Pular para o conteúdo principal

DAKOTA FANNING É A ANTI-SABATELLA


Nossa, que país matuto o Brasil, sempre apegado em valores velhos, sempre o último a saber dos rumos da modernidade!! Enquanto Letícia Sabatella e seus seguidores apostam numa "liberdade" de instintos de 40 anos atrás, eis que uma outra atriz, lá nos EUA, dá um banho de coerência e sensatez.

Pois ninguém menos que Dakota Fanning, que foi a "pequena mulher" do filme Grande Menina, Pequena Mulher (Uptown Girls), e, mais tarde, interpretou a ex-vocalista das Runaways, Cherie Currie, em filme sobre a banda, além de participar dos filmes da saga Crepúsculo (Twilight), declarou que não é o seu forte curtir noitadas.

Em entrevista dada à coluna Page Six, do New York Post, Dakota afirmou que não gosta da vida noturna e que prefere comemorar seu aniversário de 21 anos, em fevereiro do próximo ano, em casa na companhia da família, dos amigos e do namorado da atriz, o modelo Jamie Strachan.

Dakota, a exemplo da própria irmã, a também atriz Elle Fanning, e de estrelas como Emma Watson, se enquadram num seletíssimo grupo de jovens atrizes que procuram se destacar pelo diferencial de personalidade e pelos cuidados que possuem com suas próprias vidas.

Recentemente, Emma Watson deu uma lição de modernidade para as ditas "feministas" brasileiras que ainda acreditam na "liberdade do corpo" (desculpa para a erotização obsessiva e exagerada) e no "ódio aos homens", defendendo uma valorização equilibrada do corpo feminino e uma relação harmoniosa entre homens e mulheres.

Agora tem o caso de Dakota Fanning, que vêm à tona num momento em que, no Brasil, Letícia Sabatella vira "unanimidade" por conta de uma bebedeira, que em si até seria um fato bobo, caso a atriz brasileira - capa da Revista O Globo de ontem - não tivesse defendido seu próprio erro de maneira arrogante e jocosa.

E a gente percebe o quanto é vergonhoso que os jovens brasileiros considerados "tudo de bom" - que acham que a modernidade do mundo está nos seus próprios umbigos - acham a atitude de Letícia Sabatella "atualíssima", quando ela recorre a um ideal antiquado de "liberdade" e "curtição", que remete às festas dos anos 70 que resultaram no imenso obituário de famosos ao longo dos anos.

Lá fora, o que é moderna é a prudência, é um espírito de cautela e ponderação, num contexto em que o Primeiro Mundo se reavalia nas crises antigas, no seu legado positivo e negativo, quando o mundo desenvolvido está parado para balanço enquanto o Brasil, com seus inúmeros defeitos se acha a vanguarda do mundo, mesmo se comportando como a mais retrógrada das retaguardas.

Parabéns, Dakota, pela sua lucidez. Dakota tornou-se a anti-Sabatella, e a gente sabe a situação que ela e sua irmã Elle arrumam para fazer o seu "deitaço": cada uma no seu quarto de dormir, sonhando com o céu e as estrelas.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…