Pular para o conteúdo principal

RÔMULUS MAIA E O CASO DOS INIMIGOS INTERNOS NO BRASIL - PARTE 2

PEDRO ALEXANDRE SANCHES E O DJ DE "FUNK" RÔMULO COSTA - "Amigos" das esquerdas que colaboravam com os barões da grande mídia.

O caso Romulus Maia nos põe para pensar, sobre o quanto supostos amigos da causa progressista podem agir para apunhalar as esquerdas pelas costas.

Tivemos um famoso precedente, do sargento José Anselmo dos Santos, o Cabo Anselmo, de lamentável lembrança.

Cabo Anselmo, hoje vivendo em lugar ignorado sob forte esquema de segurança, havia sido durante anos um herói para as esquerdas, ao defender os direitos dos militares de baixa patente.

Ele chegou até mesmo a atuar na guerrilha anti-ditadura, comandando a Vanguarda Popular Revolucionária (VPR).

No entanto, ele traiu quando denunciou os próprios colegas de militância, já na virada dos anos 1960 para os 1970, para o DOI-CODI.

Os antigos parceiros, inclusive a antiga namorada e colega do VPR, a paraguaia Soledad Viedma, foram presos, torturados e assassinados pelo órgão de repressão.

Descobriu-se depois que Cabo Anselmo sempre foi colaborador da CIA e que havia usado a Revolta dos Fuzileiros Navais de 1963-1964 como desvio de foco do projeto de governo de João Goulart.

Jango havia proposto as chamadas "reformas de base" (com sentido de "reforma" ideologicamente oposto ao de Michel Temer).

Como o projeto de Jango incluía, entre outras coisas, a restrição da remessa de lucros de empresas estrangeiras instaladas no Brasil, a plutocracia de então criou então uma "cortina de fumaça".

A "revolta dos sargentos" surgiu no segundo semestre de 1963, quase ao mesmo tempo da Rede da Democracia, campanha midiática de desmoralização do governo Jango patrocinada pelo IPES-IBAD.

O IPES-IBAD foi uma dupla de "institutos" da qual só sobrou o IPES, pois o IBAD, que surgiu antes, teve que ser desfeito depois que uma CPI revelou que a instituição era patrocinada pelo Departamento de Estado dos EUA e empresas gringas solidárias.

Hoje o IPES não existe mais, o "instituto" fechou em 1972 e atualmente o Instituto Millenium desempenha seu papel de think tank da chamada intelectualidade orgânica brasileira.

E, por incrível que pareça, a cultura é também um prato muito usado no cardápio desse think tank e revela um fenômeno novo que é dos "inimigos internos" das forças progressistas.

Isso também tem a ver com uma religião que abandonei em 2012, o Espiritismo, cujo injustiçado e mal compreendido precursor, o pedagogo francês Allan Kardec, já prevenia sobre a influência dos "inimigos internos".

No Brasil o que se conhece como Espiritismo é dominado pelos "inimigos internos" que vestem a capa de "kardecistas autênticos".

Seus maiores pregadores são os "médiuns", nome que faz um curioso trocadilho com "mídia" (não por acaso, eles são blindados pela Rede Globo) e que se comportam como se fossem sacerdotes medievais à paisana (sem o uso de batina nem adoção de rituais ostensivos).

Dois deles são muito famosos, de sobrenomes Xavier e Franco, e sempre foram figuras conservadoras, tendo sido católicos ortodoxos que fingiram paranormalidade para se apropriarem do legado do Espiritismo francês.

Criou-se uma aberração chamada "Espiritismo Cristão" e os dois "médiuns" passaram a professar seu conservadorismo moral, faturando em cima do sofrimento dos outros e se protegendo sob o verniz da "caridade" tão fajuta quanto o falso assistencialismo dos programas de TV popularescos.

O primeiro desses "médiuns", falecido após o fim da Copa do Mundo de 2002, defendeu a ditadura militar e esculhambou João Goulart por seu governo "de tendência claramente esquerdizante".

Esse "médium" teve o descaramento de produzir obras fake usando o nome de Humberto de Campos, famoso escritor brasileiro hoje esquecido, em livros que circulam impunemente no mercado literário nacional e internacional.

O segundo, nos últimos anos, passou a se envolver em incidentes que incluíram um julgamento de valor maldoso contra refugiados do Oriente Médio, o apoio ao decadente João Dória Jr. e sua "farinata", a defesa da Operação Lava Jato e o repúdio ao PT, ao marxismo e à ideologia de gênero.

Este "médium" era tido como "humanista" e "pacifista" e contradisse essa tão festejada reputação.

E, como suposto filantropo, fazia turismo pelo mundo afora em troca de prêmios pomposos, enquanto deixava uma instituição em Pau da Lima, Salvador, sob o cuidado de terceiros, até pouco tempo atrás sob a coordenação de seu primo, hoje falecido.

São esses detalhes que mostram o quanto os "inimigos internos" surgem como graciosas raposas na entrada de um galinheiro.

A cultura, no âmbito da religião, da música, do comportamento e até do esporte, mostra o quanto as forças progressistas são traídas por pretensos aliados circunstanciais.

Temos o caso do jornalista Pedro Alexandre Sanches, que se revelou, na verdade, um "alter-ego" do seu ex-patrão Otávio Frias Filho.

Cria do anti-esquerdista Projeto Folha, Sanches via a cultura sob o ponto de vista da Folha de São Paulo e, depois de trabalhar no Estadão e na Época, foi "passear" nas redações da mídia de esquerda (Carta Capital, Caros Amigos e revista Fórum).

Sanches chegou a ter as esquerdas na palma da mão, quando foi mediar um debate sobre mídia golpista, entrevistou o sociólogo Jessé Souza e teve uma entrevista com o letrista Aldir Blanc publicada em várias páginas da mídia esquerdista existentes no Brasil.

É até insólito Sanches entrevistar Jessé Souza, porque o sociólogo critica justamente a tradição "culturalista" que formou intelectuais como o próprio jornalista paulista-paranaense.

Sanches é conhecido pelo propagandismo extremo da bregalização cultural, aquela que transforma as classes pobres em caricatura e consiste numa falsa cultura popular patrocinada pela mídia venal (Globo, SBT, Folha, Abril etc).

Sanches também publica comentários forçadamente esquerdistas no seu perfil no Twitter, como se fosse um papagaio a imitar e fingir concordar com o que gente como Paulo Henrique Amorim, Altamiro Borges, Emir Sader e outros escrevem.

Mas Sanches, ao defender a bregalização da cultura popular, queria mesmo era impedir que houvesse um cenário de música brasileira tão forte e consistente como aquele que buscou uma resistência à ditadura militar, entre 1966 e 1968.

Essa bregalização cultural trabalha uma abordagem "conciliatória" reprovada pela obra de Jessé e expande a "miscigenação" utópica de Gilberto Freyre e Sérgio Buarque de Hollanda para a promiscuidade entre o "deus" mercado e as periferias, sonhada por Sanches.

Por ironia, o filho de Sérgio, o cantor e compositor Chico Buarque, destoou do "culturalismo" de seu pai e aderiu ao progressismo ideológico, sendo crítico da ditadura militar e do golpismo político atual.

Sanches, durante anos, esculhambou Chico Buarque e fazia isso na mídia esquerdista, atingindo o ápice no episódio do Procure Saber, quando o "farofafeiro" recorreu até aos ídolos da Globo, Luan Santana e Thiaguinho, para contrapôr ao compositor.

Consta-se que Sanches recebia mesada do bilionário George Soros quando participava de conhecidas organizações "ativistas", como o Coletivo Fora do Eixo.

George Soros é capaz de patrocinar tanto o MBL quanto a APAFUNK, tanto a Agência Pública quanto o Jornalivre, periódico da "turma" de Kim Kataguiri, por sinal um contraponto "não-petista" ao não menos estranho Pablo Capilé.

E ver que as "mesadas" de Pedro Sanches e da cubana Yoani Sanchez tiveram a mesma fonte não deixa de ser curioso.

Soros, conhecido como o "domador das esquerdas", patrocina causas liberais. Ele, patrocinador de Fernando Henrique Cardoso ("mentor" ideológico da intelectualidade da qual Sanches faz parte), parecia ter tido simpatia com a possibilidade de Luciano Huck presidir o Brasil.

E aí entra também mais um "amigo" e outro Rômulo, o empresário-DJ da Furacão 2000, Rômulo Costa.

Ele criou uma armação, uma pegadinha que tomou as esquerdas desprevenidas, o "Cavalo de Troia" (não seria "Eguinha Pocotó de Troia") do "baile funk" supostamente solidário a Dilma Rousseff, naquele 17 de Abril de 2016, em Copacabana.

As esquerdas morderam a isca, achando que aquilo era a "solidariedade" do "funk" aos movimentos contra o impeachment de Dilma Rousseff.

Não foi. Foi uma ação de um inimigo interno que, com o barulho do "funk", fez abafar uma manifestação de protesto contra a derrubada da presidenta, que se iniciou na noite daquele dia.

Tanto que, como no caso do Cabo Anselmo em 1963-1964, houve desvio de foco: no caso, a "alegria do funk" se sobrepôs aos protestos contra a derrubada do governo Dilma.

Rômulo Costa possui boas relações com profissionais das Organizações Globo e elegeu ninguém menos que Luciano Huck como "embaixador do funk" no Brasil.

Embora esse posto de "embaixador" tivesse se encerrado oficialmente em 2010, Huck sempre divulgou o "funk" e até hoje luta pelo seu crescimento. E ainda toca "funk" para seus filhos ouvirem.

O dono da Furacão 2000, sendo evangélico, também tem boas relações com a Bancada da Bíblia, e, se relacionando também com políticos do PMDB carioca, deve ter ajudado aqueles que, "em nome de Deus e da Família", disseram "sim" ao impeachment que derrubou Dilma em várias etapas.

Voltando a Romulus Maia, até o "funk" aparece no cardápio de suas estranhezas.

Certa vez, Romulus recebeu, pessoalmente, a resposta de ninguém menos que Valesca Popozuda por solidariedade a um comentário que ele havia feito no Duplo Expresso.

Não se imagina que Valesca fosse "antenada" a ponto de aderir à um blogue emergente considerado de esquerda, se considerarmos também que a funqueira periodicamente vai, "numa boa", para o programa The Noite, de Danilo Gentili, para ser entrevistada.

O caso de Romulus Maia mostra o quanto as forças progressistas deveriam observar quem é realmente aliado ou não.

A figura do inimigo interno é praticamente desconhecida no Brasil. Poucos imaginam que aquela pessoa capaz de lhe pagar um chope possa lhe apunhalar pelas costas.

No caso do que se fez com o Espiritismo no Brasil, a coisa é ainda mais grave: traidores que se escondem sob o aparato da "filantropia", através de um modelo ultraconservador de "caridade" que nunca trouxe resultados satisfatórios para o nosso país.

Em muitos casos, são aqueles que dão tapinhas nas costas os primeiros a puxarem o tapete, na primeira oportunidade.

Um "médium" que conquistou as glórias planetárias vendendo a imagem de pretenso pacifista, assim que obteve o que queria, forjando voz melíflua ou oratórias encenadas, sentiu-se a vontade para tirar sua "máscara de ferro" e despejar comentários furiosos contra casais LGBT mais humanistas que ele.

Muitos acreditavam nele e lotavam plateias dos eventos em que ele estava, para ouvir suas oratórias cheias de entonações dramáticas. Ou de ligar a TV e ouvir algum comentário dele dado com muito pedantismo e com voz melíflua de palavras mansas, porém rebuscadas.

O Brasil tem muito o que aprender, afinal, os que mais querem puxar o tapete não estão distantes de nós.

Eles não estão todos necessariamente isolados em Washington, entrincheirados no Pentágono ou na Casa Branca.

Também não estão todos necessariamente acomodados nos escritórios da Rede Globo ou da Abril, ou da Folha, Band etc. E nem estão todos escondidos nos salões do Instituto Millenium.

Os que querem puxar o tapete, muitas vezes, estão dentro das forças progressistas, fingindo que concordam com tudo, fazendo elogios aparentemente entusiasmados, mas sem abraçar com sinceridade a causa de quem dizem elogiar.

Em muitos casos, mais digno é aquele conservador que discorda respeitosamente das esquerdas, pensando até de maneira equivocada ou atrasada, mas agindo com dignidade.

Estranho é aquele aliado que diz concordar com tudo e age de maneira estranha, ou o religioso farsante que se apoia em ilustrações floridas para suas pregações para os infelizes aceitarem calados o sofrimento.

Ou então aquele "aliado apaixonado" do esquerdismo, que no entanto age para contaminá-la com causas muito estranhas, como o "funk", a idolatria a Marcelo Bretas ou o falso feminismo das mulheres-objetos.

Infelizmente, o cenário está para a plutocracia se manter no poder, porque, para as forças progressistas voltarem, é necessário uma mobilização da mais extrema intensidade, em dimensões da campanha Diretas Já de 1983-1984.

É lamentável que não haja momento para isso, e as manifestações, quando existem, são pontuais, embora com repercussão significativa, vide Pedro Cardoso, Márcia Tiburi e a Paraíso do Tuiuti.

O cenário brasileiro tende a ser de reafirmação do conservadorismo ideológico.

Mas, pelo menos, é um momento das esquerdas desenvolverem autocrítica e repensarem até mesmo quem realmente lhes apoia ou quem quer puxar o tapete na hora H.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

A GAFE MUNDIAL DE GUILHERME FIÚZA

Há praticamente dez anos morreu Bussunda, um dos mais talentosos humoristas do país.

Mas seu biógrafo, Guilherme Fiúza, passou a atrair as gargalhadas que antes eram dadas ao falecido membro do Casseta & Planeta.

Fiúza é membro-fundador do Instituto Millenium, junto com Pedro Bial, Rodrigo Constantino, Gustavo Franco e companhia.

Gustavo Franco, com sua pinta de falso nerd (a turma do "cervejão-ão-ão" iria adorar), é uma espécie de "padrinho" de Guilherme Fiúza.

O valente Fiúza foi namorado da socialite Narcisa Tamborindeguy, que foi mulher de um empresário do grupo Gerdau, Caco Gerdau Johannpeter.

Não por acaso, o grupo Gerdau patrocina o Instituto Millenium.

Guilherme Fiúza escreveu um texto na sua coluna da revista Época em que lançou uma tese debiloide.

A de que o New York Times é um jornal patrocinado pelo PT.

Nossa, que imaginação possuem os reaças da nossa mídia, que põem seus cérebros a serviço de seus umbigos!

Imagine, um jornal bastante conhecido nos…

O CAMINHO QUE MISTURA BREGA, ROCK IN RIO, RÁDIO CIDADE E JAIR BOLSONARO

O Diário do Centro do Mundo revelou que a Artplan, empresa de publicidade de Roberto Medina, dono da marca Rock In Rio, está envolvida com a propaganda do reacionário Jair Bolsonaro.

Tentando promover um Bolsonaro pretensamente humanista, Medina sentiu a dificuldade de desenvolver esse perfil impensável num presidenciável movido pelo ódio.

No texto de Nathali Macedo, informa-se que Medina levou um dia inteiro para trabalhar a cena com Bolsonaro se emocionando ao falar da mulher e da filha.

Machista, ele custou a adotar esta atitude, ainda mais porque o presidenciável de extrema-direita é daquele tipo de homem que não chora.

Medina promoveu o primeiro Rock In Rio, que teve lá sua importância.

Com certo exagero, o primeiro Rock In Rio, de 1985, foi definido como o "Woodstock brasileiro".

Teve seus méritos. Ajudou a profissionalizar o serviço de organização de eventos musicais internacionais, criou uma nova mentalidade de shows, fez atrair artistas estrangeiros para os palcos …

FEMINICÍDIOS E O PERIGO DO "AMOR DE NOITADA"

Desde que o antes chamado "crime passional", conhecido agora como um tipo principal de feminicídio, o de natureza conjugal, tornou-se crime hediondo, um novo contexto se deu na onda de crimes desse tipo, quando homens matam suas próprias mulheres.

Até parece que eles estão cometendo esses crimes para ver se a Justiça realmente funciona para eles.

O chocante crime cometido pelo professor de Biologia, o pitboy Luís Felipe Manvalier, contra a mulher, a advogada Tatiana Spiltzer, na madrugada do dia 22 de julho último, tornou-se um dos casos mais recentes.

Laudos indicam que ela teria sido estrangulada antes de ser jogada do 4º andar, e bem antes ela tinha sido agredida pelo marido.

Manvalier estava tomando anabolizantes para ficar musculoso e lutava jiu-jitsu, e também era um fã entusiasmado de Jair Bolsonaro, portanto se comportando como o bolsonarista típico, misógino e que só vê a mulher como um troféu para sua vaidade pessoal.

O crime ocorreu na cidade de Guarapuava, no in…

A GUERRA CONTRA OS 'FAKES' DA INTERNET. FALTA COMBATER OS 'FAKES DO ALÉM'

O Movimento Brasil Livre (aka Movimento Me Livre do Brasil) anda amargando derrotas sucessivas.

Recentemente, tentou acelerar demais o já acelerado timing jurídico contra o ex-presidente Lula, e pediu ao Tribunal Superior Eleitoral uma antecipada postura pela inelegibilidade do petista.

O TSE precisa manter seu teatrinho, e além disso é subordinado ao Supremo Tribunal Federal, que já tem um plenário "seguramente" contrário a Lula, a começar pela presidente Carmen Lúcia e figurões como Alexandre de Moraes, Luiz Fux e Luís Roberto Barroso.

Daí que o órgão superior eleitoral recusou o pedido dos rapazes do MBL para antecipar o banimento eleitoral a Lula com base na Lei da Ficha Limpa, que não foi apreciado ainda.

O MBL é ultraconservador, apesar de ser um movimento organizado por jovens.

Seus membros se esquecem que, numa sociedade ultraconservadora, o que vale é a hierarquia, seja por idade, tempo de serviço, cargo de liderança etc.

Isso significa que o MBL não pode mandar em…

JAIR BOLSONARO E A TIRANIA DOS IDIOTAS

ENTREVISTADORA FICA CONSTRANGIDA COM AS ASNEIRAS DITAS POR JAIR BOLSONARO NO PROGRAMA RODA VIVA DA TV CULTURA.

É preocupante a tirania dos idiotas, a partir do valentonismo das redes sociais.

Os valentões da Internet, que em 2007 se preocupavam em humilhar pessoas não-famosas por causa de frivolidades como a midiática gíria "balada" (copyright Luciano Huck e Tutinha), estão indo longe demais.

Depois de humilhar famosos e ativistas, indo de Maria Júlia Coutinho a Eduardo Guimarães, de Taís Araújo a Lola Aronovich, os brutamontes digitais que "odiavam acordar cedo" em 2007 acham hoje que um político fascista está a poucos passos do Palácio do Planalto.

É assustador como esses fascistas digitais, brutamontes que se acham "nerds" só porque se comportam de maneira debochada, contribuam para o pretenso favoritismo de Jair Bolsonaro.

Pessoas que variam entre o final da adolescência e o começo dos 40 e tantos anos se acham "donas da verdade" e combinam …

POR QUE AS ESQUERDAS SÃO TÃO CONFUSAS CULTURALMENTE?

O FATO DE HAVER DOIS LOBOS BRIGANDO NÃO SIGNIFICA QUE UM DELES SEJA NECESSARIAMENTE UM ALIADO DAS OVELHAS.

O que faz as esquerdas serem tão confusas quando o assunto são temas de alguma forma relacionados à cultura em geral?

Tão exemplares e consistentes quando se fala em assuntos econômicos, políticos e jornalísticos, elas pisam na bola quando chegam ao terreno de valores culturais, como a música, a religião e o futebol.

Nesse terreno, há uma preocupante complacência, que não raro sucumbe a gafes que fazem os esquerdistas abrirem caminho para a perigosa réplica dos reacionários da direita.

Seduzidos pela fumaça que exala um falso cheiro de povo pobre, um perfume muitas vezes forjado pela mídia venal, as esquerdas chegam mesmo a serem presas de um pensamento desejoso.

Dessa forma, atribuem a figuras como funqueiros, "médiuns espíritas", mulheres-objetos  e jogadores de futebol a chave que abrirá o portão da esperada revolução social do Terceiro Milênio.

Se tornam presas fáce…

OS PRESIDENCIÁVEIS QUE VÃO CONTINUAR O GOVERNO TEMER

GERALDO ALCKMIN, JAIR BOLSONARO E HENRIQUE MEIRELLES - ELES ASSUMEM CONTINUIDADE DO PROJETO POLÍTICO DE MICHEL TEMER.

O jovem que não gosta de Michel Temer, vale um conselho de amigo.

Evite votar em Jair Bolsonaro e seus familiares e aliados.

Eles mantém um compromisso com o projeto político do presidente Michel Temer, com suas propostas antipopulares.

O legado de Temer, de acordo com o que confirmam as reportagens de diversas fontes, é representado por, pelo menos, três candidatos: Geraldo Alckmin, Jair Bolsonaro e Henrique Meirelles.

Nem estamos falando dos genéricos Álvaro Dias e João Amoedo, em relação a Alckmin, e o Cabo Daciolo, em relação a Bolsonaro, ou Marina Silva, por parecer mais flexível.

Geraldo Alckmin forneceu a logística governamental para o presidente Temer e tem como um de seus feitos abrir caminho para Alexandre de Moraes virar ministro do Supremo Tribunal Federal.

Outro é o banqueiro e dublê de economista Henrique Meirelles, que se mantém afinado com os retrocesso…

RIO DE JANEIRO E SEU PRAGMATISMO VICIADO: HÁ SOLUÇÃO?

Nos últimos anos, alguns fenômenos desaparecidos no Rio de Janeiro reapareceram.

A rádio Antena Um, única rádio de pop adulto que sai um pouco do óbvio - embora fosse a que menos tocasse MPB, num contexto em que se pede mais música brasileira nessas emissoras - , retornou depois do fracasso retumbante da popularesca Nativa FM.

A versão impressa do Jornal do Brasil, ausente sem que sua lacuna fosse preenchida com dignidade - o jornal O Dia, possível substituto, manteve sua linha popularesca light - , retornou de forma brilhante, com linha editorial cada vez melhor e com resultados satisfatórios nas vendas.

Agora é a vez da diversidade visual das empresas de ônibus cariocas, depois de oito anos de vergonhosa padronização que desafiava as atenções dos passageiros ao dificultar a identificação visual das empresas, todas iguaizinhas.

Forçou-se muito a barra para empurrar os "ônibus iguaizinhos" para o imaginário carioca. Até a grande mídia tentou ajudar, com documentários e maté…