Pular para o conteúdo principal

CINEASTA QUE REDESCOBRIU O "FUNK DE RAIZ" LANÇA 'O MECANISMO', CHEIO DE MENTIRAS


2005 foi o ano em que a intelectualidade "bacana" foi fazer trabalho free lancer para os barões da mídia.

Com uns mantendo, outros planejando sair e outros fora da mídia hegemônica, eles usavam as tendências musicais "populares demais" (brega-popularesco) para fazer proselitismo na mídia de esquerda.

A armação, que pegou as esquerdas desprevenidas e derrubou as versões impressas de Caros Amigos e Fórum, tinha dois objetivos.

Um é, usando tendências comerciais tidas como "populares" pela mídia hegemônica para enfraquecer as classes populares reduzindo a cultura popular a formas caricaturais e meramente mercantilistas.

Outro é usar os ídolos "populares demais" para abocanhar as verbas estatais da Lei Rouanet, atraindo a mídia direitista para lançar sua discurseira moralista contra o parasitismo estatal.

Havia pregadores diversos.

O livro Eu Não Sou Cachorro, Não, de Paulo César de Araújo, queridinho da mídia venal, era considerado "bíblia" pela intelectualidade "bacana".

Pedro Alexandre Sanches ainda tinha como patrão-colega Otávio Frias Filho, antes do ambicioso crítico musical virar "embaixador da Folha de São Paulo" nos periódicos de esquerda.

O cineasta Breno Silveira, que na MTV Brasil não era especializado em breguices mas em pop-rock nacional, lançou Os Dois Filhos de Francisco, biografia dramatizada da dupla Zezé di Camargo & Luciano.

Bem antes de Zezé se revelar um direitista ranzinza, apoiador de Aécio e responsável por comentários indelicados sobre a ditadura militar e a morte de Marielle Franco (ele questionou a comoção popular em favor da vereadora), ele era queridinho das esquerdas fashion.

Havia um proselitismo para empurrar Zezé di Camargo & Luciano para as esquerdas, com aquela conversa "ninguém é obrigado a gostar, mas a aceitar a dupla". Os irmãos tiveram seus quinze minutos de fama gravando com artistas de MPB e aparecendo ao lado de intelectuais de esquerda.

Saída da mesma Rede Brasil Sul (RBS) que projetou Augusto Nunes, a cineasta Denise Garcia lançou o documentário Sou Feia Mas Tô Na Moda, apostando no mito da "periferia legal" ou na "pobreza linda" através do foco de intérpretes femininas do "funk".

O "funk" se preparava para ser empurrado goela abaixo, como chá de losna na boca de criança, nas agendas das esquerdas.

No entanto, o "funk" havia passado por uma bem-sucedida parceria com as Organizações Globo, num casamento feliz (que existe até hoje) no qual o estilo aparecia em tudo quanto era atração ou veículo controlado pelos irmãos Marinho.

Em 2005, José Padilha tinha uma atuação mais discreta. Ele estava envolvido em documentários aparentemente corretos, com temáticas sociais voltadas ao povo pobre.

Em 2007, com o prolongamento do proselitismo midiático do "popular demais", incluindo um proselitismo insistente na mídia de esquerda, José Padilha passou a adotar um discurso voltado ao moralismo direitista.

Lançando o policialesco Tropa de Elite, Padilha, que participou da fundação do Instituto Millenium (clube de intelectuais direitistas ligados à mídia oligárquica), ele redescobriu o "funk de raiz".

Ele deu um empurrãozinho para a fundação da APAFUNK, Associação de Profissionais e Amigos do Funk, instituição suspeita de receber verbas de George Soros e da Fundação Ford.

Padilha colocou na trilha-sonora do filme a música "Rap das Armas", esquecido sucesso de "funk de raiz" de MC Júnior & MC Leonardo.

MC Leonardo, então, foi apadrinhado pela antropóloga Adriana Facina (braço-direito de Hermano Vianna, o que significa que ela é ligada ao grupo intelectual apadrinhado pelo ex-presidente Fernando Henrique Cardoso) e virou presidente da APAFUNK.

Com isso, se reforçou o lado "politizado" do "funk", com um suposto marxismo que parece um arremedo bolado em Washington, e que se tornou a pauta das temáticas "criminais" que dominaram o Brasil.

Nessa época, Lula era alvo de supostas investigações do "escândalo do mensalão", e o "popular demais" era uma cortina de fumaça para distrair as classes populares com o papo do suposto engajamento da "cultura do mau gosto".

Distraindo as classes populares, iniciava-se o discurso de desconstrução da popularidade de Lula, embora sob o aparato de uma intelectualidade "solidária" a ele, mas composta de membros da intelectualidade orgânica vinda da mídia hegemônica.

Durante anos, esse discurso todo colou e a intelectualidade "bacana" conseguiu enganar com sua falsa solidariedade ao esquerdismo, que persiste, em parte, até hoje.

E José Padilha chegou a receber, de setores das esquerdas, uma certa complacência, para não dizer admiração.

É porque as pautas sobre os problemas da violência nas favelas se tornaram difusas e, portanto, bastante confusas.

Padilha era confundido com um esquerdista, sendo tratado como um "esquerdista que surtou".

Mas Padilha foi um dos fundadores do Instituto Millenium, o clube de intelectuais de direita que serviu de inspiração para o Movimento Brasil Livre (ou Movimento Me Livre do Brasil).

O MBL é considerado, aliás, o "Instituto Millenium com fraldas".

A pauta sobre a violência só começou a ser destrinchada diante de episódios como a intervenção militar nas favelas cariocas ou o abuso da violência policial que matou pobres inocentes.

Até lá, até mesmo uma personagem glamourizada como Bibi Perigosa seria tida como "empoderada" pelas esquerdas médias, se ela tivesse sido lançada em 2005.

Bibi Perigosa foi interpretada pela mesma Juliana Paes que apoiou Aécio Neves em 2014, participou dos protestos contra Dilma Rousseff e integra a comissão de "coxinhas famosos" que sonha com a prisão do ex-presidente Lula.

E vemos José Padilha na sua recente empreitada, O Mecanismo, seriado do canal de streaming Netflix, baseado na Operação Lava Jato.

Que José Padilha afirmou ser admirador de Sérgio Moro e que faria uma produção, como co-roteirista, sob o ponto de vista favorável à operação, já esperávamos que fosse.

A propósito, Padilha e Moro fazem aniversário no mesmo dia, 01º de agosto. Têm diferença etária de cinco anos, tendo o cineasta nascido em 1967 e o juiz paranaense, em 1972.

O que não se esperava era que o seriado fosse apelar demais, investindo em fake news com tamanha grosseria contra Lula e Dilma Rousseff.

Falou-se em desonestidade intelectual de José Padilha, ou seja, o fato dele aproveitar a criação de um seriado de televisão para espalhar mentiras.

Um dos momentos mais constrangedores foi usar um ator que interpreta o personagem do ex-presidente Lula para dizer uma expressão lançada por Romero Jucá: "estancar a sangria".

A expressão veio de um telefonema de Jucá com o ex-senador Sérgio Machado, que traçava os planos do golpe político de 2016, poucos meses antes do impeachment que tirou Dilma do poder.

Padilha achou "bobagem" discutir o assunto e se enrolou ao tentar explicar o seriado.

Ele disse que o seriado era "ficção" e "dramatização", embora oficialmente O Mecanismo se anuncie "baseado em fatos reais".

O "engajado" cineasta alegou que "estancar a sangria" é uma gíria comum, como se quisesse fugir das acusações de comparar Romero Jucá com o ex-presidente Lula.

O co-roteirista Anthony McCarten disse que "não distorceu nem desfigurou" informação alguma e que apenas "preencheu responsavelmente" os "buracos" da narrativa.

O problema é que os "buracos" foram preenchidos de forma irresponsável, direcionando a narrativa para um anti-petismo em níveis meramente panfletários e intolerantes.

O Antagonista, portal fascista comandado por Diogo Mainardi e Mário Sabino (que chegou a ser definido pela Veja como o "novo Machado de Assis" (?!)) adorou o filme e adorou ainda mais ao saber que Dilma detestou o seriado, por razões óbvias.

Já existe um movimento organizado para boicotar O Mecanismo na Internet.

Ele mancha a reputação do canal Netflix, que surgiu como alternativa para a decadência das TVs por assinatura, cada vez mais voltadas à mesmice e niveladas ao padrão rasteiro da TV aberta.

O Mecanismo tenta realimentar a narrativa golpista de Polícia Federal - A Lei é Para Todos (sic), longa-metragem também inspirado na Operação Lava Jato.

O golpismo político pode seguir em frente, talvez tentando inverter o famoso ditado "Os cães ladram, mas a caravana passa".

A turnê do ex-presidente Lula pelos Estados da Região Sul revelou o inverso: "A caravana passa, mas os cães ladram, mordem e atiram pedras".

A impopularidade do golpismo político de 2016 é notória. E vai ter curso sobre o golpe de 2016 na Sorbonne, na França, para desespero de Fernando Henrique Cardoso e dos remanescentes da Escola Superior de Guerra dos períodos golpistas e ditatoriais.

O problema é que os golpistas não sabem o que é povo brasileiro. E mandam a polícia eliminar pobres inocentes pensando que são criminosos. Lamentável.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

O CAMINHO QUE DERRUBOU UM MEMBRO DA ABL PARA MERVAL PEREIRA NELA ENTRAR

HUMBERTO DE CAMPOS, O ESCRITOR USURPADO POR OBRAS FAKE E MERVAL PEREIRA, O JORNALISTA FAKE QUE ENTROU NA ACADEMIA BRASILEIRA DE LETRAS.

O Brasil é um país doente.

Acha que está assumindo uma postura nobre ao abrir mão de seus próprios tesouros e a aceitar óbitos, em boa parte prematuros, de nossos grandes gênios.

Mas se apega, de maneira febril e psicótica, aos entulhos materiais e humanos, e se ofendem quando dissemos que até nossos facínoras e assassinos também adoecem e morrem.

O país é tão doente que, não raro, trai a coerência e a justiça social para criar uma "realidade oficial" ao sabor das conveniências e interesses de uns poucos privilegiados e arrivistas.

E isso envolve muita coisa. A literatura, por exemplo.

Vemos o caso surreal, típico de comédia de Luís Buñuel, do escritor maranhense Humberto de Campos.

O autor se situa no intervalo entre a geração do fim do século XIX, de Machado de Assis e Joaquim Nabuco, e a geração de 1945, de Carlos Drummond de Andrade e Fe…

ADMIRAÇÃO DE CANTOR DO ARCTIC MONKEYS POR LÔ BORGES ENVERGONHA FMS DE POP ADULTO

O SOL ENTROU NA CABEÇA DE ALEX TURNER (E), DOS ARCTIC MONKEYS, PELA MÚSICA DE LÔ BORGES.

Depois do fim da MPB FM, rádio dedicada à música brasileira no Rio de Janeiro, as FMs de pop adulto acabaram comendo poeira nos últimos dias.

Isso porque, quando divulgou o lançamento do sexto álbum dos Arctic Monkeys, o vocalista e guitarrista da banda britânica, Alex Turner, manifestou ter sido influenciado por ninguém menos que o cantor mineiro Lô Borges.

O novo álbum, intitulado Tranquility Base Hotel & Casino, teve uma lista de influências, pelo menos de parte do vocalista e principal compositor, divulgadas pela revista Mojo.

A lista já embaralha o público brasileiro médio, mesmo o de rock, que bovinamente deve ficar assustado por não conter aqueles "sucessos" e "ídolos" que eles estão acostumados a curtir.

SEM HITS FÁCEIS - Lista de músicas ouvidas por Alex Turner confundiriam as mentes do público médio que costuma ouvir música no Brasil.

Mesmo quando aparece um Rollin…

CAMISA DA CBF GEROU TRAUMA NA POPULAÇÃO

NEYMAR APOIANDO AÉCIO NEVES, MANIFESTOCHES APOIANDO O IMPEACHMENT SOB O COMANDO DE EDUARDO CUNHA, E FASCISTAS USANDO CAMISETAS DA CBF.

Nada como um dia atrás do outro.

Diz o ditado popular: "um dia é da caça, outro do caçador". Mas, no contexto em que vivemos, a ordem deve ser invertida.

Desde que os valentões da Internet fizeram patrulha pelo "estabelecido", puxando para si o "efeito manada" dos chamados "inocentes úteis" (que pegavam carona no suposto carisma do agressor e faziam coro em atos de valentonismo), muita coisa ocorreu no Brasil.

Da simples defesa de gírias próprias da mídia venal (como "balada", patenteada pelo consórcio Rede Globo / Jovem Pan) ao recente clamor da intervenção militar, os valentões das redes sociais vivem acumulando "vitórias de Pirro" aqui e ali.

Se expõem demais com mensagens agressivas, ofensas, ameaças, blogues caluniosos, ataques em massa. E quem "está dentro" também paga caro pel…

MARJORIE ESTIANO, CLÁUDIA LEITTE E O "TRIBUNAL DA INTERNET"

"Você não é obrigado a gostar, mas tem que gostar", diz o estranho artigo primeiro da "Constituição" das mídias sociais, motivada pela tirania do valentonismo digital (cyberbullying).

É isso que fez o pessoal reagir à indiferença da atriz e cantora paranaense Marjorie Estiano quando a também cantora Cláudia Leitte foi se apresentar no programa Altas Horas de ontem.

Marjorie - que teve um texto dedicado a ela no meu livro O Mundo Não Quer Ler - e Cláudia eram convidadas do mesmo programa apresentado pelo sempre jovial Serginho Groisman.

De repente, quando Cláudia Leitte, que é ídolo da axé-music, se apresentou, Marjorie, que é da área da MPB e do Rock Brasil, simplesmente não dançou.

Isso causou uma revolta nas redes sociais, que condenaram a atitude de Marjorie, por não terem gostado da atitude da atriz e cantora.

Com base nas mensagens veiculadas, ficou uma certa tirania dos internautas de que Marjorie deveria ficar dançando, de preferência com as mãos para cima …

ASSUSTADO, MICHEL TEMER LIGA PARA FAUSTÃO PARA DAR EXPLICAÇÕES

FAUSTO SILVA LEMBROU DOS TEMPOS EM QUE ENTREVISTOU MICHEL TEMER NOS ANOS 80.

O comentário de Fausto Silva, no Domingão do Faustão da Rede Globo, contra o governo Michel Temer, foi sem dúvida alguma tendencioso.

Foi muito longe de ser um progressista.

Não dava para o intelectual "bacana", que sonha com o folclore brasileiro de amanhã montado com as breguices que rolam nos palcos do Domingão, "guevarizar" o comentário do apresentador dominical.

Farofafeiros "guevarizaram" a novela Os Dez Mandamentos, da Rede Record, só porque tiraram a Rede Globo da liderança da audiência.

Deram um tiro no pé.

Os donos da Rede Record fazem parte da "bancada da Bíblia" que ultimamente está relacionada à derrubada do governo Dilma Rousseff e ao estabelecimento de agendas retrógradas para o país no Congresso Nacional.

Uma dessas agendas é a ultradecadente Escola Sem Partido, que proibirá tanto o debate da realidade quanto a interferência em mitos religiosos.

Os farof…

A PRISÃO "DIFERENCIADA" DE EDUARDO AZEREDO

EDUARDO AZEREDO SE ENTREGANDO À POLÍCIA EM BELO HORIZONTE, HORAS DEPOIS DE SER DECLARADO FORAGIDO MEDIANTE ORDEM DE PRISÃO.

Hoje o ex-governador de Minas Gerais, o tucano Eduardo Azeredo, se entregou à polícia.

Antes de chegar à Academia de Bombeiros Militar (ABM), na Rua Piauí, bairro Funcionários, Centro-Sul de Belo Horizonte, Azeredo fez exame de corpo de delito no Instituto Médico Legal.

A prisão foi mais tranquila. Afinal, segundo Bolivar Lamounier, Eduardo Azeredo é tranquilo, ele não representa ameaça, apesar de ter pensado em censurar a Internet. Mas como é um tucano...

Sabe-se que Eduardo Azeredo é réu do esquema de corrupção do mensalão tucano, já que políticos do PSDB já se envolveram com o esquema do publicitário mineiro Marcos Valério antes do Partido dos Trabalhadores levar a fama por supostas acusações.

Eduardo Azeredo terá um tratamento privilegiado, estará preso próximo à sua casa e, para ser levado à prisão, foi dispensado de usar algemas.

Até aí, nada demais. Só que…

O FRACASSO COXINHA SIMBOLIZADO PELAS CAMISETAS DA CBF

Este é um Brasil muito, muito estranho.

Um Brasil em que valentões da Internet fazem cyberbullying para impor a "sua verdade".

Um país onde políticos conservadores envolvidos em comprovada corrupção nem sequer precisam cogitar sobre a vida atrás das grades, porque a prisão lhes é uma possibilidade nula.

Um Brasil cujas obras psicografake de certa religião espiritualista são consideradas "autênticas" porque contém frases piegas como "sejamos irmãos" e "busquemos a paz".

Um Brasil cuja parcela de machistas que fuma demais, usa drogas ou remédios e, só porque mataram suas próprias mulheres e saíram impunes, não podem sequer morrer das doenças que produzem, como câncer ou infarto.

Um Brasil em que se acredita tolamente que um sistema de ônibus vai melhorar com ônibus de pintura igualzinha exibindo logotipos de prefeitura, secretarias de Estado, consórcios etc.

Um Brasil em que a emancipação feminina é condicionada pelo machismo, de forma que as mul…

DITADURA MILITAR SEMPRE FOI MARCADA POR TORTURA E CORRUPÇÃO

TANQUE SE POSICIONA, NO RIO DE JANEIRO, DURANTE O GOLPE MILITAR DE 1964.

Infeliz daquele que quer a volta da ditadura militar, ainda que sob o eufemismo de "intervenção".

Há, lamentavelmente, muita gente assim. Mesmo pobre.

O discurso é sempre o mesmo: "com um militar do poder, o Brasil vai ter ordem e a gente vai receber salários dignos, não essa ladroagem que está aí mamando do Estado".

Tem gente que prega isso e puxa um efeito manada. Pessoal apoiando, sempre com aqueles bordões: "Tem que varrer essa sujeira que está no Congresso", "Tem que privatizar tudo, do jeito que está é um mar de lama" etc.

Além disso, há a novidade surreal de que uma parcela da sociedade já defende a queda dos salários dos trabalhadores, a perda de direitos trabalhistas etc.

Pelo menos isso eu não vi no tempo da ditadura militar.

Eu, criança e diante da mídia censurada, poderia estar desinformado de 99% do que acontecia no Brasil, mas creio que tal aberração não iria …