Pular para o conteúdo principal

MÍDIA TRATA BRITTANY MURPHY COMO "ATRIZ DE UM DRAMA SÓ": A PRÓPRIA TRAGÉDIA PESSOAL


Diferente de casos como Paul Walker e Philip Seymour Hoffman que, em que pese suas respectivas tragédias, são mais relembrados nos seus trabalhos de atuação, Brittany Murphy, falecida há cinco anos, tornou-se prisioneira de sua própria tragédia.

Atriz bastante talentosa e, conforme garantem seus amigos e colegas, uma figura humana admirável, Brittany teve o azar de ter se casado com uma figura problemática e estranha como Simon Monjack, um aspirante a cineasta inglês de um temperamento desleixado e já detido por ter passado cheques sem fundo.

Brittany, que se ascendia tranquilamente em 2006, não só como atriz mas também como cantora, havia engatado dois sucessos, o filme Sin City - Cidade do Pecado (2005), e o filme de animação Happy Feet - O Pinguim (Happy Feet), de 2006, do qual participava também como cantora em duas covers na trilha sonora, "Boogie Wonderland" (Earth Wind & Fire) e "Somebody to Love" (Queen).

Sobre Sin City, os cineastas Robert Rodriguez e Frank Miller, este também criador da HQ que inspirou o filme, fizeram calar a boca dos que pensam que Brittany era uma atriz relapsa e irresponsável, visão difundida pela imprensa sensacionalista dos EUA.

Eles afirmam que Brittany gravou toda sua participação como a personagem Shelly num só dia, com uma agilidade dramática que surpreendeu os dois cineastas de tal maneira que, sem Brittany, eles decidiram excluir a personagem do filme Sin City 2 - A Dama Fatal (Sin City - A Dame to Kill For), lançado este ano.

Diversas teses envolvem a tragédia de Brittany, que ao menos poderia ter sobrevivido mesmo estando a princípio em estado grave, não fosse a demora no socorro médico. A tese oficial é que ela morreu por causa de uma overdose acidental de remédios, aliada a anemia, pneumonia e ataque cardíaco, com apenas 32 anos de idade.

No entanto, existem outras teorias. O pai dela, Angelo Bertolotti, encomendou um outro exame, este ano, que constatou presença de veneno de rato, sugerindo que ela e o marido Simon Monjack teriam sido envenenados por uma "terceira pessoa", dando a crer que houve um atentado, em que especulações diversas citavam da CIA a um suposto maníaco que rondava Hollywood.

Há também uma tese em que o próprio Simon, que havia traído Brittany repassando parte do salário da esposa para sustentar ex-namoradas do produtor inglês (que além disso também foi casado com uma jornalista britânica) e seus respectivos filhos, teria envenenado a mulher para evitar que ela o denunciasse à polícia e criasse um divórcio tumultuado.

Em todo caso, tudo indica que o casamento de Brittany com Simon, independente da hipótese que teria gerado a tragédia, está relacionado com o falecimento da jovem atriz, que antes da relação conturbada - que contraria a suposta imagem de "Romeu e Julieta" associada aos dois - parecia bem em sua carreira e sua vida pessoal.

Para piorar, a mídia sensacionalista dos EUA só fala da morte dela, como se fosse um luto de cinco anos. Com vários trabalhos interessantes e uma carreira expressiva de 18 anos, Brittany tornou-se conhecida como uma "atriz de um drama só", a sua própria tragédia.

Foi produzido um filme baseado nessa tragédia, The Brittany Murphy Story, cujo enredo se baseia nas notícias sensacionalistas. O filme foi duramente atacado pelo pai, que exageradamente disse que Brittany ficaria horrorizada até com a atriz que foi escolhida para interpretá-la.

Conhecendo, porém, a personalidade de Brittany, ela não teria sentido horror a Amanda Fuller, a atriz de Last Man Standing escolhida para o papel e que, apesar de sete anos mais nova que Britt, começou a carreira quase no mesmo tempo que a outra, no começo dos anos 90, chegando mesmo a participar, cada uma num episódio diferente, do mesmo seriado, O Quinteto (Party of Five).

Embora Brittany evidentemente não tivesse gostado do enredo do filme, julgando a história absurda, ela, por seu temperamento, teria respeitado a equipe e manifesto sua admiração por Amanda Fuller, que talvez pudesse ser sua amiga. Brittany teria consciência de que o enredo do filme pecou por ser baseado nas notícias sensacionalistas, várias delas inverídicas.

Em todo caso, é injusto que Brittany fosse conhecida só por sua tragédia, ela que era uma moça alegre e divertida, e uma atriz esforçada e de talento reconhecido. E que, do contrário que especulou a reacionária revista Veja, encantou os produtores do filme Algo Maligno (Something Wicked), último filme da atriz.

Enquanto a revista, famosa por sua histeria antissocial, inventou que Brittany teve sua atuação cortada pelo filme por causa de seu temperamento difícil, os produtores de Algo Maligno afirmaram recentemente que a atuação da atriz foi "arrepiante", ou seja, muito impressionante.

Mesmo nesse contexto muito triste, o filme confirmou o talento admirável de Brittany, uma moça que faz muita falta hoje em dia, como atriz e cantora, já que tinha uma belíssima voz num contexto de outras vozes medíocres robotizadas. Fica aqui nosso carinho para Brittany Murphy. Beijos para ela.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…