Pular para o conteúdo principal

SUPERMERCADOS PÃO DE AÇÚCAR SUBSTITUEM FILIAIS DO EXTRA NO GRANDE RJ

SUPERMERCADOS EXTRA JÁ PERDERAM FILIAIS COMO A DA AV. SETE DE SETEMBRO, EM NITERÓI, AQUI EM FOTO DE 2012 DO GOOGLE STREET VIEW.

Melhorias aconteceram no grupo controlador das redes de supermercados Extra e Pão de Açúcar. Visando melhorar os serviços, as filiais dos Supermercados Extra localizadas em várias cidades do Grande Rio de Janeiro começam a serem substituídas pela marca Pão de Açúcar, do mesmo grupo empresarial, visando mudar seu conceito de atendimentos e vendas.

Em Niterói, depois de muitas reclamações relacionadas à filial dos Supermercados Extra na Av. Sete de Setembro, no Jardim Icaraí, agravadas por incidentes como o vazamento de esgoto na seção de padaria, foram feitas obras de melhorias e repintura, além das mudanças estéticas que transformaram o estabelecimento numa nova filial dos Supermercados Pão de Açúcar.

A marca Pão de Açúcar já estava presente em Niterói através da filial da Rua Dr. Paulo Alves, no Ingá. Assim como o antigo Extra do Jardim Icaraí e outras filiais no Centro, eles eram antigas filiais da rede Sendas, hoje extinta.

A mudança aconteceu há várias semanas e o resultado se tornou diferente, com instalações bem melhores e um serviço melhorado, assim como os produtos. O ambiente tornou-se mais organizado, embora tenha mantido a incômoda medida de colocar caixa de supermercados sob o vão da escada para a garagem, quando poderia colocar um quiosque de TV por assinatura que há no local.

Mas, fora isso, a filial ficou mais bonita e faz juz às transformações urbanas que o bairro sofre nos últimos tempos, quando o Jardim Icaraí se torna um segundo centro urbano de Niterói, diante da saturação (e decadência) do Centro propriamente dito.

Esperamos que a filial dos Supermercados Pão de Açúcar continue assim e, quando houver mudanças, que elas possam ser para melhor.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…