Pular para o conteúdo principal

O PREOCUPANTE CASO DE JAIR BOLSONARO


A semana foi marcada por uma declaração infeliz do deputado federal Jair Bolsonaro (PP-RJ), herói dos ultradireitistas, contra a colega parlamentar Maria do Rosário (PT-RS), que é ativista dos direitos humanos.

Em 2003, ele havia brigado com Maria do Rosário no corredor do Congresso Nacional dizendo que "só não a estupraria porque ela não merece, não vale a pena", criando um bate-boca e uma reação do militar e deputado, aos empurrões.

Na última terça-feira, depois que Maria fez um discurso criticando a violência da ditadura militar, Jair retomou o antigo discurso e reafirmou que não estupraria a deputada pelo mesmo motivo apresentado em 2003 e ainda chamou o Dia Internacional dos Direitos Humanos de Dia da Vagabundagem.

Violento, Jair Bolsonaro é uma espécie de "pós-PHD" do reacionarismo que começa na Internet, com o ciberreacionarismo de uma ala de troleiros que investem em defender o "estabelecido" - geralmente valores impostos pelo poder político, midiático e pela indústria do entretenimento - , indo de mensagens jocosas e ofensivas nos fóruns até na produção de blogues e fotologs ofensivos.

O paulista radicado no Rio de Janeiro foi o deputado federal mais votado nas últimas eleições, simbolizando não só o extremo-direitismo brasileiro como também o recuo do antigo pseudo-esquerdismo de alguns reacionários "bacanas" que desistiram de investir num esquizofrênico "marx-carthismo" (alusão ao macartismo norte-americano disfarçado de suposto esquerdismo).

Jair, ao lado de figuras como Reinaldo Azevedo, Rachel Sheherazade e o roqueiro Lobão, tornaram-se representantes de um reacionarismo paranoico e debiloide, desses que preferem até que a Cosa Nostra governe o Brasil, em vez de aguentar um segundo de PT no poder.

Eles levam ao exagero a discordância ao governo petista, transformando tal postura numa paranoia, numa doença psicológica, num sentimento irracional e golpista tão grotesca que é difícil ser argumentada a todo momento. Daí haver posturas alucinadas como as de Jair Bolsonaro.

A declaração de Bolsonaro repercutiu mal e criou uma onda de repúdio maior do que os votos que ele recebeu para ser eleito. Existe até mesmo uma intenção de processo judicial e campanhas pela cassação do seu mandato. Espera-se que tais medidas ocorram, para dar fim à carreira de uma pessoa truculenta que se mostra indiferente e alheia aos novos tempos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…