Pular para o conteúdo principal

É PERMITIDO GOSTAR DE BREGA. SÓ NÃO SE PODE LEVAR A SÉRIO DEMAIS - PARTE 2


Uma coisa é sentir saudade daquelas canções que Waldick Soriano e Wando fizeram. Outra coisa é ficar enrolando e usar a nostalgia para dizer que eles eram "artistas revolucionários" ou tratá-los como se tivessem sido guerrilheiros bolivarianos da cultura brasileira. Isso é que revolta, muito mais do que alguém dizer simplesmente que gosta dos dois cantores.

O preconceito se acentuou no lado de quem defende o brega, porque, em vez do pessoal admiti-lo como um tipo de música ou comportamento cultural convencionais, ligados a uma mentalidade pop e comercial, ficavam teorizando bobagens pseudo-militantes ou pseudo-etnográficas para justificar por que gostam de brega.

Isso sem falar de um tendenciosismo de uma parte da intelectualidade elitista, que desviava parcialmente do caminho aristocrático dos Rodrigo Constantino e Reinaldo Azevedo da vida para adotar um discurso positivista e supostamente simpático às classes populares, embora claramente defende uma visão domesticada e caricata do povo pobre.

Tudo ficou tendencioso, pretensioso, confuso. E isso com a mídia manipulando e distorcendo conceitos e desejos, criando falsas vontades, falsas solidariedades, falsos anseios. O brega, que estava lá tranquilo nos seus espaços, se transformou num Frankestein, não bastasse ele, por si só, ser uma colcha de retalhos de modismos ultrapassados e novidades parcialmente assimiladas.

O brega nunca me incomodou, socialmente, os bregas estavam lá felizes em seu espaço e eu estava nos meus, ouvindo rock alternativo. Mas, de repente, eu, que nunca fui galã na vida, passei a ser até assediado pelas fãs de brega como se eu já fosse noivo de qualquer uma delas. Pior: era até "aconselhado" nas mídias sociais a desejar "mulheres-frutas", algo que nunca foi minha opção.

Nunca gostei de "pagode romântico" e do "pagodão sensual", mas desejava que as fãs do gênero, em vez de me desejarem - paciência, eu nunca fiz o gênero galã, fosse em qualquer contexto - , pudessem desejar homens que fossem à imagem e semelhança dos cantores que elas admiravam. Eu desejava a felicidade delas, da forma que não era de meu interesse nem competência lhes dar.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…