padrão de entretenimento e curtição de 40 anos atrás.

Numa época em que "boazudas" perdem todo o tempo na vida mostrando seus "corpões" para provar a todo custo o quanto elas são "gostosas", a sociedade lançou uma campanha contra paqueras em ambientes públicos, através do lema "Chega de Fiu-fiu".

Paqueras assim já são proibidas há muito tempo. As mulheres há muito estão indiferentes ao assédio masculino, torcendo o nariz quando são paqueradas até por aqueles que poderiam ser seus melhores maridos. Todo homem virou um canalha quando o processo é paquera nas ruas.

Isso é inconstitucional. A Constituição Federal de 1988 prevê que todos somos inocentes até prova em contrário. No caso das paqueras nas ruas, todo homem é culpado até prova em contrário. Mas, para completar o surrealismo, a campanha "Chega de Fiu-fiu", que pede o fim das paqueras nas ruas, não conseguirá atingir o objetivo maior: afastar os maus paqueradores.

Eles sempre arrumam um jeitinho e encontrarão outros ambientes para adotar suas táticas. Os maus paqueradores e assediadores canastrões nem de longe se sentem incomodados com o "Chega de Fiu-fiu". Eles têm como se virar, dotados de esperteza que são.

Eles são péssimos maridos, não dão provas de afeto, não auxiliam suas companheiras nas horas difíceis, e uns as traem e outros até as maltratam, agridem ou matam. Vide os casos de brasileiras mortas em hotéis por seus companheiros, aqueles caras "legais" que tiveram um papo envolvente em algum momento na cantada.

O PIOR "FIU-FIU" CONTINUA NA "NÁITE"

Aliás é aí que está o grande erro. Pede-se o fim das paqueras nas ruas, mas ninguém faz campanha contra as paqueras em boates, ou mesmo uma "regulação" da prática, porque, redutos da embriaguez humana, são ambientes em que mais se encontram pessoas traiçoeiras e mesquinhas, que se escondem numa índole momentaneamente simpática e afável.

Nas boates, bares e casas noturnas, os piores paqueradores continuam lá e se misturam a muita gente que, em tese, é de boa índole e personalidade interessante. Como diz o ditado, à noite todos os gatos são pardos e a mulherada fica feliz diante do assédio de um rapaz descontraído, falador e sedutor, que em muitos casos poderá ser o pior inimigo no futuro.

O contexto de bebedeira, de felicidade provisória sob um céu noturno e sob ambientes fechados com alguma iluminação e sob as espumas abundantes dos copos de cerveja, além da ilusão festiva de algumas horas, dá uma impressão enganosa de que tais ambientes são redutos de fraternidade e solidariedade humana.

A vida noturna, ou a "náite" - para não dizer a enjoada e irritante gíria "balada", patente não assumida de Luciano Huck e de um Tutinha (executivo da Jovem Pan FM) que transformou sua rádio em ninho de "urubólogos" - , são situações provisórias em que a diversão torna-se um consenso para pessoas que deixam de lado suas próprias divergências, não raro cruéis e inconciliáveis.

Isso porque, enquanto todos apenas bebem, dançam e riem, pessoas reduzidas a meros motores humanos, a depender do álcool para movimentar alguma emoção em suas almas insensíveis, todos se afinam provisoriamente numa situação que não dura umas poucas horas, como no conto de Cinderela, com a diferença de que o relógio só toca a partir das três da manhã, e não pela meia-noite.

Tudo é maravilhoso e até os maus paqueradores, aqueles que fazem as mulheres apelarem para esse "AI-5" da vida amorosa, parecem agradáveis. De repente o que é constrangedor e humilhante nas ruas, mesmo em situações sóbrias, passa a ser socialmente saudável e recomendável nos momentos de embriaguez, para não dizer sob a ação de um "baseado".

Isso é até pior, porque o risco de consequências danosas é bem maior. Por que não nos atentarmos para as paqueras em boates, bares e casas noturnas? Será que os piores crápulas se tornam "galãs" ou "grandes amigos" na "náite"?

Por outro lado, entre os homens considerados de boa índole, um cara, visto como um "patinho feio" nas ruas e em ambientes públicos mais sóbrios (como bibliotecas), virá a ser um "galã" para moças tomadas de muito pileque?

Tudo é bonito quando pessoas estão entorpecidas pelo álcool e outras drogas. Tudo parece alegre, fraternal, poético, fascinante etc etc etc. Dá para compreender como Letícia Sabatella conseguiu sair ilesa de uma gafe que, normalmente, é constrangedora. Porque é Letícia Sabatella, não é a Maria da Lavanderia. Mas isso é outra história.

O que se lamenta é que se pensa em proibir as paqueras nas ruas e ambientes públicos, empurrando a prática para os espaços privativos e nada gratuitos dos bares, boates e casas noturnas. o que podem tornar as relações amorosas mais perigosas.

Quem pensa que a campanha "Chega de Fiu-fiu" irá afastar os paqueradores mais repugnantes, as mulheres estão enganadas. Eles estão lá no "maravilhoso mundo" da "vida noturna", onde os gatos são todos pardos e as pessoas parecem amigas e felizes. Até que o cotidiano quebre a ilusão e mostre sua mesquinhez, pior do que no conto da Cinderela. A vida não é um conto de fadas.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…