Pular para o conteúdo principal

PREOCUPANTE O CRESCIMENTO DA INDÚSTRIA DE "MÚSICOS AMESTRADOS"


É muito preocupante o caminho que se segue a música em geral. A cada vez mais a era de qualidade artística e de talentos espontâneos anda ficando mais rara, enquanto se multiplicam programas de reality show musical em que, salvo pouquíssimas exceções, não passam de uma fábrica de "músicos amestrados".

No Brasil, então, em que cada vez mais cresce a supremacia da Música Paralisada Brasileira, sejam os tributos "moribundos" da MPB autêntica, sejam as aventuras pseudo-emepebistas dos bregas de plantão, a coisa tende a ser cada vez pior. E que, no Brasil, programas como The Voice Brasil, Superstar, Breakout Brasil, entre outros, só conseguem agravar.

O que se nota são os chamados oversingers, adotando clichês de malabarismo vocal, como a tremedeira vocal - versos cantados de maneira trêmula - , os prolongamentos de sílabas, as gritarias "emotivas" e os falsos trejeitos "black" que contaminam até os cantores de axé-music que cantam igualzinho Rogério Flausino.

O crescimento dos programas de reality show musical e de competição de novos talentos - há, no canal Sony, o Breakout, que inclui também a versão brasileira, Breakout Brasil - e outros festivais competitivos que tiram a espontaneidade e criam "artistas" ainda mais cordeirinhos.

Isso cria uma mentalidade tão castradora e convencional, do músico "fazendo o gosto do freguês" ou moldando suas referências nos hits que mesmo eventos musicais comuns acabam se enchendo - e nos enchendo - desses "talentos".

Um exemplo: um evento de rock em Itaguaí, meses atrás, com bandas emergentes do gênero, mostra um grupo inspirado em Detonautas Roque Clube prometendo cantar letras "tipo Legião" (cacoete que muitos sub-clones de Capital Inicial e Zero prometiam há 25 anos), banda punk com nome de senhora que abriu para os Raimundos e grupo "alternativo" (?!) que coverizou Skid Row e Velhas Virgens.

Puxa, se era para eu pegar um ônibus e ir lá pelo Centro-Sul fluminense para ver bandinhas dessas categorias, preferia ficar em casa e ouvir um CD de MP3 com bandas de rock instrumental do começo dos anos 60. O grande mal do rock brasileiro nos últimos 25 anos é ter muita "atitude", mas pouca postura de enfrentamento e criatividade, além de menos talento musical ainda.

A mediocrização cultural atingiu toda a música brasileira. A "nova MPB" com seus cantores carneirinhos, fazendo pop inofensivo com a desculpa de que é "urbano, moderno e hiperconectado com o mundo".

Há os bregas - sobretudo "pagodeiros românticos" e "sertanejos" - pretensiosos que acham que basta coverizar "Nervos de Aço" de Lupicínio Rodrigues e "Tocando em Frente" de Renato Teixeira que atingirão a tão sonhada sofisticação musical, às custas de trajes de gala e de arranjos musicais que já vem prontos de parte de terceiros.

Há funqueiros achando que estão recriando a Semana de Arte Moderna se associando forçadamente a ativismos sócio-culturais, se vendendo por qualquer polêmica enquanto contam com a blindagem de intelectuais "bacaninhas" capazes de criar mirabolantes teses etnográficas até com o remexer de glúteos das "mulheres-frutas".

E dentro desse cenário, quem será o "novo grande artista" brasileiro? É aquele cara que só ouve rádio e, por isso mesmo, têm o gosto cultural subnutrido e anoréxico. O "roqueiro" já mostra isso, não indo além da mesmice do grunge e de Guns N'Roses, ou de outro que fizer sucesso. Na música brasileira em geral, o que se nota são cantores "bem treinados" mas sem criatividade.

São muitos, muitos covers, de canções até boas porém surradas - "Não Quero Dinheiro", de Tim Maia, já soma à galeria de "boas canções que ninguém aguenta mais ouvir" que inclui "Stairway to Heaven" do Led Zeppelin, "Sultans of Swing" do Dire Straits e "I Feel Good" de James Brown - , por isso previsíveis e que não fazem diferencial algum diante de sub-Ivetes e sub-Flausinos.

Quando o repertório é autoral, não deixa marca alguma, evaporando depois de uns seis meses de veiculação nas rádios, e cujo exemplo já se mostra com os neo-bregas em seus delírios pseudo-MPB, pegando carona em tributos emepebistas porque suas músicas autorais são horríveis e mal resistem a uma morna execução nas rádios FM "mais populares".

Enfim, parece que se vive uma fase paralítica ou tetraplégica da música mundial. Poucos talentos que deixam marca pela música, muitos que apenas são entertaniners, com artifícios que vão de multidões de dançarinos acompanhantes e malabarismos vocais extremamente burocráticos. Poucos se salvam nesse deserto de ideias criativas e espontâneas do âmbito da música.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…