Pular para o conteúdo principal

O ESTRANHO CAMINHO DO "FUNK" PARA ENGANAR E ILUDIR AS ESQUERDAS


Depois que se descobriu, entre tantos incidentes, que o "funk" é aliado da mídia hegemônica que diz se opor, nota-se muitas estranhezas sobre a narrativa "progressista" que se atribui oficialmente ao gênero.

A narrativa, por incrível que pareça, não se deu para valer quando uma Bia Abramo, filha de Perseu Abramo e "contaminada" pelos ranços da Folha de São Paulo, em 2001.

Aquilo foi um ensaio. Mas o artigo "O funk e a juventude pobre carioca" cometeu uma gafe grosseira.

Bia, diante do processo movido por profissionais de Enfermagem ofendidas pelas baixarias da siliconada "Enfermeira do Funk", preferiu agir contra as enfermeiras de verdade, em clara afronta contra os movimentos sociais.

Detalhe: a Enfermeira do Funk era empresariada por ninguém menos que Alexandre Frota, um dos maiores apoiadores do "funk", mas também um dos maiores militantes da queda do governo Dilma Rousseff e um dos artífices do golpe político de 2016.

É o mesmo ex-ator que andou divulgando a Escola Sem Partido, de Magno Malta e Miguel Najib, para o ministro da Educação do governo temeroso, José Mendonça Filho.

Apesar dessa gafe, o artigo não repercutiu e o "funk", para se projetar, tinha que fazer uma parceria da pesada com a mídia hegemônica, com ênfase no Grupo Folha e nas Organizações Globo.

Não foi uma questão de relação "enfrentamento" X "apropriação", que tanto se atribui à "conflituosa" (?) presença do "funk" nos espaços da grande mídia hegemônica.

Foi uma relação de cumplicidade, mesmo. A Globo daria visibilidade aos funqueiros e a Folha, um verniz mais "intelectual" e "ativista".

Consta-se que a imagem de "ativismo social, político e cultural" do "funk", aquele papo de "cultura das periferias" e coisa e tal, foi uma narrativa criada pelo Projeto Folha.

Aquelas falsas associações à Contracultura, ao punk, ao Modernismo, à Tropicália etc eram plantadas pelos jornalistas não-esquerdistas de Otávio Frias Filho.

Entre eles o hoje "de esquerda" Pedro Alexandre Sanches, queridinho da intelectualidade "bacana", por ser o maior ícone da mesma.

Isso foi em 2003. Já ocorria a debandada dos últimos jornalistas de esquerda que estavam na Folha. Marilene Felinto e José Arbex Jr. já haviam desembarcado do jornal.

Os que ficavam tinham um duplo serviço. Aliás, triplo. Esculhambavam o governo Lula, elogiavam o "funk" e isolavam o que restava de esquerdismo no caderno Mais!, que "morria" aos poucos.

No terreno "global", sabe-se que, em 2003, com Roberto Marinho doente, morrendo naquele ano, as Organizações Globo já eram controladas pelos seus três filhos.

Eles, para "oxigenar" a corporação veio com tudo: desde consolidar a "religião" do espiritismo, já desfigurado em relação ao original francês, até a glamourização da pobreza através do "funk".

E foi aí que o "funk" se propagou de vez, em tudo quanto era atração, em tudo quanto era veículo das Organizações Globo.

Com o Rômulo Costa tendo escolhido, com gosto, ninguém menos que Luciano Huck para ser o "embaixador do funk".

Huck é o "midas" moderno, que faz transformar em "jargão universal" uma gíria privativa de jovens riquinhos que frequentavam boates noturnas, a gíria "balada", associada à ideia de "vida noturna", gíria que, à maneira das roupas "Use Huck", tem origem sombria.

No caso, a gíria "balada" se originou da palavra "bala", eufemismo para comprimidos alucinógenos consumidos pela juventude clubber, precursora dos "coxinhas" atuais.

Mas a Globo também usou reforços para difundir o "funk".

Permitiu que o cineasta José Padilha (membro do Instituto Millenium e apoiador da Operação Lava Jato), com seu filme Tropa de Elite, o primeiro, ressuscitasse o sucesso "Rap das Armas", de MC Júnior & MC Leonardo.

O sucesso repercutiu de tal forma que Padilha praticamente "batizou" a APAFUNK (Associação de Amigos e Profissionais do Funk), com MC Leonardo tornando-se primeiro presidente.

A narrativa "social" do "funk" passava a trabalhar com clichês trazidos pelo mesmo discurso usado no evento Criança Esperança.

Era uma narrativa que só foi empurrada para a pauta esquerdista por prometer uma abordagem "mais positiva" das populações pobres.

Afinal, alguns aspectos do discurso conservador já eram facilmente observáveis na retórica funqueira.

A glamourização da pobreza, através do "orgulho de ser pobre", que de maneira distorcida "institucionalizava" as ações paliativas de sobrevivência do povo pobre.

Assim, sob a desculpa de defender prostitutas, favelados, camelôs, pirateiros etc, se defendia a prostituição, a favela, o subemprego e a pirataria em detrimento do povo pobre, que gostaria de sair dessas ações improvisadas e não depender mais delas.

A narrativa foi durante anos vinculada, de maneira equivocada, pelas forças progressistas, através das chamadas "esquerdas médias", conhecidas também como "esquerdas fashion" ou "esquerdas havaianas".

Ampliou-se a associação do "funk" ao esquerdismo, que no entanto aponta falhas aqui e ali.

Como na narrativa dos funqueiros em colocar o consumismo acima da cidadania, a espetacularização acima dos direitos humanos.

Era uma gororoba retórica, na qual as "musas" do gênero defendiam a imagem machista e hipersexualizada da mulher como suposto empoderamento.

Usava-se a hipersexualização sob a desculpa da "liberdade do corpo" e a imagem de mulher-objeto era trabalhada como um suposto jogo de "dominação" (?!) dos machistas.

O ufanismo das favelas também era estranho. Na prática, pedia-se para o povo pobre "não sair das favelas" e elas "nunca melhorassem".

Pedia, via "funk ostentação", que o povo pobre deixe de pedir saneamento, moradias dignas e melhores condições de vida para pedir carros de luxo e tênis importados.

A desculpa usada é a "inserção do povo pobre" nas novas conquistas econômicas do governo do PT.

Interpretação distorcida dos avanços sociais obtidos. O "funk" veio com a retórica de "nova classe média" que depois saiu derrubada por muitos analistas realmente de esquerda.

Há uma série de estranhezas na retórica "progressista" dos funqueiros, que até para alegarem "apoio" a Lula e Dilma Rousseff se comportam como se estivessem forçando a barra, misturando coitadismo com triunfalismo.

Primeiro, a que interesse tem em promover "feminismo" com mulheres-objetos ou em dizer que morar em casas irregulares e vulneráveis é "emancipação social" e colocar o consumismo vazio como sinônimo de "emancipação econômica" do povo pobre?

Segundo, não seria uma forma de o "funk" promover, à maneira de Cabo Anselmo com suas pautas "militares" no passado, de criar uma cortina de fumaça para a ação dos verdadeiros movimentos sociais?

E que enfrentamento fazem na mídia hegemônica, se nenhum clima de tensão é criado quando os funqueiros aparecem na mídia venal?

E que apropriação se atribui à mídia hegemônica ao "funk" se este surgiu sob as condições sociais e psicológicas que a mídia hegemônica, desde a ditadura militar, inseriu nas comunidades pobres?

A cada ano crescem fatos que comprovam a associação entre "funk" e mídia hegemônica de tal forma que virou establishment.

Alguns propagandistas do "funk", como a antropóloga Adriana Facina (do grupo ligado ao ex-presidente Fernando Henrique Cardoso) e Bruno Ramos, da Liga do Funk, tentam tirar o corpo fora.

Tentam atribuir a "terceiros" a degradação cultural e profissional do "funk", ou o envolvimento de funqueiros com a mídia hegemônica.

Mas a lógica mostra que isso não é verdade.

O "funk" surgiu assim, degradado, aplicando regras da dita reforma trabalhista de Temer até quando esta nem era proposta nas "pautas-bombas" do então deputado Eduardo Cunha.

O "funk" agiu associado à grande mídia, aos barões da mídia, só faltando os irmãos Marinho fazerem trenzinho do "funk" com Otávio Frias Filho.

Com MC Guimê na Veja, Huck apoiando o "funk", Jojo Toddynho visitando Sílvio Santos, Valesca falando com Danilo Gentili, Liga do Funk comendo do prato em que cuspiu ao gravar programa da Globo, tudo isso derruba o suposto esquerdismo do "funk".

Mas as coisas só estarão mais claras depois das eleições presidenciais de 2018, quando um candidato da plutocracia for eleito.

Aí se verá, com as esquerdas enfraquecidas, em que lado realmente estarão os funqueiros.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

A GAFE MUNDIAL DE GUILHERME FIÚZA

Há praticamente dez anos morreu Bussunda, um dos mais talentosos humoristas do país.

Mas seu biógrafo, Guilherme Fiúza, passou a atrair as gargalhadas que antes eram dadas ao falecido membro do Casseta & Planeta.

Fiúza é membro-fundador do Instituto Millenium, junto com Pedro Bial, Rodrigo Constantino, Gustavo Franco e companhia.

Gustavo Franco, com sua pinta de falso nerd (a turma do "cervejão-ão-ão" iria adorar), é uma espécie de "padrinho" de Guilherme Fiúza.

O valente Fiúza foi namorado da socialite Narcisa Tamborindeguy, que foi mulher de um empresário do grupo Gerdau, Caco Gerdau Johannpeter.

Não por acaso, o grupo Gerdau patrocina o Instituto Millenium.

Guilherme Fiúza escreveu um texto na sua coluna da revista Época em que lançou uma tese debiloide.

A de que o New York Times é um jornal patrocinado pelo PT.

Nossa, que imaginação possuem os reaças da nossa mídia, que põem seus cérebros a serviço de seus umbigos!

Imagine, um jornal bastante conhecido nos…

O CASO SURREAL DO MINISTRO DA EDUCAÇÃO DE JAIR BOLSONARO

Por breves momentos, o governo Jair Bolsonaro quase conseguiu minimizar sua tragicomédia de erros, a menos de dez semanas de se iniciar.

Cogitou-se a escolha de Mozart Neves, ligado a Vivianne Senna, irmã de Ayrton Senna e responsável pelo instituto com o nome do falecido corredor, que tinha um perfil mais técnico.

Por ser contrário a Escola Sem Partido, a trevosa proposta pedagógica a ser votada no Congresso Nacional na próxima quinta-feira, Mozart foi descartado.

E aí foi escolhido o colombiano naturalizado brasileiro, Ricardo Veléz Rodriguez, professor da Universidade Federal de Juiz de Fora, da cidade onde, ironicamente, o presidente eleito sofreu um atentado.

Isso porque ele é anti-marxista convicto, ultraconservador de carteirinha e que pretende proibir o debate sobre "ideologia de gênero" nas escolas em geral.

Dois dados surreais.

A exemplo do "diplomata" Ernesto Araújo, o lunático futuro ministro das Relações Exteriores que disse que o aquecimento global é…

A PROPAGANDA 'FUCKER & SUCKER' DA PETROLEIRA TOTAL

Há quatro anos, um comercial passava na televisão, pelo menos a Rede Globo, com uma dublagem tosca.

O comercial, em si, é sofisticado, mas é estrangeiro. Transmitido no Brasil, passou com uma dublagem tipo "Fucker & Sucker".

Para quem não sabe, "Fucker & Sucker" era um quadro do Casseta & Planeta que, tal como o Bruce Kane de Chico Anysio, tirava sarro com as dublagens que não conseguiam sincronizar as palavras da tradução brasileira com os movimentos labiais dos personagens dos vídeos originais.

O comercial é da petrolífera Total, então desconhecida dos brasileiros, e cuja sede é na França.

A peça publicitária seria uma tentativa de, no mundo inteiro - ela foi transmitida em vários países - melhorar a imagem institucional na companhia, abalada no mundo capitalista.

Via o comercial durante o desjejum enquanto meus pais viam o Bom Dia Brasil, noticiário matinal da Globo.

A Total tinha presença discreta no Brasil, mas hoje eu coloco esta postagem porque …

O GOVERNO BOLSONARO É UM CAMINHO SEM VOLTA?

Fiquei doente quando, da volta de uma caminhada, refleti com aflição diante da promessa de que o governo Jair Bolsonaro será um "longo reinado".

Foi vendo a primeira página do Jornal do Brasil impresso, nas bancas de Niterói, e vendo a chamada da coluna de Teresa Cruvinel.

Tossi, tive febre, fiquei de repouso, e ontem não pus postagem no blogue. Sério.

É uma aflição muito grande, porque o país ruma para tantos retrocessos.

Jair Bolsonaro é apenas o showman do espetáculo, mas conta com muitos articuladores.

O principal de seus três filhos políticos, o deputado federal Eduardo Bolsonaro, tornou-se um articulador político ambicioso, a comandar o movimento Cúpula Conservadora.

Ela será o extremo oposto do Foro de São Paulo, que foi o movimento de nações progressistas latino-americanas que permitiu as experiências na Venezuela, Bolívia e Brasil.

Hoje há um desmonte em tudo isso, de um ritmo assustador.

A arrogância dos extremo-direitistas quer até que se sacrifique a realidade e…

SOLTEIRAS, NO BRASIL, SÃO INDUZIDAS PELO CORONELISMO MIDIÁTICO A OUVIR MÚSICAS DE VALOR DUVIDOSO

O gosto musical do "popular demais" não é livre. Ele é induzido pelo coronelismo midiático local, que determina o que o "povão" deverá ouvir.

É claro que não estamos aqui fazendo "teoria hipodérmica", tendência crítica da Teoria da Comunicação que via na manipulação do poder midiático algo simplório e bruto.

Teorias posteriores revelaram que existem mecanismos de persuasão do receptor de uma mensagem comunicativa, que envolve o conhecimento das fraquezas emotivas do público.

Neste momento de "lavagem de roupa suja" depois do ridículo "combate ao preconceito" brega que só gerou mais preconceitos - que culminaram na eleição de Jair Bolsonaro - , o coronelismo radiofônico deve ser discutido também sob o âmbito do "popular demais".

A "cultura" brega-popularesca que transformou o povo pobre em caricatura de si mesmo e promoveu mais consumismo que cidadania causou estragos diversos na população.

A intelectualidade "…

"POPULAR DEMAIS" REUNIU CULTURALISMO CONSERVADOR E ECONOMICISMO

A INTELECTUALIDADE "BACANA" TENTOU "GUEVARIZAR" O CANTOR BREGA-ROMÂNTICO JOSÉ AUGUSTO. MAS ELE DECLAROU VOTO A JAIR BOLSONARO.

É verdade que a poeira da campanha pró-brega da intelectualidade "bacana" anda se dissolvendo, que talvez não precisemos lançar tantos questionamentos como antes.

Mas algumas coisas precisam ser explicadas, diante desse cenário em que o "popular demais", ou o brega-popularesco, aderiu com peso ao bolsonarismo.

Fico imaginando como uma parcela de intelectuais "bacanas", sob o consentimento de blogueiros de esquerda, tentou "guevarizar" nomes diversos da bregalização, mesmo José Augusto e Latino, usando como desculpa o grande público.

Recentemente, os dois declararam explicitamente o voto em Jair Bolsonaro.

E o "sertanejo", em que intelectuais "bacanas" manobravam as palavras para, como quem vê cabelo em ovo, atribuir a ele um inimaginável esquerdismo?

O vexame do caso Zezé di Camarg…

O BRASIL NOS CINQUENTA ANOS DO AI-5

ATENTADO EM UMA IGREJA CATÓLICA DE CAMPINAS, QUE CAUSOU CINCO MORTES.

No dia em que se lembra dos 50 anos do AI-5, num contexto em que nos preparamos para encarar o governo ultraconservador de Jair Bolsonaro, incidentes graves vêm à tona.

O quinto ato institucional da ditadura militar a tornava mais rígida, levando adiante o cenário autoritário iniciado em 1964, só que de maneira mais agressiva.

E aí temos o "período 1964" redivivo em Temer e o "AI-5" de Bolsonaro, botando o país à deriva.

Alguns incidentes, então, vêm para trazer reflexão.

Um é a acusação do "médium" João Teixeira de Faria, o João de Deus, latifundiário e charlatão - se dizia curandeiro mas era incapaz de se auto-curar de um câncer - de ter feito assédio sexual contra várias mulheres.

As denúncias de assédio começaram no programa Conversa com Bial, da Rede Globo, uma pauta que surgiu por acaso.

A roteirista e jornalista Camila Appel foi para Abadiânia, Goiás, para convidar o "médium…

GÍRIA "BALADA" FOI TESTE PARA CAMPANHA DE JAIR BOLSONARO

TUTINHA, O VERDADEIRO REI DA "BALADA".

Como havia escrito, tive um incidente no Orkut por ter criticado a gíria "balada", por reacionários que eram membros da comunidade "Eu Odeio Acordar Cedo".

Esses caras anteciparam, em uma década, a ação furiosa dos bolsomínions de hoje. Fizeram valentonismo digital (cyberbullying) e tive que desfazer de minha conta.

Eu já notava um caráter agressivo, autoritário, debiloide e intransigente.

Entendo como essas pessoas, tão reacionárias, tinham que se apoiar numa gíria idiota - que tentou subverter as naturais condições de efemeridade e grupo de uma verdadeira gíria, se impondo "acima dos tempos e das tribos" - pois tinham que usar o aparato "moderno" de um colóquio.

A gíria "balada" virou um símbolo da mídia venal no seu processo de influenciar os jovens.

A gíria não tem pé nem cabeça. Subverte o sentido de outra "balada", aquela palavra que significa música lenta ou história tri…