Pular para o conteúdo principal

É PERMITIDO GOSTAR DE BREGA. SÓ NÃO SE PODE LEVAR A SÉRIO DEMAIS - PARTE 4


Aí o brega foi levado a sério demais e criou neuroses nos seus próprios defensores, que caíram em situações constrangedoras, sobretudo em blogueiras de esquerda que saíram defendendo Waldick Soriano e o pupilo José Augusto como se fossem "revolucionários", e criando "saias-justas" ao definir o sucesso "Xibom Bom Bom" do grupo de axé-music As Meninas como uma "tese marxista", e isso vindo de gente que, com certeza, nunca leu Karl Marx na vida.

Os defensores do brega querem idealizar em Waldick Soriano o simpático e alegre ativista de esquerda que combateu a ditadura militar e era perseguido pela censura. Visão extremamente falsa e paranoica, que fez até mesmo o lobby de Paulo César Araújo pedir para vetar na Internet vídeos de uma entrevista de TV em que Waldick defendia o machismo e a ditadura militar.

Essa paranoia ganha um sentido mais surreal quando se percebe que nem no punk rock existe essa neurose. Associado à rebelião juvenil, o punk nunca se esforçou em esconder de um de seus ícones, o falecido guitarrista dos Ramones, Johnny Ramone, o seu mais histérico reacionarismo, que poderia soar estranho para o contexto do punk e nem por isso ninguém se empenha em esconder.

No Rock Brasil, então, não dá para esconder que um dos maiores símbolos de rebeldia e atitude visceral, o roqueiro Lobão - inegavelmente um grande músico e artista, bom instrumentista e compositor, gravado até por João Gilberto - , é também um dos piores reacionários existentes no território nacional, antes amigo de Cazuza e hoje parceiro do medieval Olavo de Carvalho.

Mas o pessoal tem medo de ver Waldick Soriano como um reacionário, luta para vetar um vídeo que comprova tudo isso, e olha que Waldick faz sentido no contexto de sua música e comportamento, associado a um brega romântico, que já surgiu em função de um contexto social bastante conservador.

Em outras palavras: é mais estranho admitir que Johnny Ramone e Lobão são ícones do reacionarismo, e que Johnny morreu defendendo ninguém menos que George W. Bush. Mas ninguém tenta esconder isso. E pode-se gostar dos Ramones e de Lobão e, ao mesmo tempo, considerar esses dois figurões o supra-sumo do mais abominável reacionarismo ideológico.

No entanto, os que gostam de Waldick Soriano ficam com muito medo, até sem necessidade. Porque Waldick tem mesmo o perfil conservador. Como todo o brega, que, de fato, esteve bem no auge da ditadura militar e só era censurado porque os censores tinham também suas paranoias, não havia aquele maniqueísmo que fazia todo censurado parecer "revolucionário". Nem todos eram.

De todo o brega-popularesco, as pessoas podem gostar de suas músicas. É natural e democrático que se tolere seu gosto e até sua preferência. O que não se pode tolerar é uma visão fora da realidade e ver o brega conforme os preconceitos "positivos" da idealização da alta cultura.

O brega sucumbiu porque seus defensores sempre quiseram ver nele tudo aquilo que nunca foi nem é. Daí que o verdadeiro preconceito está em creditar ao brega caraterísticas que não lhe são adequadas, como o vanguardismo cultural e o esquerdismo político-ideológico.

O brega é comercial mesmo. É conservador até pelo seu aspecto retardatário de pegar carona em modismos ultrapassados (imagine Waldick cantando "dor-de-corno" quando isso havia saído de moda). O brega é o nosso hit-parade, e, queiram ou não queiram, ele sempre foi apoiado pelos barões da grande mídia.

Toda a linhagem do brega é reacionária, até quando tenta ser "provocativa", desde os antigos ídolos cafonas até os funqueiros. E se nem o punk esconde seus focos de reacionarismo, por que tem que se esconder o caráter reacionário do brega? Perder o preconceito não é aceitar tudo de bandeja, mas, antes de mais nada, compreender algo que realmente é, mesmo nos piores aspectos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…